Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ESPESSOS REFLEXOS 8 IND 14 ANOS NOVEL
DE RICO FOG E IONE AZ
paulo ricardo a fogaça

Resumo:
BOM

Nelson desce de um carro junto de Luiza, a garota olha para ele apontando o fórum judiciário.
    - Quer realmente isso?
    - Só faça, não questione.
    - Tudo bem.
    O homem entra no prédio passa pelo detector de metais deixa suas informações pessoais na ficha com a vigilante, recebe um crachá e entra ali.
    Segue por um corredor com várias salas em cada lado, ao fim deste entra no elevador e aciona o nùmero 3 para baixo, descendo 3 andares ao subterrâneo, segue por um corredor sem tantas portas, entra em uma porta ao fundo, esta dentro de um almoxarifado e arquivo ao mesmo tempo, uma mulher olha para ele e Nelson sente ser igual a ele, logo seus olhos dilatam, ela sai para fora ele continua a andar entre enormes prateleiras enfileiradas até parar frente a uma grande mesa.
    - É você, o cara da vez?
    - E ai, quer de que jeito?
    - Ela veio?
    - Ficou no carro.
    - Típico dela, isso.
    - Onde vamos?
    - Me siga.
    Nelson segue o homem para dentro de uma outra sala, ali o homem abre um freezer, dentro 2 corpos de mulheres, Nelson retira os corpos e arrasta-os até a porta.
    - Cara, você é bem forte.
    - Tem de ser.
    - Não vai precisar de ajuda?
    - Não somente cumpra o que ela te ordenou.
    - Como, ela não me pediu nada em troca, afinal somos.......   O homem não consegue terminar, ali em um só golpe, Nelson enfiara uma faca no peito dele, com as mãos ele retira o coração do cara.
    A mulher retorna para ali e ajuda arrastando o corpo do colega junto de Nelson, eles seguem até o elevador que fora todo coberto por plástico, ela aciona um botão e eles seguem 4 andares acima parando num corredor sombrio, ela a segue com os corpos e ela abre um portão grande fechado, dando acesso aos fundos do lugar, ali 4 homens aguardam recolhendo os corpos e os colocando em uma viatura frigorifica, Nelson após terminar segue de volta com ela e a ajuda na limpeza do local onde o cara fora morto, logo depois, ele sai pela porta por onde entrou no prédio.
    - Foi dificil, teve muito trabalho?
    - Mais ou menos, fiz do jeito que falou.
    - Sei, a mulher fora gentil contigo?
    - Sei lá, nem a vi direito.
    - Sabe Nelson, você bem que daria um excelente carniceiro.
    - Não quero fazer isso, nunca mais.
    - O reino agradeceria a sua devoção neste cargo, sabe, carniceiros tem muitos previlégios.
    - Podemos ir?
    - Lógico, já até recebi o devido.
    - Bom para ti.
    - Não vai mesmo querer o cargo?
    - Me deixe em paz.
    Moi sai de mais um trabalho e para numa praça, logo um motoboy vem a ele e lhe entrega um pacote pequeno.
    - Obrigado.
    - Certo, falou. O cara sai e ele fica ali mais um pouco e logo segue para sua casa, Selma saira do banho, perfumara o corpo e liga o rádio, um arrocha toca ali, ela inicia uma dança sozinha sendo surpreendida por ele a olha-la.
    - Oi.
    - Olá.
    - Quer comer algo?
    - Estou sem fome.
    - Preciso falar com você.
    - Sobre?
    - Por favor, não fique nervoso, mais preciso saber de algo.
    - O quê?
    - Tem outra mulher em sua vida?
    - Por que diz isso?
    - Te vi a falar com uma dona outro dia desses e......
    - Não, é só isso que quer saber?
    - Sim, bem, acho que é.
    - Vou tomar banho.
    - Quer que eu te prepare algo?
    - Não precisa. Ele segue para o banho, dentro do banheiro ele retira as roupas e abre a caixinha, retira desta 2 seringas com um liquido amarelado, ele injeta aquilo no corpo e sente uma forte dor percorrer por dentro de si, ele cai, minutos depois com o chuveiro ligado ele limpa seu corpo e joga as seringas no lixo recolhendo este a um saco preto, saindo do banho.
    - Terminei.
    - O que é isso, deixa que eu jogo fora.
    - Não, eu mesmo o faço.
    - Tá, tá bom.
    - Ao fundo do quintal, Moi coloca fogo naquele lixo, da janela da cozinha Selma olha aquilo, sente seu celular vibrar, ela vai para o quarto e atende a ligação.
    - Oi.
    - Olá dona Selma, e seu marido esta bem?
    - O que quer?
    - Amanhã, vamos colher amostra do sangue dele.
    - Por que de tudo isso, deixe-o em paz.
    - Fique tranquila, se ele não deve não há o que temer.
    - Vou falar para ele.
    - Faça isso por favor e não esqueça será bem cedo, para que ele não tenha o tempo de fuga, tudo bem?
    O delegado desliga, Selma senta na cama perdida em pensamentos quando Moi entra ali a pedir uma troca de roupa.
    - Oi, sim, vou pegar pra você, tá.


