Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
APOCALIPSE
ALCENIR LATSCH

Resumo:
VAMOS REPENSAR O QUE ESTAMOS FAZENDO COM A NATUREZA

APOCALIPSE




E o ódio tomou conta de toda a terra.
O mundo que nasceu de um ato de amor hoje é guerra, guerra.
Irmãos contra irmãos, flagelados, com armas, mas sem pão.
Andarilhos de uma terra sem dono, sem Deus estéril.
Terra, mãe devorada pela ferocidade de seus filhos.
Cogumelos malditos a brotarem do chão.
Terra sem diálogo, sem acordo, terra do NÃO.
Crianças famintas somos nós os humanos a sugar o leito
Ensanguentado do nosso torrão, miséria, fome, perdição.
Procissão macabra do juízo final, cães raivosos a gritar “PÃO”.
Nos ombros a metralhadora assassina, na alma a falta de religião.
Saques, fogo poluição. Idéias, vinganças, e no fim, desilusão.
Mataram os animais, mataram florestas e rios, parece ser tudo ilusão.
As lágrimas secaram nas órbitas dos olhos sanguinários, a cegueira tudo dominou.
Filhos que nunca abraçaram pais, irmão que nunca abraçou irmão, já agora gostaria de se abraçar, mas os braços já foram consumidos pela poeira atômica.
Mulheres arrancam do ventre seus filhos, para que monstros não sejam gerados.
De quem é a culpa? De quem apertou os botões! E nós, o que fizemos para impedir?
Nada! Nada vezes nada! O espírito da guerra tomou-nos a todos, fracos que somos.
Corro pela terra deserta, onde estão os sobreviventes? Nos abrigos?
Que abrigos! Foram também sabotados e a bomba matou o seu pai.
Hoje seria um dia especial para mim, preciso encontrar flores para alguém,
flores vermelhas de preferência. Não há mais flores na terra! Parece que nem
gente há, nem terra restará.
Enfim, chego ao que restou do meu lar, procuro minha companheira, como se resto eu fosse de uma raça extinta. Não trago rosas, trago apenas desespero e medos por todos os que viveram aqui.
Eu que queria trazer rosas para minha companheira, chego a tempo de ver uma rosa rubra de sangue, sangue atômico brotar como uma flor do seu peito.
Corro para fora, quero encontrar um cogumelo que me mande para o cosmo, para que não seja eu, o único sobrevivente de uma raça maldita.

Ser classe “A” é cuidar de nossa terra, de nossa gente, cuidar de nós mesmos e de quem está a nosso lado, pois não foi nesse 11 de SETEMBRO que aconteceu o Apocalipse, mas se nada for feito, certamente chegará um dia que a coisa não será apenas um blefe.



Alcenir Latsch        11/08/1999


Biografia:
Nascido em Petrópolis em 1955 ,curto escrever para passar para o papel o que me vai na alma .Para mim os personagens alguns reais outro criados são filhos que coloco no mundo.
Número de vezes que este texto foi lido: 33807


Outros títulos do mesmo autor

Poesias natal 2020 ALCENIR LATSCH
Poesias O SONHO ACABOU ALCENIR LATSCH
Poesias RUA AUSÊNCIA ALCENIR LATSCH
Poesias SÚPLICA ALCENIR LATSCH
Poesias ALCENIR LATSCH
Poesias VIAGEM PELO TEU CORPO ALCENIR LATSCH
Poesias MINHA MIGA ALCENIR LATSCH
Poesias TARDE DEMAIS ALCENIR LATSCH
Poesias O QUE É SOLIDÃO ALCENIR LATSCH
Poesias DESEJO DE VINGANÇA ALCENIR LATSCH

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 17.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 52793 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 44684 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 43857 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 42138 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 41551 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 41330 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 41314 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 41156 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 40925 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 40901 Visitas

Páginas: Próxima Última