Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
a fantástica biblioteca do Sr. Paragrafo
Luís Eduardo Fernandes Vieira

Resumo:
Espetáculo infantil.

A fantástica biblioteca do Sr. Página


Narrador (entra e posiciona-se no centro do palco.)
“É mais um dia tranqüilo na cidade, as borboletas voam no descampado, anoitece; e a luz do sol está indo embora preguiçosamente. As cigarras cantam num coral bonito e bem afinado...!”

Do fundo vem uma figura muito estranha. Com andar preocupado e anda de um lado para o outro. Não vai ao palco ainda.

Figura estranha
Mas, onde foi que o deixei? Onde foi parar? Com mil traças... eu não posso tê-lo perdido.

Narrador
Aham! Por favor, estou narrando um conto de fadas. Será que o Senhor pode explicar o que está fazendo aqui?

Figura estranha
Ora, não tenho tempo! Preciso encontrá-lo, ou este conto de fadas irá desaparecer... Onde foi?

Narrador
Mas, o senhor não está nessa historia! Eu preciso continuar e os personagens precisam aparecer!

Pára. Olha ao palco e diz.

Figura estranha
Eu vou lhe dizer uma coisa, o Grande Livro não está onde deveria, entende? Se Ele não voltar à minha biblioteca todos os contos e todas as historias e todos personagens irão sumir! Entendeu? Sumir!

Narrador
Oh, meu deus! Você é ...? É o...

Figura estranha
Sr. Página Parágrafos, ao seu dispor! Por isso enquanto eu não encontrar o Grande Livro todos correm o risco de desaparecer, sumir, findar-se...

Narrador (desespera-se)
Oh, o fim está próximo! O fim está próximo!

Sr. Página
Ora, Deixe disso! E continue a sua historia, quem sabe seus personagens não me ajudam à encontrá-lo, que me diz?

Narrador
Não sei? Podemos tentar!

Sr. Página
Eu vou por ali, talvez o tenha deixado na floresta de “à toa”! Volte a historia... (sai)

Um menino está sentado no palco e olha o horizonte.

Narrador (continua)
Alem dos muros de Monte Real está sentado, um menino, num banco de praça, ele olha para o horizonte...

Menino 1
Que estranho... Faz quatro dias que não encontro o Pedrinho!

Entra outro menino e o vê sentado no banco.

Menino 2 (de longe)
Ei, sai daí! Este banco é meu...

Menino 1
Ué! Senta do meu lado!

Menino 2
Não, sai daí.

Menino 1
Tem muito lugar aqui... O banco cabe nós dois! (bate no banco)

Menino 2
Eu quero sentar sozinho, no meu banco! Sai!

Menino 1
Sabe, não é dessa forma que duas pessoas se conhecem!

Menino 2
É mesmo? Então me diga... (faz mesuras) Como são as apresentações?

Menino 1
Assim, “meu nome é...” você me diz seu nome, no que eu lhe respondo: muito prazer, o
meu é Pedrinho! (ri)

Menino 2 (sem entender)
Sabe, você é muito estranho...

Menino 1
Não, não você tem que me dizer o seu nome!

Menino 2
O meu nome é PEDRO HENRIQUE ALVES MACEDO ANTUNES BARBOSA FERNANDES JUNIOR, SEGUNDO! (faz pompas e pavonea-se a cada palavra)

Menino 1
Nossa, que “nomão”! Sabia que o meu também é Pedro? Só que todos me chamam de Pedrinho!

Menino 2
Ei, esse apelido é meu. Tire-o, saia do meu banco! Alias, saia daqui... você está invadindo a casa do meu pai!

Pedrinho 1
Como assim: “A casa do meu pai”? Esta praça é de todo mundo!

Pedrinho 2
Não é mais! Meu pai comprou tudo aqui! Ele vai fazer um parque para... agora chega, vá embora ou chamo os cachorros para tirá-lo daqui! Vai, vai! (gargalha)

Pedrinho 1
Está bem, está bem! Já vou... já estou indo! (procura uma guia e arruma-se para ir-se embora)

Pedrinho 2
Ei, para que isso?

Pedrinho 1
Não está vendo? Sou cego! E esta é minha guia!

Pedrinho 2
Mentira sua.

