Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A SIGNIFICAÇÃO DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO HOSPITALAR
PSICOLOGIA
Ismael Monteiro

Resumo:
Traça roteiros da psicologia no contexto hospitalar.


     A dificuldade em se contextualizar a psicologia no contexto hospitalar, dentro de um paradigma científico, deixou lacunas na tarefa profissional diária do psicólogo no hospital, como também na inter-relação com outros profissionais de saúde.
     A psicologia hospitalar utilizou-se muito tempo, de recursos metodológicos “emprestados” de outras áreas do saber psicológico, esbarrando em dificuldades estruturais que tornaram pouco clara e confusa a prática do psicólogo.
     Diante disso, fica difícil estabelecer uma forma adequada de atuação do psicólogo no contexto hospitalar, embora muitos profissionais da área tentem resolver o problema à sua maneira.
     Com esse impasse, o questionamento do que é psicologia hospitalar, como inserir o trabalho do psicólogo, seus objetivos e os limites de sua prática no hospital, são questões que merecem uma análise acurada e que podem permitir uma minimização das lacunas teóricas que prejudicam o trabalho do psicólogo no contexto hospitalar.
     No que concerne à prática da psicologia hospitalar, verificou-se múltiplas demandas, diferentes níveis de populações atingidas, variados recursos técnicos ou teóricos, ou seja, fragmentos em torno de um mesmo problema. Tudo isso fez com que a Psicologia adquirisse diferentes interfaces, gerando profissionais com saberes, práticas, destinações, linguagens, alianças e limites muito específicos. Os efeitos dessa pluralidade podem ser preocupantes, porque os psicológos que atuam nos hospitais podem perder seus objetivos, diluindo a assistência psicológica aos doentes e com isso aumentando ainda mais as lacunas.
     Com esta indefinição do campo de atuação do psicólogo, em virtude da complexidade e pluralidade epistemológica que ampliou e diversificou os diferentes campos de ação em psicologia e em saúde, sugere-se um diálogo inter e transdisciplinar com outras categorias de profissionais, caso contrário, seu trabalho pode ser confundido com incapacidade e imprecisão. Desta forma, qualquer tentativa de contextualização de um novo campo de saber dentro da psicologia, como é o caso da referente ao hospital, precisa considerar a fragmentação de métodos e do objeto em si da própria psicologia.
     Na tentativa de buscar um eixo de referência dessa pluralidade, buscou-se as origens da psicologia. No Brasil, as práticas psicológicas já existiam desde o início do século passado, mas foram regulamentadas em 1962, através da Lei n. 4.119, que definiu suas funções: a de ensinar psicologia e o exercício da profissão de psicólogo, demarcando três grandes áreas de atuação, além do ensino: a clínica, a escolar e a industrial.
     Contudo, a diversidade de práticas trazidas para a nova profissão, dificultou a possibilidade de se submeter a uma problematização e confronto com outras matrizes teóricas, encaminhando-se para critérios avaliativos (e errôneos) de senso comum, criando-se até uma aura “mística” em torno dos fenômenos ou estudos psicológicos.
     Conhecedor dessa diversidade de “especialidades” do psicólogo, o Conselho Regional de Psicologia elaborou um documento integrante do Catálogo Brasileiro de Ocupações do Ministério do Trabalho estabelecendo várias áreas de atuação do psicólogo: psicólogo clínico, do trabalho, do trânsito, educacional, jurídico, do esporte, psicólogo social e professor de psicologia. Com essa interdisciplinaridade de funções, o profissional é instado a responder pela especificidade do seu conhecimento na saúde mental, na saúde pública, na escola, na empresa e na fábrica. Contudo, diante de novas áreas consideradas emergentes, o psicólogo defronta-se com a desintegração entre a prática profissional e sua própria formação, apontando para um consenso: a psicologia ainda não atingiu o estágio paradigmático, pois dividida em escolas de pensamento, onde a maioria de seus membros não consegue estabelecer um consenso acerca de questões teóricas e metodológicas, apesar de tentarem buscar, acolher e rejeitar diferentes definições, sem conseguir unificar as várias posições, apresentando-se como uma ciência multiparadigmática, em que vários arcabouços teóricos estabeleceram-se com linguagens particulares, seus métodos, seus conceitos e suas comunidades.
