Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
FRUTO PRECIOSO IND 14 ANOS
DE PAULO FOG
ricardo fogzy

Resumo:
BOM







   - O que fez?
   - O que deveria ter feito há tempos.
   - Por favor, não me diga que .......
   - Leticia, aquela mulher te encheu de mentiras.
   - Será, será que são mesmo mentiras?
   - O que quer, quer que eu confesse, confesse algo que não fiz?
   - Por que esta tão nervoso.
   - Por que não quero perde-la.
   - Já te disse, não sou seu objeto.
   - Eu sei, sempre soube.
   - Quer terminar?
   - Viu, você ficando com as dúvidas de sempre.
   - Tá fique tranquilo, eu confio em ti.
   - Já era tempo.
   Mateus vai até ela e a beija, ali no sofá o amor acontece, tempos depois, Leticia coloca seu sutiã.
   - Já vai?
   - Tenho trabalho bem cedo.
   - Quer que eu te leve?
   - Não, obrigado.
   A mulher lhe dá um beijo, pega sua bolsa e abre a porta saindo, Mateus sai do sofá, nú anda pela casa, liga o som, ouve uma boa musica black americana.
   Na cozinha prepara um café, frita ovos com margarina.
   Ali no quarto, ele guarda algumas roupas que fora limpas na lavanderia comercial do prédio, separa também sua roupa do dia seguinte.
   - Acho que este me cai bem.
   Leticia desce do carro do aplicativo e entra na agência Lua, ali ela cumprimenta aos funcionários que vai vendo pelo corredor até parar frente a uma porta do escritório.
   Ali a mulher dá uma leve batida entrando.
   - Atrapalho?
   - O que acha?
   Ali na mesa um rapaz tem as mãos colocadas no corpo de uma jovem asiática.
   - Por favor Fredy termine logo com isso, melhor, termine agora.
   O homem faz sinal para a mulher que desce da mesa e ajeita o vestido longo preto em forro vermelho.
   - Não mereço passar por isso.
   - Vai, fale logo, conseguiu?
   - Ele vai tirar o processo.
   - Como conseguiu?
   - Isso é problema meu.
   - Quer o combinado?
   - Agora de preferência.
   Fredy tira da gaveta um envelope pardo entregando para Leticia.
   - Aqui esta, metade do combinado.
   - Não foi o que combinamos.
   - A outra parte assim que ele cancele.
   - Tá, tá, tá certo, justo.
   Ela guarda o envelope na bolsa e sai sob galanteios de Fredy que assim que ouve o bater da porta em anuncio a saída de Leticia, acione pelo telefone a asiática que retorna para cima da mesa dele.
   - Gostosa.
   Mateus termina o banho e liga para Alex seu primo, assim que o rapaz chega na frente do prédio do primo uns 20 minutos em espera de Mateus que entra no carro e eles seguem para um bairro nobre.
   O carro pára frente a um muro alto com serpentina por cima, um duplo portão de madeira, Mateus aciona o interfone e logo alguém do outro lado o atende.
   - Obrigado.
   Ele entra junto do primo, logo de cara um rapaz com fuzil os escolta para dentro da mansão.
   Dentro do lugar, várias mulheres e homens ali a festejarem como se não houvesse mais nada lá fora, os dois passam por alguns ambientes até sairem em um jardim e logo ladeiam uma piscina cheia de garotas.
   - Isso que me faz crer, ainda tem gente que sabe fazer o maior festão.
   - Se contenha Alex.
   - Vou tentar.
   Mateus entra num salão pequeno com música baixa e poucas mulheres, ali na mesa um homem negro, cabelos curtos, a seu lado uma mulher negra, cabelos cacheados longos.
   - Oi Mateus.
   - E ai Aldo.
   - O que te traz aqui meu mestre?
   - Negócios.
   - Para hoje, agora.
   Minutos depois, Mateus sai dali com 300 gramas de cocaína e seu primo com 30 capsulas de êxtase.
   A festa ocorre em forma de pura loucura, numa chácara em área rural, ali grandes personagens da sociedade prudentina.
   - Olha não achava que ia dar tanta gente.
   - Pois é, mais ta ai, um sucesso.
   Leticia chega na chácara em vestido preto na altura do joelho, traz um decote trabalhado no prata.
   - Esta linda.
   - Vou receber como elogio.
   - Te quero mais tarde.
   - Adoro.
   Alex olha de longe o casal ali, logo uma mulher loira o chama a atenção, ele a segue para um quarto amplo onde outras 3 garotas o aguarda.
   - Meu Deus, isso aqui é o verdadeiro paraíso.
   - Acho que sim.
   A mulher lhe morde a orelha direita enquanto leva a mão a braguilha do homem.
   Ali na cama ele é jogado e todas as mulheres vem por cima dele, uma delas coloca um êxtase na boca do cara.
   - Gosto de homem assim, bem delicia.
   - Sua safada. Línguas e mãos passeiam pelos corpos.
   Leticia entra no escritório ali com Mateus.
   - E então?
   - Tudo certo.
   - Vai tirar o processo?
   - Já o fiz, considere isso, meu advogado já combinou tudo.
   - Safado.
   - Tesuda. Um beijo sela o inicio do sexo ali.
   Longe dali, Fredy só de cuecas dança com uma negra em sua suíte, eles bebem champanhe e curtem o som.
   - O que vamos fazer depois?
   - O que quiser, querida.
   - Acho que quero isso.
   - O quê?
   O homem recebe ali um golpe seguido de outros dois, logo após a mulher limpa o punhal no vestido branco.
   - Inferno, porco sangrento.
   Ela limpa o lugar em questão e evidências como digitais e coloca em sua bolsa a garrafa de champanhe e os copos que foram usados.
   No banheiro ela retira uma make pesada que ajudara a fixar uma pele artificial no rosto, ao retirar esta, revela-se uma pele branca, tira a peruca, os cabelos loiros formidáveis.
   Minutos depois, ela tira de sua bolsa, já fora do prédio, as roupas e artigos que usara para ficar junto de Fredy.
   No tambor ela ateia fogo e tudo é queimado.

                                  fim.

                                      10022020...........


Biografia:
ler e escrever é minha vida assim
Número de vezes que este texto foi lido: 336


Outros títulos do mesmo autor

Contos SOB O MESMO PARAÍSO 1 IND 16 ANOS ricardo fogzy

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 61 até 61 de um total de 61.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Pantanal - Rafael da Silva Claro 0 Visitas
O CORONAVIRUS E OS IDOSOS - SUELI COUTO ROSA 0 Visitas
O Trono - Hélder dos Santos da Glória Duarte 0 Visitas
Dois Sonetos - Hélder dos Santos da Glória Duarte 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior