Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Uma Semana de Cão
J. Miguel

Uma Semana de Cão


Minha semana começou assim:
Segunda-Feira:
Às três da manhã minha mãe me liga para saber o telefone celular do meu irmão. Ainda na cama, peguei os óculos na mesinha de cabeceira, abri a caderneta e passei-lhe o número. Larguei os óculos sobre o leito e adormeci com o telefone na orelha.
Quando estava pegando a caderneta, esbarrei no despertador, que travou sem que eu o percebesse.
09:50 h.
Acordei sobressaltado com o barulho da empregada na cozinha. Olhei as horas e não acreditei. Saltei da cama lançando os óculos ao chão, quase ao mesmo tempo em que os pisava, quebrando-os. Corri para o banheiro para fazer a barba o mais rápido possível. Estava agendado para as nove horas uma reunião com os gerentes de setor sobre um problema da empresa, intitulado: "A FALTA DE PONTUALIDADE DOS EMPREGADOS E SEU CUSTO PARA A EMPRESA". O tema era meu...
Não me perguntem como, mas fazendo a barba consegui cortar o nariz e metade de uma sobrancelha. Devo confessar que sou quase cego sem os óculos. Tentei consertar usando o lápis de sobrancelha da minha esposa.
A empregada, uma senhora de meia-idade, usa um óculos de mesmo grau que o meu, ou quase. O chato é que eles são antigos, da época das discotecas. Tem aquele formato de gatinha, aros rosa-choque e pedrinhas coloridas. Mas eu não tinha tempo de passar em um oculista. Afanei os óculos da empregada e saí para a rua. Por vergonha de ser visto dirigindo usando aquela armação, fui de taxi para o trabalho.
Desci na calçada defronte ao prédio exatamente às 10:15 h, na hora em que uma senhora gorda saía da lanchonete com um sanduíche gorduroso, empanturrado de cebolas e catchup. Foi um esbarrão daqueles! A salsicha veio parar no bolso da minha camisa, que ficou toda emporcalhada de cebola e creme de tomate. E eu ODEIO cachorro-quente!
Penalizado com a minha situação, o porteiro gay do edifício me emprestou uma camisa amarela e sua gravata verde abacate.
Eu estava uma pilha. Confesso que quase chorava. Como poderia aparecer diante dos gerentes de toda empresa vestido daquele jeito e ainda atrasado?
Me deram um calmante e nem pestanejei. Tomei um copo de um refresco de groselha do porteiro para ajudar a engolir.
O porteiro notou que minha calça também estava suja, na altura do zíper . Ali não teve jeito. Tive que lavar mesmo. Para secar mais rápido, coloquei uma folha de jornal amassada por dentro da calça, enquanto subia pelo elevador.
No elevador, examinei a minha figura no espelho e notei que até que não ficara mal com aquela camisa amarela e a gravata verde. Os óculos de aro rosa, em forma de olhar de gatinha, com aquelas pedrinhas coloridas também combinavam com a minha sobrancelha desenhada. E tudo combinava com os lábios rosados pela groselha... na verdade, o elevador estava tão bonito... o mundo era tão bonito... me deu vontade de chorar de felicidade.
11:15 h:
Saí do elevador meio cambaleante... que remédio porreta! Acho que eu estava cantando quando entrei na sala de reuniões. O superintendente geral estava na cabeceira da mesa. Fui para minha cadeira, pedindo desculpas a todos pela demora e sentei... no colo de alguém. Era o chefe de RH.
Não sei bem exatamente o que disse durante a reunião, mas o superintendente não parava de me olhar. Até que percebi que havia esquecido de retirar o jornal de dentro das calças. Aquilo me dava um volume monstruoso!
EM algum momento do meu falatório esbarrei no copo dágua à frente de um colega e o líquido se esparramou por sobre suas pernas. Rapidamente, peguei um guardanapo e tentei secar a calça do colega, que deu um tapa nas minhas mãos. Acho que ele pensou que eu o estava assediando.
12:00 h.
Olhei para o relógio e não compreendi direito como estava sentado na calçada do prédio. Lembro assim, meio vagamente, de ser arrastado para fora da sala, com o superintendente berrando "FORA! FORA! RUA!..."
Uma senhora passou e jogou uma moeda no meio das minhas pernas.
Um guarda municipal me pegou pelo braço e me arrastou para um ônibus que me levou para um abrigo de mendigos. A língua estava meio presa na boca. quando tentava falar, meio que grunhia. No fim da tarde, um grupo de mendigos conseguiu fugir do abrigo e me arrastaram junto. Sentamos em uma praça e ficaram todos conversando. Um grupo de estudantes veio e tirou algumas fotos.

Terça-feira:
Acordei deitado na calçada, abraçado a um mendigo enorme, que cheirava como um bueiro em dia de chuva.
Minha carteira, dinheiro, relógio, documentos, sapatos, tudo sumira. Ficara apenas com a camisa amarela, a gravata verde, os óculos de gatinha (por que será que não os roubaram?) e a calça com uma mancha enorme, como se eu houvesse me urinado.
Sentei no banco da praça e fiquei pensando em nunca mais voltar para casa. Outra senhora idosa me jogou mais uma moeda.
Estava morto de fome e o mendigo com o qual dormira me trouxe um sanduiche de ovo e uma garrafa de cachaça. Bebi no gargalo mesmo. Devo ter bebido bastante, porque não lembro de mais nada desse dia.
Quarta-feira:
Acordei de novo abraçado ao mendigo. Almoçamos juntos e bebemos mais algumas garrafas de cachaça.
Quinta-feira:
Passei a noite em claro. Marreta - esse era o apelido do mendigo - passou a noite fora. Foi muita falta de consideração dele. Tivemos uma discussão e ele me bateu. Levantei muito chateado e resolvi voltar para casa.
Quinta à noite:
Cheguei em casa andando e inventei uma história de que fora seqüestrado. Era mais fácil de explicar.
Sexta-feira:
Minha foto saiu na capa de uma revista sobre gays abandonados na terceira idade.
Sábado:
Minha mulher, meus filhos e a empregada foram embora. O Marreta que fez o almoço. Como ele cozinha mal!


Biografia:
"Fazer chorar é fácil; desafio mesmo é fazer rir."
Número de vezes que este texto foi lido: 28728


Outros títulos do mesmo autor

Humor Arnaldo J. Miguel
Humor Conta Que Estou Ouvindo J. Miguel
Humor Minha Amiga Ana J. Miguel

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 21 até 23 de um total de 23.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Peripécias de Maria - José Ernesto Kappel 29271 Visitas
As Garças do Banhado - Amilton Maciel Monteiro 29271 Visitas
MEU LUGAR SEGURO - Tércio Sthal 29267 Visitas
Última Pétala - Quézia Martins 29267 Visitas
O Corvo - CARLOS EDUARDO MARTINS CARVALHO 29266 Visitas
Meu trampo! - Dudu Khalifa 29266 Visitas
Lamparina - P Corrêa 29264 Visitas
Menino de rua - Condorcet Aranha 29264 Visitas
Outros vales - Queóps 29262 Visitas
Rio da morte - FERNANDO 29261 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última