Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
As queimadas e os seres da floresta
A saga de Kami
Helio Valim

Resumo:
Os povos originários são os verdadeiros guardiões da floresta. Sua interação vai além do mundo real, avançando pelo sobrenatural, onde seres não humanos, protegem a todos: os habitantes humanos, os amimais, a mata e as águas.
Através do Xamanismo esses povos se conectam com os seres sobrenaturais e evocam a sua proteção.

O jovem Kami (sol) da etnia Waurá, caminhava pela floresta, próximo à sua aldeia localizada às margens da lagoa Piyulaga.

Os Waurá habitam o Território Indígena do Xingu, na região ocidental da bacia do rio Xingu, no estado do Mato Grosso. Sendo reconhecidos pela criatividade do grafismo de sua arte simbólica e de suas máscaras ritualísticas.

Acompanhado de sua amiga inseparável, uma onça-pintada, quase em extinção. Criados juntos, desde o nascimento, possuem uma grande ligação transcendental.

Além de sua esplendida cultura, os Waurá possuem fascinante religiosidade, que une os animais, os humanos e os seres sobrenaturais que povoam suas práticas de Xamanismo.

De repente Kami sentiu um grande aperto em seu coração. O cheiro de fumaça impregnava o ar da floresta, carregando a mensagem das queimadas que destruindo a floresta e seus habitantes, magoam o espírito de povos originais, guardiões da mata, seus antepassados.

A Amazônia sofre com o aumento das queimadas. Esses focos não são, devidamente, controlados ou combatidos, por omissão ou, até conluio dos governantes, autorizando, implicitamente, a ação de madeireiros, “grileiros”, garimpeiros e empresários gananciosos do agronegócio.

Cercado por chamas, sufocado pelo calor e pela fumaça, Kami cai desacordado. Sua amiga, que acompanhava tudo atentamente, percebendo tamanho sofrimento arrasta-o, atordoado, até a margem do rio Batovi. Mas devido a tamanho esforço perde as forças e desfalece.

Kami desperta, encontra a amiga desmaiada e clama aos seres da floresta auxílio para salvá-la. O Xamã da aldeia, sentindo tão intenso lamento evoca tais seres sobrenaturais, que choram sobre a floresta, apagando as chamas e dissipando a fumaça.

Banhada pela chuva refrescante, percebendo apelo tão sofrido, a onça desperta, interrompendo a jornada iniciada, e acaricia o amigo agoniado.



Biografia:
Possuo mais de 30 anos no magistério superior tendo lecionado em Instituições de Ensino no Rio de Janeiro. Sou mestre em Engenharia, pós-graduado em Metodologia do Ensino Superior e graduado em Engenharia Civil e Arquitetura.
Número de vezes que este texto foi lido: 33786


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Seu cheiro de tangerina Helio Valim
Poesias Flor seca Helio Valim
Contos Amor inacabado Helio Valim
Contos As queimadas e os seres da floresta Helio Valim
Contos Quadrilha: Uma releitura de Drummond Helio Valim
Poesias Pungente Helio Valim
Artigos “Você só dá aula ou também trabalha?” Helio Valim
Poesias Devaneio Helio Valim
Poesias Quebrada Helio Valim
Poesias Apenas miragem Helio Valim

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 24.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 35538 Visitas
viramundo vai a frança - 35500 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 35415 Visitas
Como posso desenvolver uma campanha de marketing - Antonio 35412 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 35379 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 35358 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 35354 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 35354 Visitas
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 35297 Visitas
A Carta Gelada - José Rony de Andrade Alves 35291 Visitas

Páginas: Próxima Última