Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Aposentadoria Especial e continuidade na função insalubre
Alexandre Triches

Resumo:
A demora do STF em decidir sobre este tema não pode prejudicar milhares de trabalhadores que têm preenchido o direito à aposentação

A aposentadoria especial é devida a todos que trabalhem 15, 20 ou 25 anos em atividade insalubre, perigosa ou penosa. O enquadramento no benefício sempre vai depender do cumprimento dos requisitos previstos em lei e decretos, os quais exigem a exposição a agentes físicos, químicos e biológicos, ou a associação destes agentes. Existem inúmeras vantagens na aposentadoria especial, dentre elas a renda mensal sem a incidência de fator previdenciário e a possibilidade de aposentadoria mais cedo. Apesar disso, alguns cuidados se fazem necessários antes do protocolo do pedido junto a Previdência Social.
Dentre as questões que geram dificuldades e dúvidas na aposentadoria especial, está aquela relacionada à possibilidade da permanência do aposentado no exercício da atividade especial que embasou a concessão da prestação ou, ainda, de qualquer outra atividade profissional que implique sua exposição habitual e permanente a agentes nocivos à saúde humana. Esta é uma das questões mais relevantes a serem refletidas antes do encaminhamento da aposentadoria especial.
Pela letra da lei, constata-se que o afastamento é obrigatório e tem como objetivo evitar que o trabalho em condições agressivas possa prejudicar a saúde do trabalhador. Aliás, o objetivo deste benefício é justamente retirar o empregado brevemente da atividade a fim de que ele não adoeça. Acontece que a restrição à continuidade do desempenho do trabalho - sem que haja autorização constitucional para tanto (pois a Constituição somente permite restrição relacionada à qualificação profissional) - tem sido reconhecida como inconstitucional, aguardando-se, no momento atual, uma posição final do Supremo Tribunal Federal (instância máxima da Justiça brasileira) sobre o assunto.
A demora do STF em decidir sobre este tema não pode prejudicar milhares de trabalhadores que têm preenchido o direito à aposentação, ainda mais considerando que tramita no Congresso Nacional projeto de reforma da Previdência que vai dificultar o acesso à aposentadoria especial. É por isso que inúmeros tribunais têm afastado a exigência do desligamento da atividade especial por parte dos aposentados. Este é o caso do Tribunal Regional Federal da quarta região que engloba os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que declarou inconstitucionais as regras para os trabalhadores dos três estados.
     O entendimento dos tribunais é no sentido de que a regra em questão não possui caráter protetivo, pois não veda o trabalho especial, ou mesmo sua continuidade, impedindo apenas o pagamento da aposentadoria. Nada obsta que o segurado permaneça trabalhando em atividades que impliquem exposição a agentes nocivos sem requerer aposentadoria especial; ou que aguarde para se aposentar por tempo de contribuição a fim de poder cumular o benefício com a remuneração da atividade, caso mantenha o vínculo; como nada impede que se aposentando sem a consideração do tempo especial, peça, quando do afastamento definitivo do trabalho, a conversão da aposentadoria por tempo de contribuição em aposentadoria especial. A regra, portanto, não tem por escopo a proteção do trabalhador, ostentando mero caráter fiscal e cerceando de forma indevida o desempenho de atividade profissional.
Sendo assim, mediante a orientação especializada antes de encaminhamento do benefício, é possível postular com maior segurança, antecipando-se a eventuais discussões judiciais referentes à concessão do benefício e garantindo o recebimento da melhor prestação devida.
Mais informações: https://www.youtube.com/watch?v=JQQ4-CWxNDc&feature=youtu.be

Alexandre S. Triches
Especialista em Direito Previdenciário
http://www.alexandretriches.com.br/


Biografia:
Mestre em Direito Previdenciário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Pós-graduado em Direito Público pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Coordenador do Curso de Pós Graduação em Direito Previdenciário e do Trabalho da Faculdade Cenecista de Osório – FACOS Professor no Curso de Graduação em Direito da Faculdade Cenecista de Osório – Cnec/Facos Professor do Curso de Especialização em Direito Previdenciário da Uniritter / Facos/ Imed / Iesa Santo Angelo / Unisc/ Feevale Palestrante em eventos acerca da temática Previdenciária e autor de obras sobre Direito Previdenciário.
Número de vezes que este texto foi lido: 126


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Data de entrada do requerimento da aposentadoria: Alexandre Triches
Artigos Recebimento indevido de benefício após a morte Alexandre Triches
Artigos A prova de vida Alexandre Triches
Artigos O cumprimento de exigências da Previdência Alexandre Triches
Artigos Aposentadoria Especial e continuidade na função insalubre Alexandre Triches
Artigos Um novo INSS Alexandre Triches
Artigos Novo “pente fino” da Previdência Social Alexandre Triches
Artigos Mudanças impactantes no atendimento da Previdência Social Alexandre Triches
Artigos Reforma da Previdência Social e as eleições Alexandre Triches
Artigos As lesões de esforços repetitivos Alexandre Triches

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 33.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 48580 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39014 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 33045 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 32033 Visitas
Amores! - 32003 Visitas
Desabafo - 31627 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31401 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30772 Visitas
Faça alguém feliz - 30752 Visitas
Vivo com.. - 30407 Visitas

Páginas: Próxima Última