Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ESTRADA DE AÇO 14 NOVEL LIVRE 12 ANOS
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
BOM

Lúcia come aquele mingau de farinha milho, alguns mosquitos sobrevoam o lugar, habitando ali com ela.
       Bebe goles vagarosamente de água que já esta naquela moringa há 2 dias.
       A libélula entra pela janela, passando as grades.
       - Não pode ser.
       Logo o lugar é tomado de forte luz e surge diante dela a grande rainha dos magos.
       - Rainha dos magos.
       - Fique tranquila, deixe-me ve-la.
       A mulher rodeia Lúcia, trazendo as mãos um cetro e um vidro com azeite, ela realiza alguns ritos pequenos e as marcas no corpo de Lúcia desaparecem.
       - Senhora, o que vou fazer?
       - Acalme-se, em nervos não poderá tomar qualquer decisão.
       - Me desculpe.
       - Agora pegue.
       A mulher lhe dá 2 saquinhos de cor azul e amarelo.
       - O que são?
       - Raízes e concentrados de ervas e pós.
       - Obrigado.
       - Agora, fique bem tranquila, procure dormir, nenhum mau te acometerá, te prometo.
       - Aquela cadela.
       - Pare, saiba, ela vai ter o que merece, tudo a seu tempo.
       - E Silas?
       - Fique tranquila, o garoto logo estará junto de vocês.
       - Preciso saber só mais uma coisa.
       - Eu sei, já lhe digo, sim, ele esta sob efeito forte de um feitiço.
       - Sabia.
       - Será você quem vai reverter e traze-lo de volta.
       - Obrigada.
       - Agora vá, descanse, vou ficar um pouco aqui contigo.
       Lúcia bebe mais alguns goles de água e logo cai em sono, seus cabelos são acariciados pela mulher.
       Duquel sai do castelo á cavalo, uma carroça segue depois com alguns soldados e Esmeralda.
       - O que houve de tão importante para que nos tirasse da cama.
       - Fiquem quietos, quer que ela venha lhe explicar?
       - Não. Esmeralda olha para os soldados, agora o silêncio ali impera, seguindo para o acampamento dos operários.
       Reginaldo entra em outra carroça seguindo para o mesmo lugar, mais Esmeralda sente a presença dele e faz um rito ali, uma roda da carroça que o leva quebra, eles tem de parar e realizar o conserto.
       - Droga.
       No mesmo instante, uma forte dor de barriga acomete a todos ali e Reginaldo recorre as moitas para se aliviar, do intestino.
       - Mais que droga.
                                    06052019.......................


                 Lúcia acorda e sente seu corpo leve refeito de todas as máculas causadas pelas ações violentas de Duquel.
        Robervan surge diante dela.
       - Olhe, você de novo.
       - Fique calma, acho que você esta bem melhor que antes.
       - Mais mago, trazer a rainha até aqui.
       - Ela fez questão de vir.
       - Mais sabes, as coisas ficarão muito ruins por aqui.
       - Sim Lúcia, mais agora se alimente pois tua liberdade já vem.
       - O que quer dizer?
       - Vamos, coma. Robervan entrega para ela um pequeno certo com várias frutas, Lúcia inicia ai a degustação, logo o apetite lhe toma o corpo e em poucos minutos ela devora todo o cesto.
       - Nossa, nem eu imaginava estar com tanta fome.
       - É a fome do ser, intelecto e estás a repor todas as suas energias.
       - Sabes, não sei melhor, já não possuo mais tanta certeza quanto........
       - Derrotar aos outros?
       - Sim.
       - Vai conseguir, Lúcia, os deuses estão contigo, somente persevere, tenha força já lhe disse e agora vou além.
       - O quê?
       - Ainda, hoje, antes que a noite chegue, serás solta.
       - Impossível, a não ser que venha uma frota, esquadrão, uma ordem de feitiçeiros inteira.
       - Se esqueceu da rainha.
       - Me desculpe.
       Robervan sorri para Lúcia, aos poucos ele se esvai como que um pó.
       - Adeus.
       - Até.
       A serviçal segue até o quarto onde será preparado o corpo do garoto, logo outros 3 vem a ela.
       - Temos de fazer algo bem rápido e limpo.
       - Não entendo ainda por que deixaram o pobre garoto, o corpo dele, jogado ao canto.
       - Fale baixo ou melhor, nem fale, sabe o que acontece caso chegue aos ouvidos dos principais.
       - Me desculpe.
       - Agora vamos, rápido. Eles andam rapidamente a primeira a chegar logo grita.
       - O que foi?   Ali todos espantados ao ver a cena, Silas sentado na mesa, pede água e algo para comer.
       Reginaldo retorna ao castelo e se intera do acontecido com Silas.
       Lúcia coloca o cesto e outros objetos que lhe deram escondidos atrás de blocos da parede.
       Ouve passos e logo a porta é aberta, Reginaldo ali frente a ela.
       - O que foi?
       - Estás livre.
       - O quê?
       - O que ouviu, fique contente, seu amiguinho esta vivo.
       - Silas, ele esta vivo, verdade?
       Ela fica em extrema felicidade, o rei tenta abraça-la e ela aproveita o momento e joga na boca dele uma pílula.
       Reginaldo cai ali e inicia uma série de espasmos e movimentos bruscos com seu corpo, a cela é tomada por 6 soldados.
       - Deixem-no por favor, eu estou no comando, logo ele ficará bem.
       O rei vomita um liquido viscozo verde.
       - Reginaldo.
       - Prima, o que houve?
       - Agora sim, meu primo de volta.
       - O que diz, ficou louca e para inicio por que estamos neste lugar?
       - Graças, já tenho meu primo torrão de volta.
       Lúcia o abraça com ajuda dos soldados ele é levantado.
       Duquel chega frente a uma muralha de blocos.
       - Quando acharam isso?
       - Cerca de dois dias senhora.
       - Alguém avançou?
       - Não, estamos aguardando as ordens senhora ministra.
       - Minhas ordens. Ela fica satisfeita com aquilo e até ensaia um riso maquiavélico.
                                                    08052019............

