Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O ESTRANHO ANJO
Um anjo com aparência muito triste, pensativo e com enormes asas que envolviam todo seu corpo...
Luciana Fátima da Silva

Ela sempre adorara esculturas, mas seus gostos não eram muito comuns. Talvez, por morar muito perto de um cemitério, tinha tanto fascínio pelas lúgubres estátuas desses lugares.
Era uma garota simples, sem grandes ambições e levava uma vida relativamente normal. Depois da morte dos pais, passou a morar sozinha naquela casa, que todos achavam esquisita. Os vizinhos diziam que era assombrada e não tinham coragem, nem vontade, de se aproximar de sua – também estranha – moradora.
Por ser uma pessoa solitária, gostava muito de passear no silencioso cemitério, apreciando as esculturas que adornavam os túmulos. Mas, dentre todas, havia uma em especial que a impressionava, um anjo com aparência muito triste, pensativo e com enormes asas que envolviam todo seu corpo. Ficava horas admirando essa estátua e tentando adivinhar de quem poderia ser aquele túmulo, já que não possuía nenhuma lápide ou identificação.
Enquanto vagava pelas alamedas ouvindo o barulho das folhas levadas pelo vento, ficava lembrando os sonhos que tinha durante a noite. Desde pequena tinha sonhos intrigantes, mas nunca comentava o fato com ninguém.
Sonhava que passeava pelo cemitério a conversar com seus habitantes e até mesmo com suas estátuas. Às vezes, via também seus pais e parentes que já estavam mortos. Mas, atribuía esses sonhos à sua vida monótona sempre abrindo as janelas e porta com vistas para um cemitério.
Naquele dia, em especial, deteve-se por um tempo maior em frente à figura do anjo, lembrando-se do sonho da noite passada. Ela havia parado, como sempre, a observá-lo, quando, de repente, a estátua tomara vida e viera conversar com ela. Durante um tempo que lhe parecia eterno, eles conversaram e ela, finalmente, desvendara o mistério. Ele lhe contara que o túmulo era dele, um escultor desiludido, que se suicidara, e a imagem do anjo, que ela tanto admirava, era, na verdade, uma espécie de auto-retrato, que fora sua última criação.
Acordara naquela manhã fria com uma terrível sensação de solidão e decidiu passear pelo cemitério. Lembrando-se do sonho e olhando para a estátua, uma pergunta não lhe saía do pensamento: seria aquela realmente a imagem do artista? Se fosse, ele deveria ter sido muito belo, com aquele semblante melancólico... mas ela jamais saberia, pois não tinha coragem suficiente para sair por ali perguntando.
Depois desse sonho, outros vieram, bem como vários outros passeios, até que um dia, algo extraordinariamente estranho aconteceu: de longe viu, ao lado do túmulo do suposto artista, um movimento bastante anormal.
Só quando estava mais perto conseguiu distinguir o que era. Havia alguém esculpindo com extrema rapidez uma outra estátua no túmulo ao lado. Naquele clima irreal, ela foi se aproximando aos poucos e percebeu que o anjo não estava, mas não conseguia entender exatamente o que estava acontecendo.
Percebendo a presença estranha, o escultor virou-se para olhá-la. O susto foi tão grande que ela quase caiu. O escultor não era ninguém menos que o anjo, não a estátua, mas sim um ser de carne e osso e a surpresa maior veio quando olhou para o trabalho que ele acabara de concluir. Era um outro anjo, porém, a figura era feminina e se parecia incrivelmente com ela.
“Devo estar sonhando” – pensou ela completamente confusa.
Com o sorriso mais enigmático que ela já vira, ele disse:
“ Sim, querida, você está sonhando. A única diferença é que deste sonho você jamais acordará!”


Biografia:
LUCIANA FÁTIMA nasceu em São Paulo, no inverno de 1975. Graduada em Produção Editorial, pós-graduada em Língua Portuguesa & Literatura e mestre em Comunicação. É fotógrafa e escritora. Já publicou textos em antologias e em sites literários. Seu livro ÁLVARES DE AZEVEDO: O POETA QUE NÃO CONHECEU O AMOR FOI NOIVO DA MORTE está disponível. Contato com a autora: lucianafatima@uol.com.br
Número de vezes que este texto foi lido: 28522


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas Aos olhos da Morte Luciana Fátima da Silva
Resenhas MEU AMOR É UM VAMPIRO Luciana Fátima da Silva
Resenhas Crítica Literária: Empadas e Mortes Luciana Fátima da Silva
Resenhas Crítica Literária: Desonrados e outros contos Luciana Fátima da Silva
Contos Ilusória Sina de um Destemido Domador Luciana Fátima da Silva
Resenhas Crítica Literária: Dores de Perdas Luciana Fátima da Silva
Poesias Poetrix: Sonhos Perdidos Luciana Fátima da Silva
Contos O ESTRANHO ANJO Luciana Fátima da Silva
Resenhas Crítica Literária: A Promessa do Livreiro Luciana Fátima da Silva
Resenhas Crítica Literária: A invenção de Morel Luciana Fátima da Silva


Publicações de número 1 até 10 de um total de 10.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Simbologia - Tereza Cristina Gonçalves Mendes Castro 353 Visitas
A SANGUE FRIO - Tércio Sthal 353 Visitas
O ENSINO DA EMPATIA NO ÂMBITO ESCOLAR - MARIÉLI SILVA MIRANDA 353 Visitas
C'est fini Hexa!!! - Roberto Queiroz 352 Visitas
PEIXINHO NO AQUÁRIO - Tales dos Santos Lima 352 Visitas
CONSPIRAÇÃO - Ivan de Oliveira Melo 352 Visitas
Eu confesso; está difícil aguentar a minha profissão. - CLAUGILDO DE SA 352 Visitas
A ideologia e a cultura - DIRCEU DETROZ 352 Visitas
VISÃO E AUDIÇÃO - Juarez Fragata 351 Visitas
Qual é a melhor maneira de aparecer nas buscas - Antonio 351 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última