     No contexto hospitalar a psicologia enfrenta problemas de toda ordem, principalmente aos referentes a dificuldade de se aliar a teoria e prática. Seria interessante se na psicologia hospitalar o conhecimento estivesse ao lado do objeto de estudo (o ser doente, o paciente, a doença, etc), assim, o conhecimento seria construído pelos métodos, procedimentos e conceitos da psicologia hospitalar.
     Busca-se assim, a elaboração de uma psicologia separada de suas raízes filosóficas e investida no rigor científico, ao desenvolvimento de novas ciências psicológicas, considerando-se a diversidade dos campos de investigação e dos métodos, convergindo para o estudo do homem em sua totalidade, sem esquecer da ética que deve conduzir os psicólogo a um exercício de questionamentos de aspectos fundamentais, abrangendo sua postura diante dos outros e de si, a moderação, a conduta, a educação, o trabalho na construção de uma subjetividade realizada e bem sucedida.
     Por sua vez, a psicologia clínica é distinta das demais áreas pela maneira de pensar e atuar, pois o estudo do comportamento, personalidade, normas de ação constituem-se objeto de estudo de muitos campos da psicologia e também das ciências humanas em geral. Contudo, a psicologia clínica estuda o comportamento dos indivíduos em seus mais variados contextos, distinguindo a observação, a compreensão e a intervenção, em razão das contínuas transformações inerentes ao equilíbrio psicológico dos indivíduos.
     Nos hospitais, o trabalho do psicólogo clínico nem sempre é bem sucedido, seja pelo distanciamento da realidade institucional, pela inadequação na assistência, pelo exercício do poder, ou mesmo pelas peculiaridades a que o mesmo está submetido, como aos tipos de pessoas a serem atendidas, as relações interpessoais do ambiente, aos pacientes que deve atender. Além disso, o próprio psicólogo na sua prática nos hospitais, chega muitas vezes a duvidar da eficiência de sua tarefa, devido ao que ele aprendeu na sua formação acadêmica, que não lhe proporcionou o respaldo necessário para enfrentar as situações de um hospital.
     Assim, é consenso que o psicólogo deve seguir os requisitos mínimos, teóricos e práticos, para a atuação, orientação e supervisão, formação específica nas áreas clínica e hospitalar, em nível de graduação, especialização ou pós-graduação e experiência pertinente e adequada na área.
     Muito se tem debatido através de pesquisas, reformas curriculares, acompanhamento dos cursos de graduação, à respeito da formação do psicólogo, combatendo-se a formação individualista e egocêntrica, onde ele permanece fechado, principalmente aos problemas referentes à sua classe e à sociedade como um todo. No campo da psicologia hospitalar muito pouco se tem feito.
     É em contato com o hospital, que o psicólogo percebe a necessidade de reaprender suas práticas, que devem ser voltadas à constante investigação, ao trabalho colaborativo e articulado, porque um hospital é caracterizado por regras, rotinas, condutas específicas, dinâmicas que devem ser respeitadas, o que de certa forma, limita a atuação do psicólogo. O psicólogo no hospital, deve inserir-se nas equipes de saúde, necessitando-se de uma avaliação do aspecto teórico-prático próprio de sua função, que discrimine atividades exercidas em hospitais. No hospital, o psicólogo precisa transpor os limites de seu consultório, mantendo contato obrigatório com outras profissões, o que determina multiplicidade de enfoques ao mesmo problema e, em conseqüência, ações diversas.
     O trabalho em equipe num hospital tem de funcionar de maneira uniforme e colaboradora e o resultado dessa relação deve atingir sempre, o paciente. Neste dinâmica, o psicólogo deve inserir suas avaliações e seus atendimentos, respeitando e sendo respeitado por outros membros, sempre atento às normas internas.