Pedrinho 1
Não é não! Não enxergo desde que nasci, então, pela lógica, sou cego!

Pedrinho 2
Nunca conheci ninguém que não enxergasse...

Pedrinho 1
Muito prazer Pedro, eu sou Pedro! (risos)

Pedrinho 2
Pedro? De quê? Onde você mora?

Pedrinho 1
Não tenho outro nome. Sou só Pedro! E, moro perto do rio que corre lá atrás!

Pedrinho 2
Meu pai diz que quem mora lá não presta. Que nada perto do rio é bom.

Pedrinho 1
Bem, seu pai não me conhece! Nem aos meus amigos que moram lá. Eles são muito sábios e engraçados também!

Pedrinho 2
Ahám! E lá vocês tem lan house, internet, e-mail, home page, orkut, celular pega? MP3 e tudo o mais?

Pedrinho 1
Como é?

Pedrinho 2
EU SABIA! Olha, vai embora! Já perdi muito, muito tempo com você! Fora, fora!

Pedrinho 1
É, preciso ir mesmo. Marquei com Lili que se o sol estivesse bonito iríamos brincar na floresta de “a toa” e depois nadaríamos no rio! Esta hora a água está morninha... (levanta-se para ir embora)

Pedrinho 2 (desdém)
hunf!

Pedrinho 1
Tchau, Pedrinho! Foi um prazer!

Pedrinho sai, deixando o outro de braços cruzados. Pedrinho 2 olha para um lado, para outro sai correndo.

Pedrinho 2
Espere, espera Pedrinho!

Na floresta de “à toa”

O Sr. Página procura alguma coisa pelo chão. Resmunga muito rabugento. Entra o narrador.

Narrador
Ei, ei! Sr. Página!

(Ele não ouve e continua procurando.)

Narrador
Sr. Página!

Sr. Página
Virgulas! Aqui também não! (vai pra outro lado) mas, eu tenho certeza que deixei em algum canto aqui...

Narrador (grita)
Sr. Página!

Sr. Página (assusta-se)
O que é! Porque você me grita assim?

Narrador
Eles estão chegando, Pedrinho está trazendo-o aqui!

Sr. Página
Ah, finalmente! Ele o achou?

Narrador
Quem?

Sr. Página
O Livro? Pedrinho encontrou o Livro?

Narrador
Não, o Pedrinho da historia que estou contando...

Sr. Página
Historia, qual historia? Tistu, o menino do dedo verde? Duula, a mulher canibal? As tranças de Pindeau? Simbad, o marujo? As mil e uma noites? Chapeuzinho vermelho? Qual historia?

Narrador
A historia de todas as historias... a sua historia!

Sr. P (preocupado)
Oh! Que vou fazer? (envaidecido) você disse minha historia?

Narrador (percebendo o envaidecimento)
Ora, Sr. Página! Vamos, prepare-se eles vem vindo...
(Sr. Página sai correndo pela outra extremidade)

Pedrinho 2
É muito longe?

Pedrinho 1
Nada, nada... Devemos estar na floresta de “a toa” encontramos a Lili, vamos no campo das fadas, passamos na biblioteca do Sr. Página e chegamos no rio! É logo ali.

Pedrinho 2
Não quero me demorar!

Pedrinho 1
Deixa disso.

Pedrinho 2
Mas, que bagunça é essa? Isso é uma floresta?

Pedrinho 1
Ah, sim! Estamos na floresta de “a toa”. É aqui que vêm todas as coisas perdidas no mundo. Se quiser encontrar algo que sumiu, este é o lugar! É uma pena que ninguém se preocupe mais com pequenas coisas. E assim, a floresta está ficando mais apertada.

Pedrinho 2
Percebi!

Pedrinho 1
Hum, já era pra Lili ter me gritado. Lili... Lili! Ei Lili! Me ajude, Pedrinho! Ela já devia ter chegado.

Pedrinho 2
Eu não conheço esta menina.

Pedrinho 1
Menina? (risos) ela não é uma menina!

Pedrinho 2
Ué, se ela não é uma menina, é o que, então?

Pedrinho 1
Uma flor...

Pedrinho 2
Uma flor? Como assim?

Pedrinho 1
Flor, de flor... Perfumada, graciosa, só não sei dizer como é! Mas ela deve ser muito bonita! (envergonha-se)

Pedrinho 2
Você não ia nadar com ela?

