Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ESTRADA DE AÇO 8 NOVEL LIVRE 12 ANOS
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
EXCELENTE

Reginaldo bate á porta do quarto de Lúcia, log ali, ele vê sua prima sentada á beira da cama, com cabelos desarrumados e o quarto como que se tivesse passado ali um furacão.
    - Para quê isso?
    - Você não entende, realmente não entende.
    - Juro prima, nãqo, sabe nunca nos demos bem, mais pela primeira vez estou a sentir dó.
    - Não preciso de seus sentimentos.
    - É isso, isso que faz ficar alegre, essa sua competitividade.
    - Me deixe Reginaldo.
    - Ainda sou o rei.
    - Pois que faça o que quiser. Lúcia sai da cama segue até a penteadeira e passa a escova rapidamente nos cabelos, limpa as lágrimas aos olhos e passa um pouco de pó ao rosto.
    - Vai sair?
    - Vou continuar esta batalha.
    - Essa é a prima que admiro.
    - Vá para o inferno.
    Ao sair, já no corredor, Lúcia abre um singelo sorriso e segue para o quarto onde Margot esta hospedada.
    Margot sob a luz de velas, faz a tradução daquela tábua tendo Silas de espectador, ao canto do quarto ela montou seu altar para os deuses de guerra e protetores de feitiçeiros, 3 corujas e 2 águias ali em seus respectivos puleiros, causam no garoto uma estranha fascinação.
    - Estão vivos?
    - Mexa neles, se quiser.
    - Acho melhor não. Uma grande caixa de madeira no outro canto do quarto, com vários furos.
    - E aqui, o que tens?
    - Se quiser ser picado, tudo bem. Silas logo se afasta.
    - Não me diga que.........
    - Sim, algumas serpentes de Mizú.
    - Elas saem dali?
    - Só quando eu ordeno, fique tranquilo. Silas senta próximo a ela e fica admirando a total atenção que ela dedica naquilo, já trazendo alguns livros e firme no propósito do término daquilo.
    - Você me parece formidável.
    - Por que diz?
    - Só que vejo, você é firme no que faz.
    - Só quero sair deste castelo o quanto antes.
    - Por que?
    - Este lugar não me traz boas recordações.
    - Por que?
    - Olhe garoto, sei que logo se tornarás rei, porém vou lhe adiantar alguns fatos, não serás querido tampouco respeitado por todos os reinos, inclusive esse, terás grandes inimigos e o maior será essas paredes e tudo que ela proteje.
    - Odeia tanto aqui?
    - Sim, principalmente esta suja alta cúpula.
    - Duquel, a odeia?
    - Só te peço, se puder, se afaste desse lugar.
    - Se pudesse sim, já o teria feito, mais sinto que preciso ficar e tentar realizar as......
    - Mudanças, acha mesmo isso, será que terás tempo para isso, não sei iluda garoto, Arthur, seu pai, acha que ele foi contente neste lugar?
    - Talvez não, mais ele permaneceu neste, até sua morte.
    - E hoje, amanhã e logo depois será um rei esquecido.
    - Por que diz com tanta certeza?
    - Por que quem deveria estar aqui é.......... Lúcia rompe o momento entrando ali de adága em mãos.
    - O que quer fedelha?
    - Respostas.
    - Procure em seus livros ultrapassados de magia.
    - Me cansei de seus enigmas e brincadeiras tolas.
    - Pois então seja um tanto adulta e comece a alinhar seus objetivos.
    - Quem é você que me faz isso.
    - Aquela que esta quase no término disso. Margot mostra para Lúcia a tradução quase finalizada da tábua.
    - O que ela diz de tão importante?
    - Isso só sua ministra o dirá.
    - Quando, quando Margot deixou de ser aquela boazinha e se bandeou para o outro lado?
    - Você sempre quis ser a cega, fez muito bem esse processo.
    - Não vou mais tolerar seus insultos.
    - Que seja. Ali inicia uma batalha de feitiços tendo Silas em meio a tudo aquilo.
    Ambas sofrem as máculas de cada encanto e ordem oculta que desferem uma a outra, até que soldados entram ali junto de Duquel, Reginaldo ao lado da ministra ordena que parem e elas cessam.
    - O que esta havendo aqui, estamos querendo iniciar um anti protocolo de pacifismo aqui.
    - Por favor rei.
    - Não, Lúcia, estou sendo um tanto bonzinho com você.
    - Ela é o monstro aqui.
    - Não há desculpas diante as loucuras que as duas são capazes.
    Silas sai pelo canto e passa por detrás da ministra, no corredor segue para seu quarto levando consigo uma cópia que fizera da tradução da tábua, enquanto falava com Margot aproveitava os momentos de descuidos e copiava em um papel para si.
    - Agora vou estudar isso.
    Margot entrega a tradução para Duquel que mostra ao rei,, ambos saem dali.
    Ficando as duas ali, cansadas de tantos envios e transformações mágicas, elas caem na cama.
    - Por que me odeia?
    - O ponto não é esse Lúcia, se estiver a acontecer o que penso, teremos um tempo nada favorável.
    - Sei disso.
    - Consultou os astros?
    - Sim e outros.
    - Teremos de unir forças.
    - Não fez a total tradução?
    - Sim, quase isso.
    - O que fez Margot?
    - Algo que a vaca nem imagina.


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 28578


Outros títulos do mesmo autor

Poesias lua nua paulo azambuja
Poesias lua nua paulo azambuja
Poesias lua nua paulo azambuja
Poesias lua nua paulo azambuja
Poesias lua nua paulo azambuja
Romance lua nua paulo azambuja

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 161 até 166 de um total de 166.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
As interrogações sobre os alienígenas - DIRCEU DETROZ 1 Visitas
TCAS evita colisões entre aeronaves - Carlos Henrique Motta 1 Visitas
O abismo - Davi de Souza Campos 1 Visitas
O GATO DE OZ - Saulo Piva Romero 0 Visitas
Flúor - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Verso seis - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Verso cinco - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Pneu - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Cavalos - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior