Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Por quê o RS demorará para ser reconstruído?
Vander Roberto

Falar em Engenharia é pensar primeiramente em viabilidade técnica e financeira. No caso gaúcho, havendo um estudo bem mais específico sobre toda a Hidrologia gaúcha, o problema técnico está resolvido. A parte financeira é aquela que pesa na questão da viabilidade. Quanto precisará, quem dará o aporte e por quanto tempo?

Uma alternativa é o deslocamento populacional optando por obras que demandem menos investimentos. O problema que deslocar pessoas requer outro bom estudo sobre detalhes técnicos pois há profissionais que não conseguirão desenvolver o mesmo em solo diferente. Cabe lembrar que há contaminação de solos em todo o Rio Grande do Sul limitando tais deslocamentos em massa. Geologicamente, o agricultor ou pecuarista precisarão de atenção pois não é todo solo que adapta-se para seus fins.

Voltando ao assunto de obras públicas, é preciso estudo bem mais detalhado para modelos importados. A matéria do Fantástico sobre soluções em outros países é uma alternativa para aplicação desde que a Geografia Física e a Hidrologia gaúcha sejam melhor estudadas e isto não será feito da noite ao dia. Modelos computacionais de alta precisão e dedicados serão urgentes nesta tarefa simulando possíveis impactos em situações mais críticas antes de botar a mão na massa para começar a fazer alguma coisa.

Há também questões de legislações ambientais e águas além de desapropriações e estudo de solo. Novos materiais estudados para estruturas atuais em residências serão feitos permitindo reforços. Há também todo um estudo de impacto que precisará ser verificado pelo poder público. Veja que simples obras poderão levar décadas até suas conclusões. Neste sentido, não é só Engenharia e sim Arquitetura. Elas trabalham de mãos dadas e não poderão ser pensadas de formas distintas.

Há também outro importante fator quando levamos em conta obras públicas: impactos em populações deslocadas. Isto será trabalhado pois ninguém quer abrir mão de sua terra, levando anos de disputas judiciais para receber aquilo que foi desapropriado ou até mesmo bloqueando ações dos governos inviabilizando obras públicas de grande extensão.

Por fim, é preciso deixar claro que a catástrofe demandará estudo bem mais específico obtendo informações mais assertivas. No caso, dados serão bem trabalhados antes que alguma medida concreta seja utilizada pois o fenômeno precisa ser melhor estudado e estudos mais refinados para ter certeza onde estarão caminhando obras de grandes proporções. Isto poderá levar alguns anos. Não é fácil.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 54758


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Testei o Debian LXDE para 32 e 64 bits Vander Roberto
Artigos Já estudou Filosofia da História hoje? Vander Roberto
Artigos O estudo da História é vital para não ser escravizado Vander Roberto
Artigos Análise da obra: "História do Brasil: uma interpretação" Vander Roberto
Cartas Carta para Sophie Scholl nº 2 - Junho/2024 Vander Roberto
Cartas Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 Vander Roberto
Artigos A conquista da Atalanta e a resiliência Vander Roberto
Artigos Plano de Recuperação de Desastres Vander Roberto
Artigos Experiência com o Positivo Stilo One Vander Roberto
Artigos Paulista Sub-23 de 2024 Vander Roberto

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 142.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Amores! - 54782 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 54781 Visitas
DIVINO SER - Ivan de Oliveira Melo 54779 Visitas
eu sei quem sou - 54778 Visitas
Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 - Vander Roberto 54777 Visitas
Desabafo - 54776 Visitas
Dores da paixão - Ivone Boechat 54776 Visitas
Leite com Pimenta - Rafael da Silva Claro 54771 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 54770 Visitas
A força do recomeço de empresários atingidos pelas enchentes - Isnar Amaral 54770 Visitas

Páginas: Próxima Última