     A atuação do psicólogo num hospital não deve sempre estar limitada à atenção direta aos pacientes, mas a tríade paciente-família-equipe de saúde, no qual o mesmo deve fundamentar a sua atuação profissional. Outrossim, deve-se levar em conta que esta atuação abrange uma multiplicidade de solicitações: tentativas de suicídios, pacientes terminais, pacientes que não aceitam tomar a medicação, ora um familiar desestruturado, ou mesmo, um membro da equipe de saúde “estressado”.
     É nos hospitais que são reconhecidos os transtornos mentais orgânicos, causados por drogas utilizadas no tratamento de doenças primárias, complicações psiquiátricas de doença orgânicas, e vários outros distúrbios psicossomáticos. O doente, torna-se psicologicamente frágil, pois se confronta com os conflitos entre a vida e a morte. Dessa forma, surge o medo, estimulando a produção de fantasias irracionais que afetam o comportamento do doente.
     Esses exemplos, servem ilustrar a enorme amplitude de situações as quais o psicólogo está exposto, e para enfrentar tudo isso, ele deve estar preparado com formação específica, objetividade e coerência que abrangem reformulações teóricas e metodológicas.
     Outro fator importante que afeta o trabalho do psicólogo hospitalar é o local de trabalho, que passa a ser diferente do ambiente do consultório tradicional, e passa a ser entre macas, no pronto-socorro ou no centro cirúrgico e nas enfermarias. Com essa reformulação do seu ambiente, o psicólogo precisa estar preparado para o desenvolvimento de suas tarefas assistenciais, e o que ocorre? Ora, a estimulação dessas relações, o incentivo à troca de sentimentos entre o grupo do qual o psicólogo faz parte, como também, o exercício de apreensão de suas necessidades psicológicas aliadas à situação de doença e hospitalização do paciente. Desta forma, é interessante ressaltar que não pode haver o distanciamento ou incompreensão do psicólogo das verdadeiras necessidades de sua tarefa.
     No contato com o paciente enfermo, o psicólogo hospitalar lida com sofrimento físico sobreposto ao sofrimento psíquico, e pode sentir-se deslocado de seu campo de atuação. Outrossim, o psicólogo defronta-se com a crueldade da fome, da violência, da miséria, da injustiça social e muitas vezes pode dar respostas incompatíveis à realidade, porque sua formação foi mais teórica e sua prática está restrita aos consultórios.
     É interessante constatar também, que a psicologia, que pressupõe o estudo da relação do homem com o mundo, praticamente desconsidere, o estudo da morte, ao qual a mesma se mantém distanciada. A necessidade de atendimento psicológico, nestes casos, é bastante procurada, e como o profissional pode resolver isto? Ressalte-se aqui, a necessidade do caráter preventivista da prática do psicólogo no hospital. Esta prática pode evitar dissabores para o psicólogo, porque ele pode prevenir e saber atuar com base em experiências que vai adquirindo ao longo do tempo.
     A prática da psicoterapia também pode ser aconselhada, porque ela pode trazer ao paciente, a possibilidade uma adaptação ao seu estado doentio, e é especialmente indicada para situações em que o estado psicológico atual do paciente mostra-se diretamente relacionado com eventos da vida recente, geralmente de natureza traumática, como a situação de doença e hospitalização.
     O aspecto “morte” é uma constante nos hospitais. O hospital é a instituição marcada pela luta constante entre a vida e a morte, que, sempre alerta, sempre presente, curiosamente exercitando uma batalha constante diante das condutas terapêuticas, tensionando o profissional de saúde que deve estar sempre preparado para a melhora, para a cura, mas sempre angustiado frente à morte.
     É neste contexto que o psicólogo atuará, contaminado pela visão de morte, despreparado e com formação especialmente voltada a construtos de vida e princípios de prazer. Estaria o psicólogo preparado para trabalhar neste contexto? Ao admitir a morte como componente de sua própria realidade, pode despertar no psicólogo as mesmas vivências, ferindo seu narcisismo e a sua onipotência e colocando-o diante do incompleto e do não-terminado. Assim, a posição do psicólogo diante da morte e do morrer, pode significar a tomada de consciência de sua própria finitude, de seu limitado período de vida. Ao contrário, pode reforçar seus medos, exacerba seus mecanismos de defesa e aliena-o da responsabilidade para com a sua própria existência. Outrossim, ao reconhecer as questões que envolvem a morte e o morrer torna-se tarefa difícil, porque sempre o psicólogo reporta aos seus sentimentos, questionamentos e sobre a sua própria mortalidade e até, da sua própria vida.
