Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
FALCÃO PEREGRINO
Flora Fernweh

O estrangeiro camuflado na névoa era o marinheiro viajante que desembarcaria no cais banhado em mansidão noturna. Uma voz onírica ecoou ao longe e despertou o poeta de devaneios que o acalentavam.
     Poucos passos a sua frente, a estibordo, erguia-se o monumento memorial, a neblina que o envolvia, encobertou-o com o odor de carniça; fétido aroma exalado do cárcere de um passado remoto.
     Em suas peregrinações, Pasárgada alguma o seduzia mais que o cheiro de sua própria terra, em seu berço o ar chamuscava inspirações viscerais nos proprietários de corações de tinta, e o luar descrevia salientes silhuetas de espíritos em corpos invisíveis. Seu semblante obscuro desanuviava em matizes enquanto contemplava a criança da noite em sua pátria de paixões, e assim permaneceu, petrificado em um sonho até surgirem os primeiros raios da alvorada.
     A palidez da manhã seguinte embriagava-se no agudo chilrear mundano e dentro em pouco, os chistos tenores da abadia na qual unira-se em núpcias com sua Vênus em algum lugar no tempo, ecoou em seu ouvido, as vibrações sonoras perfuraram seu labirinto de Dédalo e afoitaram sinapses cerebrais.
     O horizonte plano e amainado transparecia uma intrépida revoada, a brisa salgada do mar recordava o desolado peregrino do ferro das águas longínquas, do mar de hemoglobina dos tempos sólidos. Enquanto vagava pelos resplandecentes jardins, cenários vivazes na mente daqueles que cruelmente conhecem o gosto dos amores secretos projetavam-se retumbantes em seu fulgor. Poucos botões floresceram no solo, incontáveis germinado pelas férteis jardineiras, por conseguinte, as macieiras uterinas ainda davam frutos e ainda que de maneira escassa, boas sementes.
     Poucas almas encorajavam-se a sentir a liberdade das ruas nas primeiras horas do dia, os becos cheiravam a chassinas bubônicas aos olfatos mais aguçados e nunca nenhum indivíduo soube com precisão identificar uma índole canibal, novos rostos eram típicos na região desgraçada.
     De modo abrupto, um lepidóptero rangia as formosas asas e agulhava os pensamentos do poeta veloz, que se pôs a partir guiado pela sombria mariposa. Avistou após instantes no cume de uma colina, a cercania em ruínas de uma necrópole, pareceu-lhe um ambiente nostálgico, contrastado pela tranquilidade que a morte evoca sobre aqueles que um dia foram mais que fertilizante.
     O peregrino planou instintivamente na negra lápide cujo epitáfio inscrevia-se de modo fúnebre e ilegível aos olhos de rapina. Não chegara a tempo de lacrimejar como fênix na liteira, a sete palmos já afundada, enterrava-se sua amada. Desfaleceu-se em penas ao túmulo adornado pelas pétalas do Heléboro, e adentrou os céus, tomou a direção do oriente e regressou à ilha de seu exílio.


Biografia:
instagram: @palavrartistica
Número de vezes que este texto foi lido: 80


Outros títulos do mesmo autor

Frases SILÊNCIOS Flora Fernweh
Poesias O QUE SOU? Flora Fernweh
Frases POEMA E POESIA Flora Fernweh
Artigos A DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA Flora Fernweh
Poesias INTENSIDADE Flora Fernweh
Poesias ELAS, AS ETERNAS Flora Fernweh
Artigos UMA REVOLUÇÃO, INÚMERAS TRANSFORMAÇÕES Flora Fernweh
Poesias INDIANISMO Flora Fernweh
Ensaios O ÂMBITO FILOSÓFICO DA EDUCAÇÃO Flora Fernweh
Artigos NUDEZ: PUBLICIDADE FEROZ OU CRÍTICA CONTUNDENTE? Flora Fernweh

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 101.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Vivo com.. - 33458 Visitas
CÉREBRO HUMANO - Tércio Sthal 32636 Visitas
eu sei quem sou - 32404 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 32381 Visitas
camaro amarelo - 32289 Visitas
sei quem sou? - 32240 Visitas
MENINA - 32149 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 32086 Visitas
viramundo vai a frança - 32073 Visitas
A menina e o desenho - 32067 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última