Pedrinho 1
Sim!

Pedrinho 2
Como pode uma flor nadar?

Pedrinho 1
Esta flor pode.

Pedrinho 2
Você é muito estranho mesmo.

Pedrinho 2 começa a procurar. E acha um Lírio caído no chão.

Pedrinho 2
Ei, Pedrinho, acho que a achei. (pega-a)

Pedrinho 1 (vem gritando)
Olá, Lili!

Pedrinho 2
Ela não pode ouvir você, Pedrinho!

Pedrinho 1
Porque, o que ela tem? O que aconteceu?

Pedrinho 2
É uma flor, como lhe disse!

Pedrinho 1
Oh! Lili?

Pedrinho 2
Mas, porque o espanto? Uma flor é uma flor...

Pedrinho 1
Tem alguma coisa errada.

Pedrinho 2
O que pode estar errado? Eu não conheço flores que falam.

Pedrinho 1
Vamos, precisamos ver o Sr. Página.

Pedrinho 2
Quem?

Pedrinho 1
O Sr. Página! Ele cuida de tudo por aqui.

Pedrinho 2
Pronto, agora a folha de papel irá ajudar a flor! (gargalha)

Pedrinho 1
Vem logo, Pedrinho!
(saem)
Entra uma fada e brinca com as crianças.

Fada
Fui passear no jardim celeste! giroflê, giroflá! Fui passear no jardim celeste, para te encontrar... o que fostes fazer lá? Giroflê, giroflá! O Fui levar as violetas, Giroflê, giroflá! Fui levar as violetas para lhe entregar ! Que linda manhã. Quem conhece a historia de Pindeau? As tranças de Pindeau? (é hora do conto)
Ao final entram Pedrinho 1 e 2.

Pedrinho 1
Olá, Fadinha! Olá!

Fada
Olá, Pedrinho! Você estava ouvindo o conto?
Pedrinho 1
Acabei de chegar, você sabe do Sr. Página? O viu em algum lugar?

Fada
Xi, Pedrinho! Ele está muito preocupado com o sumiço de um Livro! Quem é seu amiguinho?
(Pedrinho 2 toma a frente)

Pedrinho 2
Eu sou Pedro Henrique Alves...

Fada (corta-o e abraça-o)
Olá, Pedrinho!

Pedrinho 2 (começa a espirrar)
Se afaste, sou alérgico a essas coisas!

Pedrinho 1
Este é Pedrinho, Fadinha! O pai dele vai construir um parquinho ali na praça. Estavamos indo encontrar com a Lili, mas veja o que aconteceu... (mostra a flor)

Fada
Oh!

Pedrinho 2
Mas, porque tanto espanto por causa de uma flor?

Pedrinho 1
Não é só uma flor, é a Lili...

Fada
Será que isso tem a ver com a agitação do Sr. Página?

Pedrinho 1
Estou indo até ele, você vem conosco?

Pedrinho 2
Esperem quem disse pra vocês que o MEU parque é publico?

Fada
Ora deixe disso, Pedrinho Pedroca!

Pedrinho 2
Só vai brincar quem pagar o ingresso... Eu estou pensando em colocar lá a maior lan house de toda cidade e vai ter... ei, meu nome é Pedro Henrique Alves... (vê que os dois já foram embora) deixa pra lá!
(saem)
O Sr. Página está muito preocupado, anda de um lado para outro.


Sr. Página
Estou atrasado, estou atrasado! Não tenho tempo para perder! Estou ocupado, estou ocupado! Se não achar o livro, sabe-se lá o que poderá acontecer!

Pedrinho 1
Sr. Página! Sr. Página!

Sr. Página
Olá, Pedrinho... embaixo daquelas gavetas? Não! Na estante? Não! Embaixo do tapete? Ai, ai, ai! Verifique para mim se não está daquele lado!

Pedrinho 1
Sr. Página, é que a Lili...

Sr. Página
No reino vizinho, eu não fui lá esta semana... (continua rodando)

Pedrinho 1
Ela não apareceu no encontro...

Sr. Página
Atrás do carvalho? Eu já estive lá... No mundo dos peixes? Não me lembro se ele é a prova d’água!

Pedrinho 1
Só que ela, aconteceu algo estranho...

