Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ME CHAME 2 TERROR INDICADOS A 11ANOS ACIMA
DE PAULO FOG E IONE AZ
ricardo fogzy

Resumo:
INDICADO A MAIORES DE 11 ANOS, LIVRE.


             Dez anos depois - vitímas de um crime suspeito só aumentam, já chegam aos 23.
     Tirando Cleuza, todos os outros foram encontrados, sempre da mesma forma, com órgãos moídos e ossos quebrados.
     - O que faremos?
     - Temos de dar um parecer a sociedade.
     - Pois dessa vez vá você e fale com os tigres.
     - Eu, por que eu?
     - Por que houve um sorteio e você fora o comtemplado.
     - Quando?
     - Agora vá.
     O soldado sai da sala do delegado e olha ali para cerca de 8 repórteres locais e 1 de nível estadual.
     - E então, o delegado vai demorar para falar com a gente?
     - Ele não poderá dar a entrevista para vocês, portanto, vou coloca-los á par das últimas.
     - Mais quem é o senhor, você é o delegado?
     - Sou Antônio, soldado que presta serviço para esta delegacia.
     - Um soldado?
     - Por que, não posso falar, sendo assim peço que os senhores..........
     - Tudo bem, o que sabe sobre o andamento das investigações sobre estas séries de crimes?
     - Pois o que eu posso lhes dizer é que o último incidente fora há cerca de 3 meses, estamos bem adiantados nesse assunto, em principal neste, provas e pistas estão sendo confirmadas.
     - Por favor, em outras palavras nada de novo?
     - Ainda não.
     - Talvez seja por isso que o estado esteja mandando um novo delegado para a cidade?
     - Esta?
     - Nossa, realmente o senhor sabe das coisas hein.
     - Posso lhes dar ordem de prisão agora.
     - Tente senhor, somos imprenssa.
     Um detetive chega ali e dispersa os repórteres, Antônio seca seu suor com auxílio de um lenço que tirara do bolso.
     - E então amigo, muito trabalho?
     - Esses jornalistas são verdadeiros carcarás.
     - É o trabalho deles.
     - Obrigado Francisco se não fosse por você.......
     - Fique tranquilo, quando estiver por perto, te ajudo, sempre.
     - Sabia da vinda do novo delegado que eles disseram ai?
     - Ouvi alguns rumores.
     - E eu nem isso ouvi.   Risos.
     - Pois é mais essa.
     - É.
     - Vamos colega, tomar um suco para esfriar nossas mentes, tem sido uns dias dificeis por esta cidade?
     - Sabe, vou aceitar.
     Os dois saem da delegacia e param na padaria do Léo, ali pedem 2 sucos de cajú com muito gelo, comem coxinhas de frango e papeam sobre amenidades familiares.
     Ja por volta das 19 horas, Antônio deixa a delegacia, acabara seu plantão, o delegado ja fora há tempos, tivera que estar presente em uma reunião de última hora na regional de policia.
     A casa de Antônio com as luzes acesas, seus 2 filhos a brincar na calçada de bola com os filhos dos vizinhos, quando avistam ao pai já vão se despedindo dos coleguinhas ali e correm para o abraço e carinho do pai.
     Beijos e abraços, António brinca um pouco com eles ali, entra e na sala deixa sua pasta.
     Na cozinha Jocyane prepara o jantar, carne moída com batatas, arroz, feijão com sobras de carne.
     Ali ela recebe o marido com um abraço e um beijo, as crianças logo entram ali e em seguida são orientadas a irem ao banho, cerca de 40 minutos todos ali a fazerem a refeição.
     Jocyane olha com extremo carinho para o esposo e filhos ali, ouvem após comerem, um pouco de rádio e depois ela acompanha sua novela preferida na tv da sala com a família, logo as crianças dão sinal de estarem com sono.
     Após coloca-las na cama, ler uma estória e dar a benção, o casal retorna a sala e mais uns 20 minutos de tv, logo ela desliga o aparelho e leva o marido para o quarto, ali o ajuda a subir na alta cama, Antônio ja cansado do serviço recebe um beijo de sua amada esposa que sai dali, tranca as portas e fecha as janelas, desliga a luz externa do quintal, no refrigerador pega água, bebe e leva uma garrafinha para o quarto, deixa esta sob o criado ao lado da cama, retira sua camiseta e shorts, veste um camisão e sobe na cama.
     - Amor.
     - Acordou?
     - Te amo.   Antônio a tem em suas mãos e a beija de forma que ela solta uns gemidos bem baixinhos que o deixa muito mais excitado, eles transam ali, ela o satisfaz com posições e sempre aceitando novas formas de amor entre eles.
                                                        12122019...........
     







