Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Outros vales
Queóps

“As faculdades do homem, de fato, e sempre, dirigem-se perfidamente contra aqueles ousados o suficiente para palmilharem pastos mais verdejantes.” Por que haveria eu de relatar coisa diferente?

Transpirando mais que a região arbórea próxima, o homem – oculto aqui o nome por fazer-se desnecessário -, tateava      assustado os cotocos que despontavam às costas, à altura dos ombros. Sentia, não sem estremecer-se de medo, uma estrutura cartilaginosa, que, pouco a pouco, foi tomando a forma de asas. Asas, vejam só! Brotavam-se para fora, violentamente, indiferentes à carne.

De início, digo que não gostou – na verdade, repudiava-as a ponto de inutilmente tentar arrancá-las a todo custo. Repúdio este jamais gratuito; asas desiguais e escamosas, uma vermelha e outra acinzentada; grandes a ponto de o vértice da parábola que desenhavam alongar-se algumas polegadas acima da cabeça, enquanto as pontas tocavam-lhe os calcanhares.

“A todas as mudanças o homem vê-se obrigado a acostumar-se, sob pena de viver, eternamente, sob profundo desgosto.”

Em pouco tempo, nosso desafortunado homem ousava esboçar débeis sorrisos nos lábios. Mas não bastaram escassos meses, e podia-se olhar o céu e ver, com um pouco de esforço, uma criatura alada, meio homem e meio pássaro, a voar nos topos das árvores e das construções regozijando-se de sua nova condição.

Mas o homem – ó ser cruel e impiedoso – vendo o júbilo que se propagava no sujeito, logo tratou de por fim a essa “desmensurada blasfêmia”.

Com mãos de quem alimenta criança enferma e de olhos ternos, chamaram-no de camarada, e fizeram-se seus amigos; partilharam da mesma mesa, bebendo e comendo; tagarelaram ao ocaso e partilharam morada. Confiante, o desditoso abriu guarda, e também tratou a todos por camaradas.

“Quem dá, muitas vezes esconde as garras.”

Laçaram-no como laça-se uma besta, e moeram-no de duras pancadas. Ferveram as asas, arrancaram-na, não sem dor lancinante, e trancafiaram mente e corpo de novo a pastos demasiados secos.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 22429


Outros títulos do mesmo autor

Romance Excerto de uma "loucabilidade" Queóps
Contos Outros vales Queóps


Publicações de número 1 até 2 de um total de 2.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185985 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 166086 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 165460 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 131115 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 118178 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81469 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 70204 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 65838 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 60917 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 56193 Visitas

Páginas: Próxima Última