Sr. Página (sem dar atenção a ele)
Eu sei, eu sei, ela está um quarto de hora quinze minutos e trinta e quatro, trinta e cinco, e seis segundos atrasada.

Pedrinho 1
Eu trouxe um amigo para o Sr. Conhecer, talvez possa nos ajudar a resolver...

Sr. Página
Não posso, não posso! Tem muitas coisas ainda para fazer e o tempo é curto... ai, pelas cedilhas envergadas!
Pedrinho 2
Ele não para, estou ficando tonto!
Fada
Espere! Irei resolver isso agora.

(faz um gesto e o Sr. Página congela.)
(Pedrinho 1 vai até ele e mostra o Lírio em suas mãos. O Sr. Página grita, congelado.)

Pedrinho 1
Liberte-o, Fadinha! Ele quer dizer alguma coisa.
A Fada liberta-o.


Sr. Página
Ai, ai, ai! Pelas exclamações exclamadas! Que os tremas nos ajudem! Já começou. Esta é a Lili?
Pedrinho 2
É uma flor, estou falando isso desde que a encontramos!
Pedrinho 1
É isso mesmo.
Pedrinho 2
Flor, página, fada! Eu não estou me sentindo bem...
Sr. Página
Você está num conto de fadas, menino. Aqui tudo é possível.
Pedrinho 1
Eu o trouxe até aqui para conhece-lo, Sr. Página! Mas, quando chegamos na floresta de “a toa” começou a acontecer coisas muito estranhas.
Pedrinho 2
Já conheci e não gostei...
Sr. Página
Você poderia ser mais cordial, meu jovem! Não é assim que se conhecem duas pessoas!
Pedrinho 2
Eu já ouvi isso antes!
Sr. Página
E não aprendeu nada.
Fada
As pessoas se conhecem assim! (abraça-o e ele começa a espirrar)
Pedrinho 2
Já disse, afaste-se! (para o Sr. Página. Estende-lhe a mão) Eu sou Pedro Henrique...
Sr. Página (corta-o)
Não podemos perder tempo, se não encontrarmos o Grande Livro logo, o fim pode chegar mais cedo do que pensamos!
Pedrinho 1
Acabarão os contos?
Sr. Página
Se ele não voltar ao seu lugar, sim!
Fada
As fantasias, as lendas, os heróis?
Sr. Página
Sem livros, não haverá imaginação! Alegria, as fabulas serão esquecidas e as crianças não poderão sonhar! Então todas irão crescer... da noite pro dia!
Pedrinho 2
Oba, viva! Iupi!!!
(todos param e ficam olhando para ele)

Fada
As fadas irão desaparecer!

Pedrinho 2 (envergonhado)
Oh, e agora?

Pedrinho 1
Agora, iremos procura-lo!
Sr. Página
O que aconteceu com a Lili pode ser revertido!

Pedrinho 1
Como?

Sr. Página
Se cada criança bater palmas agora, conseguirão fazer a Lili despertar e voltar para nós!

Fada
Vamos lá crianças! Batam palmas com força!
(esperm respostas)

Pedrinho 1
Isso! Muito bem!
(Lili vem chegando e todos ficam felizes)

Lili
Obrigado, crianças! Vocês me salvaram!

Pedrinho 2
Eu não acredito nisso!

Sr. Página
Bem, ainda não conseguimos vencer! Daqui a pouco irá anoitecer e quando a Dona coruja começar a piar, será tarde demais para salvar a todos nós, será o fim!

Lili
Olhem, enquanto estava presa dentro da flor...

Pedrinho 2
Eu não disse? Eu não disse?

Todos
Pssst! (pedem silencio)

Pedrinho 1
Continue Lili!

Lili
Enquanto estava lá, uma estrela me contou que existe um lugar onde o livro pode estar.

Sr. Página
Onde?

Lili
Dentro do coração de cada um. Mas, que somente uma criança de coração puro iria descobri-lo.

Sr. Página
Sim, somente aquele que tem o coração puro e a alma honesta poderá revelar o local do “Grande Livro”! E assim irá salvar a nossa historia.
Pedrinho 2
Eu não entendi!
Pedrinho 1
Gente, estou sentido que já vai anoitecer.

Todos olham para cima.

