Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Mais um
Ivone Boechat

Na organização social adotada pela grandiosa maioria das nações do mundo inteiro, quando o poderoso opressor tem o comando de tudo, ter títulos, diplomas, pós e doutorado e ainda ter competência, desempenho, saúde, disposição e vontade significa absolutamente que o oprimido é apenas MAIS UM.

MAIS UM chega com seu currículo, ganha a concorrência do emprego, estufa o peito de tanto elogio, toma posse e fica. Imagina-se importante, desdobra-se em horas extras, procura agradar em tudo e agrada mesmo. É campeão de honestidade, só que não enxerga que é e será sempre MAIS UM.

MAIS UM passa a vida inteira trabalhando como se estivesse conquistado amizade, consideração e simpatia do opressor e, justamente, na hora em que sente o frágil corpo dando os primeiros sinais de cansaço e não consegue mais corresponder ao desafio desumano que lhe impõem, ousa questionar atenção, mas descobre finalmente que é apenas MAIS UM.

Começa a dura batalha entre o ego ferido de sonhador retumbante com a dura realidade, porque aí vêm as chantagens:

- Não, você não pode nos deixar, você é importantíssimo para nós, jamais poderemos perdê-lo.

Imediatamente, providências são tomadas para que se melhorem as refeições servidas na empresa, mais ar refrigerado, poltrona macia e giratória, banheiros esplendorosos, vale transporte.

- Afinal de contas, um bom empregado dá lucro nos negócios, vamos investir no seu conforto. Assim ele passará anos e anos metido aqui dentro e nem vai lembrar de mais nada.

MAIS UM fica feliz, porque pensa que estão descobrindo seus valores e nem vê que a máquina morrível de seu corpo foi aquecida para produzir mais. O salário continua o mesmo, a cobrança é cada vez maior, entre sorrisos e abraços, no corredor. Comprometido com tantas “gentilezas”, afunda-se com a terrível carga, esgota-se.

O tempo passa e as riquezas amontoam-se. É poderio, “onipotência”, exploração e quem é pobre fica mais pobre. Nas reuniões esporádicas da diretoria, acumulam-se reclamações, reclamam de tudo e como ninguém é de ferro, partem os principais para a Europa, vão descansar do stress.

MAIS UM parte para o cemitério. Foi realmente descansar e nunca mais saber que, de agora em diante, ele é contado somente como MENOS UM.

Escola Comunitária 1ª edição CNEC DF 1992


Biografia:
Natural do Estado do Rio; Membro da Academis Munsial de Cultura e Literatura: Membro da Academia Duquecaxiense de Letras e Artes de Duque de Caxias-RJ; Autora de 16 livros, Consultora em Educação.
Número de vezes que este texto foi lido: 54823


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Delícias da festa junina Ivone Boechat
Poesias Dores da paixão Ivone Boechat
Poesias AME VOCÊ Ivone Boechat
Poesias Oração do poeta Ivone Boechat
Poesias Mais um Ivone Boechat
Poesias Oração do amanhecer Ivone Boechat
Poesias Oração da avó Ivone Boechat
Poesias Prece do trabalhador Ivone Boechat
Biografias Ivone Boechat Educadora e Escritora Mageense Ivone Boechat
Poesias Terapia Ivone Boechat

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 301.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
AÇÃO DE REPARAÇAO CIVIL EX-DELICTO - francisco carlos de aguiar neto 54887 Visitas
O vovô e a vovó - Helena Regina Santarelli M. de Campos 54843 Visitas
Cata-ventos - Joseph Shafan 54843 Visitas
A LENDA DOS SETE MARES - Saulo Piva Romero 54842 Visitas
MANCHETE DE JORNAL - sigmar montemor 54842 Visitas
Pilatos e a imparcialidade - Patrícia 54840 Visitas
Moinhos - Joseph Shafan 54840 Visitas
Post Mortem - Europa Sanzio 54839 Visitas
Como pode? - micro conto - Joseph Shafan 54839 Visitas
Canto da Lira - Joseph Shafan 54838 Visitas

Páginas: Próxima Última