                                                  26082020.................









             Logo ao inicio da manhã a viatura policial e um veiculo do laboratório param frente a casa de Moi, Selma já preparara o café e pede para que o aguardem na varanda, Moisés logo vem a eles.
     - Bom dia.
     - Bom dia, bem sr Moisés eu trouxe o pessoal do laboratório para colher uma amostra do seu sangue.
     - Por mim, tudo bem.
     Moisés é preparado ali na cadeira e logo retiram a quantidade de sangue necessária ao exame, sob o olhar do delegado, Selma oferece mais café a eles que aceitam de pronto, Moisés vai até a cozinha e retorna com pão caseiro e um copo grande de café.
     - Agora acho que posso né?
     - Por favor, fique a vontade.
     O pessoal se despede e o delegado encara Moi e logo sai.
     - E agora?
     - O quê?
     - Não esta com medo?
     - Por que, deveria?
     - Moi, você tem de concordar, você esta muito diferente do que era antes.
     - Não posso ser diferente, você prefere aquele de antes?
     - Não, eu quero este aqui na minha frente.
     - Então pronto, vamos viver.
     - Obrigado.
     - Pelo o quê?
     - Por estar sendo este maravilhoso esposo e pai.
     - Ainda estou com fome.
     - Vamos.
     O casal entra tendo Selma abraçada a ele.
     - E então dr?
     - Fique tranquilo, o que esta te deixando em dúvida será sanado com este exame.
     - Tomara que tenha logo o resultado, não vejo a hora de colocar aquele homem na cadeia.
     O dr do laboratório se espanta com a declaração do delegado.
     Elza termina a limpeza do salão e segue com o lixo para fora onde o deixa em uma lixeira no canteiro da rua, após joga-los nesta se vira para o retorno.
     - Oi.
     - O que faz aqui?
     - Isso lá é jeito de tratar de uma freguesa.
     - Não me diga que vai.
     - Sim, eu e Celine vamos almoçar aqui.
     - Por que?
     - Oras, por que temos fome.
     - Tudo bem.
     Elza segue para dentro, Celine já arrumara uma mesa bem perto da porta da cozinha, Luiza entra junto de Elza e segue para a mesa.
     Minutos depois Elza vem com o cardápio.
     - O cardápio.
     - Não precisa, queremos peixe.
     - Como?
     - Assado, tem?
     - Sim senhora.
     - Obrigado.
     Elza segue mais antes vê o sarcasmo no rosto e olhar de Luiza.
     Depois de um tempo, Celine a tomar vinho, Luiza refri, logo Elza traz os pedidos delas.
     - Obrigado.
     - Nossa que cheiro bom. Elza observa os comentários e Celine faz sinal para Elza que sai, logo Celine também sai da mesa indo ao toillet.
     - O que foi?
     - A mestre quer conhecer melhor o dono.
     - Como assim?
     - Ele pode já ter sido..........
     - Como nós?
     - Sei lá, só facilite as coisas.
     - Como?
     - Promova um incidente.
     Celine arruma o cabelo frente ao espelho, Elza sai indo para a cozinha, logo vai a mesa e deixa por derrubar vinho no vestido de Luiza que reclama daquilo, logo o dono vem a mesa.
     - Senhorita.
     - Olha, fiquei molhada.
     O dono pede para que Elza auxilie no secar de Luiza, porém logo ele sente tentado e decide por ir resolver aquilo com a garota, minutos depois Elza entra no banheiro e vê, Luiza e Celine a perfurar o pescoço do homem, momentos depois eles saem, sendo que nem marca ficara no dono dali.
     - O que foi aquilo?
     - Fique tranquila, é dos nossos.
     - Como?
     - Ele já foi como vocês, melhor, você, agora esta por aqui, vivendo.
     - Mais........
     - Acha que todos vivem a se lastimar ou degradar a chance que recebem e que tem de dar o fora dos fornos.
     - Não acredito.
     - Pois acredite, seu patrão já foi como você.


                                               28082020.............


Biografia:
amo escrever e ler
Número de vezes que este texto foi lido: 116


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas ESSAS FÉRIAS paulo ricardo a fogaça
Crônicas A MULHER O ABORTO E O LGBT paulo ricardo a fogaça
Crônicas ESSAS ELEIÇÕES 2020 paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 10 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 9 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Crônicas A IDADE E SEUS DECANTOS paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 8 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 7 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 6 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 5 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 47.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 69700 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55961 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 49114 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44686 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44326 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43945 Visitas
viramundo vai a frança - 43938 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 43386 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41980 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41588 Visitas

Páginas: Próxima Última