Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ESTRADA DE AÇO 17 NOVEL LIVRE 12 ANOS
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
BOM


               Por força de magia, a caverna recebe um toque de conforto e Duquel ali em um sofá de madeira com assento em veludo vermelho.
     - Olá Esmeralda.
     - O que foi agora?
     - Só estou um tanto preocupada contigo.
     - Pelo quê?
     - Por você, acho que esta dividida em algo.
     - O que eu tinha de provar, já fora há tempos.
     - Sim. Duquel se aproxima da feitiçeira lhe passando a mão na cabeça dessa.
     - Acho que tenho lhe desdenhado, me desculpe amiga.
     - Pare com isso, você nunca fora assim.
     - É verdade, sabe, eu estou desesperada com tudo que esta me acontecendo. Esmeralda olha para Duquel que tenta çhe passar uma amabilidade, porém a bruxa não se rende ao contato da outra.
     - Fique tranquila, tudo vai dar certo.
     Um soldado chega ali, Duquel a olha fixo.
     - Conseguiu?
     - Sim ministra. O soldado entrega para ela um papel e sai, Duquel lê o recado ali, logo abre um enigmático sorriso, Esmeralda olha para o soldado e logo para Duquel.
     - Acho que esta na hora de mostrar algo novo aos meus ex amigos.
     - O que você esta escondendo?
     - Vou lhe dizer, melhor, você saberá junto dos outros.
     - Que seja, faça o que quiser.
     - Tá bom, olhe, vou te contar.
     Lúcia recebe um bilhete em seu quarto, trazido por uma serviçal, logo ela sai dali para o quarto de Reginaldo.
     - O que foi Lúcia?
     - Por favor leia isso. Ele pega o papel olhando para a prima que demonstra uma certa tensão.
     - Não pode ser.
     - Mais vai, acredite.
     - Quem trouxe isso?
     - Uma serviçal, o fato é que, nossa fonte esta firme no propósito.
     - Até quando?
     - Não é hora para isso rei, o que fará?
     - Vamos tomar providências.
     - Certo.
     Silas termina de escrever seu diário quando um leve bater a porta.
     - Entre. Lúcia entra ali e passa parte do ocorrido para o garoto.
     - Vocês já sabem o que fazer?
     - Mais ou menos, precisamos de sua ajuda.
     - Claro, vou com vocês.
     - Obrigado.   Ele guarda seu diário debaixo do travesseiro antes de seguir com Lúcia, fechando a porta de seu quarto, logo, uma mão em luvas de rendas pretas recolhe o diário de onde fora colocado.
                                                             27052019.............





             Reginaldo reforça a guarda no castelo, enquanto 2 grupos de 6 e 8 soldados estão á procura da fugitiva Duquel.
      Na caverna, Duquel recebe algumas caixas de madeira com pequenos móveis, perfumes, roupas, produtos de higiene.
      - Como conseguiu tudo isso?
      - Acha que nunca pensei que um dia poderia ser presa?
      - Tinha um depósito secreto?
      - Sou esperta, nunca se esqueça.
      - Jamais, ao contrário disso, sei bem do que é capaz.
      Duquel pega uma faca e uma laranja.
      - Bom, muito bom saber disso Esmeralda. Diz Duquel afiando a faca próximo a feitiçeira.
      Esmeralda ainda fica um tempo perto de Duquel, logo saindo para um escritório onde escreve um bilhete e sai, ao longe do lugar ela procura por uma ave em algum ninho, por meio de magia ela faz um breve rito e a ave segue para o castelo com o bilhete preso.
      - Então é isso, sabia que havia algo. Duquel observa ao longe a feitiçeira ali.
      Lúcia termina o preparo de mais 3 barreiras mágicas, Silas entra no quarto.
      - E então?
      - Tudo pronto.
      - Vai funcionar.
      - Com certeza, sim.
      Ao abrir um vidro que contém um certo pó verde, Silas inala este e cai, Lúcia vem ao seu encontro, apoia a cabeça do garoto, Silas entra em transe.
      - Silas.
      - Se prepare, parte do que planejou já fora descoberto.
      - Como assim?
      - Você receberá um bilhete, porém o inimigo já sabe do envio.
      - O quê?
      - Mantenha calam, estamos contigo.   Silas desmaia, Lúcia o deita apoiando a cabeça do garoto num travesseiro, vai até seu baú e logo traz um minúsculo vidro com liquido laranja, aproxima o liquido ao nariz do garoto.
      - O que houve?
      - Silas, você foi usado por antigos espiritos.
      - Eu, pare com isso.
      - O melhor é que nos abriu os olhos.
      - O que foi?
      - Vou te contar.
                                                 29052019...............










                                   14




            TODOS TEMOS NOSSAS CAVERNAS PARTICULARES ONDE INFLAMOS NOSSO EGO, APESAR DE QUE NUNCA PRONUNCIAREMOS A FAVOR DESTE.