                     

               Duquel adentra as muralhas, em meio a vegetação e alguns animais ela começa a descobrir as ruinas do que há muito foram o riquissimo reino Azul.
       - Tragam a fotografa.
       - Sim ministra.
       Julieta chega ali cerca de uns 20 minutos depois, já traz as mãos sua máquina que ja fora feita algumas fotos no caminho até ali.
       - Demorou muito.
       - Me desculpe, é que........
       - Tá, tá, vai logo, tire fotos de tudo isso aqui.
       - Sim ministra.
       - Quero tudo bem esmiuçado.
       - E o rei?
       - O que foi, acha que estou a fazer algo por conta?
       - Não ministra, mais o rei, eu acho.....
       - Escute bem, aqui e em qualquer lugar que estiver trabalhando, você não tem de achar nada, somente exerça seu trabalho, sua função ou será que terei de providenciar um novo profissional?
       - Me desculpe, farei o que tenho de fazer.
       - Melhor assim. Duquel se afasta, Julieta continua seu trabalho, o general do exército vem a ministra.
       - Senhora.
       - O que foi general?
       - Acabamos de receber um recado do castelo.
       - O que foi dessa vez?
       O homem entrega um papel a ela que lê atentamente e vocífera.
       - Impossível, coomo pode haver acontecido?
       - Senhora.
       - O quê?
       - Devemos continuar?
       - Por hora deixe tudo como está, reforçe em soldados aqui.
       - Sim.
       - Daqui há pouco retornaremos ao castelo.
       - Sim ministra.
       Lúcia recupera quase toda suas forças, Robervan a auxilia em alguns certames mágicos, Silas já come sozinho, sendo cuidado por algumas criadas e supervisionando bem de perto por Reginaldo.
       - Obrigado rei.
       - Pare com isso, logo este posto será seu.
       - Sabe, ás vezes penso que você fica muito bem nele.
       - Pare de graça.
       - Sério.
       Lúcia entra ali em vestes brancas trazendo consigo um grosso livro de magia.
       - Lúcia.
       - Meu primo defunto.
       - Por favor, não fale mais nisso.
       - Tudo por conta daquela bruaca.
       - Não vai mais chama-la de cadela?
       - É um insulto aos animais.
       - Também acho.
       - Mais, deixe-me ve-lo.
       - Ah prima.
       - Dessa vez te deixo me chamar assim.
       - Obrigado.
       - Pelo quê?
       - Por não desistir de mim.
       Ela abraça o garoto, o rei tenta esconder as lágrimas que rolam e acaba por abraça-los também.
       Duquel parte para o castelo junto de 4 soldados, general e Esmeralda.
       - Mais por que tenho de ir?
       - Acredite general, me será de grande ajuda.
       - Se é assim.   Faltando uns 800 metros para chegar as muralhas, 2 fileiras de soldados bloqueiam á estrada.
       - O que é isso?
       - Primeira ministra, ordens do rei.
       - Que brincadeira é ssa?
       Um soldado solta um fogo de artificio, logo ouve-se rápido galopes.
       - O que é isso?
       A fileira é aberta e o rei surge montado.
       - Reginaldo.
       - O que foi ministra?
       - Pare com este espetáculo.
       - Guardas acompanhem esta senhora e quem for de aculunho dela.
       Duquel olha com raiva para aquilo, logo eles são rodeados por soldados e o general olha para o rei.
       - Então general, ainda serve a este reino?
       - Sim meu rei.
       - Então faça seu trabalho.
       O general da ordem para que escoltem Duquel.
       - O que esta fazendo velho louco, eu sou a ministra desse reino.
       Ele não a olha nos olhos, Duquel segue ali rodeada de soldados, Esmeralda tenta fugir mais é bloqueada pela rainha dos magos.
       - Desde quando me tornei suspeita?
       - Desde que tentaste contra a vida de Silas.
                                         10052019..............





Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 286


Outros títulos do mesmo autor

Romance estrada de aço 20 novel livre 12anos paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 19 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 18 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 17 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 16 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 15 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 14 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 13 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Poesias EDIVIRGENS E SUAS ATITUDES paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 12 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 166.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 55337 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 52844 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39189 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 34016 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 33263 Visitas
Amores! - 32664 Visitas
Desabafo - 32288 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31596 Visitas
Faça alguém feliz - 31186 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 31033 Visitas

Páginas: Próxima Última