     No caso de morte, o psicólogo hospitalar deve estruturar um trabalho de psicoterapia breve, enfatizando-se a crise da morte e da perda e a atuação deve se dar ao nível da comunicação, reforçando o trabalho estrutural e de adaptação dos pacientes e familiares ao enfrentamento da crise.
     A significação da Psicologia no contexto hospitalar tenta firmar-se como uma nova especialidade na psicologia, mas precisa definir novas perspectivas teóricas que redimensionem esse saber emergente. Ao tomar de “empréstimo” outras áreas afins, como Ciências, Medicina, Biologia e Filosofia, a psicologia tem se distanciado da própria psicologia, pois ao operar em dinâmicas mais determinadas, mais exatas e mais claras, o erros tendem a diminuir e a probabilidade de êxito aumenta, conferindo uma falsa sensação de independência e de sucesso. O que se observa é que tudo isso, gera mais fragmentação na psicologia, e em muitos casos, aquilo que poderia ajudar, nortear, dar algum significado tem confundido o profissional, levando-o a tentar resolver o problema à sua maneira, de forma isolada, buscando alternativas na tarefa sem a rpecisa avaliação metodológica.
     Neste ponto, ao buscar significar a psicologia no contexto hospitalar, o psicólogo pode seguir dois caminhos: o psicológico e o social. Na primeira, a necessidade de demarcação de um caminho distingue-se pela consideração da psicologia e da psicologia no contexto hospitalar, em seu sentido mais amplo, pois o fenômeno do adoecer e infinito em suas possibilidades. Assim, é que a psicologia determina seu papel no contexto hospitalar, partindo da premissa de que a integração dos conhecimentos deve transformar-se numa tendência e explicá-los. Pressupõe também, o estabelecimento de conexões entre vários fatos ou vários grupos de fatos, referindo uma série de fenômenos, definindo-se a causalidade desses num mesmo domínio.
     O novo enfoque da psicologia hospitalar refere-se a uma mudança de estratégias na forma de prover saúde, em seu sentido mais amplo, como também, otimizando o trabalho interdisciplinar, visando a integração das ciências médicas e sociais, estreitanto os vínculos das vertentes assistenciais, de formação e investigativas.
     Para atender a demanda dos psicólogos hospitalares é importante lançar mão de recursos teórico-metodológicos disponíveis, emprestando de outras áreas da psicologia ou da medicina conteúdos para implementar suas intervenções. Com estas considerações, pode-se dizer que os psicólogos são protagonistas de um novo pensar em saúde, definidos pela abordagem holística inerente à psicologia, na solução dos problemas mais relevantes da saúde contemporânea, mas, conservando a essência da psicologia e ampliando a atuação do psicólogo em áreas de promoção da saúde e prevenção de doenças.   


Biografia:
Sou pesquisador científico há vários anos e possuo conhecimento sobre diversas áreas.
Número de vezes que este texto foi lido: 29244


Outros títulos do mesmo autor

Haicais ANTICORRUPÇÃO Ismael Monteiro
Haicais ONDE MORA O POLÍTICO? Ismael Monteiro
Haicais TAMANHO DA CORRUPÇÃO Ismael Monteiro
Haicais VOTOS À VENDA Ismael Monteiro
Haicais FIM DO POLÍTICO Ismael Monteiro
Poesias CONFISSÕES DE UM POLÍTICO Ismael Monteiro
Haicais POLÍTICO? Ismael Monteiro
Haicais Política Ismael Monteiro
Haicais Noticias da política Ismael Monteiro
Poesias MAR DE LAMA Ismael Monteiro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 170.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 55349 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 52844 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39189 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 34017 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 33263 Visitas
Amores! - 32665 Visitas
Desabafo - 32289 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31596 Visitas
Faça alguém feliz - 31186 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 31033 Visitas

Páginas: Próxima Última