             Esmeralda entra na sala de Duquel na caverna, ao passar pela cortina vê um vulto de algém adentrar em outro ambiente.
      - Estou atrapalhando?
      - Por que Esmeralda, olhe, você esta ficando um tanto sistemática.
      - Eu?
      - Vamos, já traçei quase tudo para nossa investida no castelo.
      - Já sabe que foram reforçados a guarda?
      - Sim, mais acho isso tudo de uma certa bobeira.
      - O que quer dizer?
      - Oras Esme, lógico que vamos ganhar afinal temos uma á outra.
      - Sim.
      - Ou por acaso pensa em fugir?
      - Sabes que não sou disso.
      - O que foi Esme, só estou brincando.
      - Você nunca foi de brincadeira.
      - Posso querer mudar um pouco.
      - Você nunca muda. A ministra se aproxima da bruxa.
      - Tem razão, jamais, não gosto e nem aceito mudanças, principalmente as bruxas.
      Esmeralda ouve aquilo e desperta em si uma certa aflição.
      Lúcia veste um lindo vestido laranja com detalhes em renda pretos e vermelho.
      - Nossa, que veste diferente.
      - Que bom, gostou?
      Silas senta numa banqueta, Lúcia vem a ele.
      - Esta sentindo com o quê?
      - Olhe eu poderia dizer que com nada, mais sim.
      - Diga.
      - Lúcia tem algo que vocês estão ainda sem me contar.
      - Tem.
      - O quê?
      - Olhe Silas, sei que se o que for ou melhor o que sei aconteça, não pposso, me desculpe, não posso te contar.
      - Queria poder dizer, entendo.
      - Reginaldo e eu chegamos a essa conclusão mesmo sabendo que poderíamos perder sua confiança.
      - É tão sério assim?
      - Sim.
      Silas ali sozinho ao lado da fonte no jardim, uma serviçal vem a ele.
      - Senhor.
      - O que foi?
      Ela entrega para ele um bilhete e o garoto abre um sorriso ao ler, corre para o quarto de Lúcia.
      - Sério?
      - Sim.
      - Que bom. Reginaldo entra ali.
      - Adivinha quem virá nos visitar?
      - Não faço idéia.
      - As primas de Silas.
      - Nossa, que bom. Silas percebe que o rei nem se deu o esforço de parecer contente com o dito ali.
      - O que houve?
      - Não percebem, estamos as portas de uma guerra.
      - Por isso mesmo, fico feliz, vocês não sabem, melhor, sei que não sabem.
      - O quê?
      - Minhas primas são exímias guerreiras.
      - Verdade?
      - Sim. Só então Reginaldo ensaia um singelo riso.
      Duquel entra na cidade antiga do reino Azul, devido aos ultimos acontecimentos, a segurança fora bem enfraquecida ali.
      - Se espalhem, logo.
      Nove mercenários entram se dividindo pelas passagens, ela e Esmeralda entram por uma trilha, logo se veem frente ao castelo ao entrarem já dão de cara a grandes artefatos em prata, as salas demonstram que já foram há algum tempo vitimas de saqueadores, porém, ainda muitas coisas, artesanatos, louças, algumas jóias, tudo é juntado pelos seus subordinados, Duquel vai pelo corredor principal até parar frente 3 portas ao abrir a primeira, se depara com um fosso na segunda, uma cela de tortura, na terceira algumas serpentes que ela as retira com auxílio de magia da feitiçeira, ela procura por alguma engrenagem até encontrar um tijolo solto, ao retira-lo uma passagem secreta se anuncia ao abrir de um canto da parede, somente passando 1 pessoa por vez, por ordem de Duquel, um dos mercenários entra e recebe de boas vindas 15 flechas em seu corpo, depois disso elas entram.
      Ali dentro, muito ouro, jóias, porém o que chama a atenção de Duquel, uma mobília em puro aço, portas e gavetas com puxadores em diamantes de tamanho coonsiderável.
      - O que pode guardar nesse móvel?
      - Vamos verificar. A ministra tenta abrir as portas e gavetas e nada, Esmeralda realiza algum ritos até descobrir qual é o certo para liberar um certo cadeado de mago instalado ali.
      - Feito.   A ministra abre a porta e dentro vários documentos da mina de ferro e nas gavetas vários mapas de antigas minas de ouro, prata e em um especial de diamantes.
      - Não creio, então era ou melhor, é verdade?
      - A história ás vezes é feita, escrita de fatos sérios.
      - Vamos, quero explora-las.
      - Sim.   Ao se aproximar da entrada da cidade ouvem algum barulho, elas se escondem, logo entram ali cerca de 20 soldados pelo general.
      - Agora essa, esse velho esta com eles.
      - Vamos ter calma.
                                                  02062019.....................


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 234


Outros títulos do mesmo autor

Poesias O MEDO E SEUS PARCEIROS paulo azambuja
Crônicas NOSSO PAÍS E SEUS DEVANEIOS paulo azambuja
Poesias O SENTIDO DE DOER paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 11 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Poesias OUTROS SONHOS E AFINS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 10 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 9 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 8 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 7 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Poesias INCERTEZAS E OUTROS MOMENTOS paulo azambuja

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 166.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 30228 Visitas
eu sei quem sou - 30125 Visitas
sei quem sou? - 30096 Visitas
viramundo vai a frança - 30078 Visitas
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 30059 Visitas
camaro amarelo - 30040 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30038 Visitas
MENINA - 30025 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29988 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 29987 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última