Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Causas e consequências do movimento antivacina
Flora Fernweh

No início do século XX, a população do Rio de Janeiro presenciou uma revolta catalisada pela imposição da vacinação obrigatória contra a varíola, fator que gerou um descontentamento popular acerca dos limites da liberdade de escolha e motivou mudanças infraestruturais em um cenário de reformas urbanas. De modo análogo, a sociedade brasileira contemporânea ainda encara o ato de vacinar-se, como uma forma de o Estado exercer seu poder sobre os corpos dos indivíduos, o que corrobora com o surgimento de grupos que propagam o descrédito aos estudos científicos a respeito da eficácia da vacinação, e que consequentemente conduzem a saúde pública rumo a um cenário de calamidade.

Apesar da persistência de movimentos dispostos a negligenciar a importância das vacinas, dados apontados pela OMS, indicam que nações com o hábito de vacinar sua população, têm seus índices de expectativa elevados em aproximadamente trinta anos, o que demonstra o impacto positivo estrutural e social da imunização em massa. Contudo, sendo o Brasil um exemplo, em decorrência da oferta serviços gratuitos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), o país iniciou seus programas de vacinação obrigatória em adultos somente em 1846, uma vez que o déficit na fabricação de vacinas é um fenômeno nítido, assim como a dependência científica e econômica de países desenvolvedores de vacinas, que contam com maiores recursos provenientes do governo e de outras instituições públicas.

Ademais, em relação à história da vacinação no Brasil, a crença desprendida de embasamento científico é proporcionalmente recente, visto que na década de 1990, o médico inglês Andrew Wakefield publicou na revista Lancet, um artigo defendendo a relação direta que a vacina tríplice-viral estabelece com os casos de autismo. Tal ponto de vista foi utilizado como sustentáculo de grupos que já se reconheciam antivacinistas, e que buscavam justamente o posicionamento de uma autoridade que colaborasse com esse ideal equivocado. A partir disso, pode-se afirmar que o comportamento social resultante do medo e da insegurança, criou um cenário propício para o ressurgimento de doenças que já haviam sido erradicadas no passado.

Diante de uma conjuntura na qual é comprovada a eficácia da vacinação, mas que mesmo assim, percebe-se a predominância de estigmas por parte de grupos sociais significativos, é imprescindível que o Ministério da Saúde, com a parceria de instituições especializadas na área da Saúde, como o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz, disseminem informações verídicas e incentivem a fabricação e o acesso a vacinas por meio de programas coletivos de imunização, como o projeto “Uma vacina, uma vida”, voltado às classes mais baixas e vulneráveis à desinformação, com o intuito de garantir que o ato de vacinar-se seja democrático e efetivo. Dessa forma, os percalços estruturais relacionados às doenças em solo brasileiro serão suprimidos, e não haverá espaço para outra revolta como aquela ocorrida em 1904 no Rio de Janeiro.


Biografia:
Sobre minha pessoa, pouco sei, mas posso dizer que sou aquela que na vida anda só, que faz da escrita sua amante, que desvenda as veredas mais profundas do deserto que nela existe, que transborda suas paixões do modo mais feroz, que nunca está em lugar algum, mas que jamais deixará de ser um mistério a ser desvendado pelas ventanias. 
Número de vezes que este texto foi lido: 31


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Língua de poeta Flora Fernweh
Artigos Expressionismo Flora Fernweh
Haicais Anoiteceu Flora Fernweh
Artigos A situação da saúde no Brasil: problemas e soluções Flora Fernweh
Artigos Causas e consequências do movimento antivacina Flora Fernweh
Crônicas Ânsia da escrita Flora Fernweh
Artigos A escrita é o novo divã Flora Fernweh
Contos Reflexão: ENEM 2020 Flora Fernweh
Haicais Parto Flora Fernweh
Artigos Moradia e acessibilidade Flora Fernweh

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 201.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 76109 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 62050 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50302 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 50062 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49622 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49285 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 49003 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48819 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48795 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 48242 Visitas

Páginas: Próxima Última