Fada
E agora?
Lili
Sr. Pagina, se Pedrinho puder encontrar este local o nosso destino será salvo?
Sr. Página
Sim, mas para isso ele tem que ir até a praça e pedir de coração que o “Grande Livro” retorne ao lugar dele!
Pedrinho 2
Viu Pedrinho, vai lá!
Sr. Página
Nós estamos falando de você, Pedrinho!
Pedrinho 2
De mim?
Fada
Sim, claro! Daqui entre nós, você é a única criança. Todos somos personagens de um conto diferente...
Lili
E você é uma criança com a alma honesta e o coração puro!
Pedrinho 1
Você consegue Pedrinho. Eu acredito em você!
Pedrinho 2 (deslumbrado)
Sim, irei lá! Vou trazer-lhes o “Grande Livro”! Lá vou eu.
Todos se entreolham.
Lili (para a Fada)
O que você acha?
Fada
Eu acho que ele consegue! (para Pedrinho 1) e você?

Pedrinho 1
Eu acredito nele!
Sr. Página
Vamos, logo ele irá voltar. Pedrinho, você sabe o que tem que fazer, certo?
Pedrinho 1
Pode deixar, Sr. Página!
(saem)

Entra Pedrinho 2. senta no banco de praça e olha o horizonte.
Pedrinho 2
Eu não vejo nada! A praça está da mesma forma, mas agora me parece mais bonita! Eu não entendo como iria abrir mão de tudo isso.
Entra Pedrinho 1.
Pedrinho 1
Você conseguiu cativar a todos, Pedrinho! Agora seu olhar mudou.
Pedrinho 2
Que susto. O que você quis dizer com isso?
Pedrinho 1
Bem, todas as vezes que você vinha até aqui, apenas passava. Seus desejos e vontades eram de transformar este lugar apenas em um parque que você logo, logo iria enjoar e não daria mais atenção! Dentro de você era apenas um campo sem graça e chato. Hoje, depois que encontramos o Sr. Página, a Lili, a Fada e até mesmo todas estas crianças, acreditando que apenas você iria devolver a felicidade dos contos de fadas, que é aquilo que mantem a criança como criança, você cativou a todos, pois foi cativado também.
Pedrinho 2
Então! Não existe o “Grande Livro”?
Pedrinho 1
Existe sim, ele está dentro de você, Pedrinho!
Pedrinho 2
Sim, lá está ele... Olha que lugar lindo!
Pedrinho 1
Pedrinho!
Pedrinho 2
Sim!
Pedrinho 1
Me faz um favor, me descreve o dia?
Pedrinho 2
É um dia lindo! Mais um dia tranqüilo na cidade, as borboletas voam no descampado, anoitece; e a luz do sol está indo embora preguiçosamente. As cigarras cantam num coral bonito e bem afinado...!

Entram todos os personagens. Sr. Página traz o “Grande Livro”.

Fim

Número de vezes que este texto foi lido: 54707


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Anicreador Luís Eduardo Fernandes Vieira
Poesias A ti, Medéia Luís Eduardo Fernandes Vieira
Poesias Faces Luís Eduardo Fernandes Vieira
Poesias Aos Muitos Sofredores Sem Terra Luís Eduardo Fernandes Vieira
Poesias O Diário Vermelho Luís Eduardo Fernandes Vieira
Roteiros Mariposas Luís Eduardo Fernandes Vieira
Roteiros a fantástica biblioteca do Sr. Paragrafo Luís Eduardo Fernandes Vieira
Poesias Passarela Luís Eduardo Fernandes Vieira
Poesias Hoje é mais um maravilhoso dia Luís Eduardo Fernandes Vieira
Roteiros Pessoa, por pessoas Luís Eduardo Fernandes Vieira

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 19.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Amores! - 54782 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 54781 Visitas
DIVINO SER - Ivan de Oliveira Melo 54779 Visitas
eu sei quem sou - 54778 Visitas
Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 - Vander Roberto 54778 Visitas
Dores da paixão - Ivone Boechat 54777 Visitas
Desabafo - 54776 Visitas
Leite com Pimenta - Rafael da Silva Claro 54771 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 54770 Visitas
A força do recomeço de empresários atingidos pelas enchentes - Isnar Amaral 54770 Visitas

Páginas: Próxima Última