               Já as 2 da manhã, Antônio acorda com um barulho vindo do quintal, olha para o lado, sua esposa ali adormecida, com todo cuidado sai da cama e veste o calção do pijama, coloca so chinelos nos pés e sai, abre a porta dos fundos na cozinha e liga o interruptor de uma varanda pequena, pega em um armário ao lado do tanque, um farolete metálico, liga este e aponta para o quintal, vê dois gatos atravessarem em sua frente e olha bem próximo ao muro dos fundos a bike de um dos garotos.
     - Esses meninos, sempre brincando e esquecendo de guardar as coisas.
     Coça a cabeça e segue pelo quintal, se assusta com a sombra no chão das galhas da goiabeira.
     - Vou me lembrar, cortar estas galhas, estão até sem folhas coitadas.
     Nisso sente algo passar pelas suas costas, olha para trás rapidamente e nada, segue até a bike a pega e traz consigo de volta para a varanda, ouve passos atrás dele.
     Em um rápido movimento olha para trás e nada, deixa a bike na varanda, entra em casa com o farolete, apaga as luzes e coloca o farolete em cima da mesa, nisso ouve um barulho na varanda, liga a luz da cozinha e pela janela vê a bike fora da varanda.
     - Meu Deus que inferno, com certeza tem alguém querendo me zuar.
     Antônio vai ao quarto e pega debaixo da cama uma espingarda de pressão, coloca os chumbinhos e segue, já na varanda com luz acesa vai ao quintal poucos passos e pega a bike.
     - Isso não é hora para brincadeiras.
     No quarto, Jocyane acorda com a fala do esposo e sente sua falta ali na cama, se veste e sai, Antônio deixa a bike junto do tanque.
     - Me chame, me chame, quem eu sou?
     Ele olha para trás, ali com um pé na varanda e outro no quintal, uma garota de seus 12 anos, vestido acima dos joelhos, pele tão clara quanto á neve, traz a face um olhar parado mórbido.
     - Quem é você, vai embora garota, isso lá é horas para uma garota da sua idade sair por ai, pular muros e ficar a perturbar o sono de quem trabalha, com certeza você tem pais, quem os são, vai me diz, eles devem saber que sou policial e tenho que dormir para estar ás 7 no meu plantão diário na delegacia?
     - Me chame, me chame...........
     - Cale a boca e vá para a sua casa, dessa vez vou deixar passar, afinal todos ja fomos crianças também, agora vai menina.
     Ele se vira para entrar na cozinha e ali na sua frente a garota, ele se assusta e anda para trás, perde o equilibrio e cai, batendo a cabeça na lateral do tanque, o sangue desce e ele grita, Jocyane aparece ali com uma faca em mãos.
     - Amor.
     - Cuidado querida, essa menina ai.   A mulher olha para o lado e vê a criança, logo é golpeada no ombro com o farolete.
     - Ai, isso dói menina.   A criança vai até ela.
     - Me chame, me chame, qual o meu nome?
     Jocyane se desespera e tenta se levantar, mais escorrega no fio de sangue vindo de seu marido.
     - Amor.
     - Corre mulher, corre.
     A menina se aproxima dela, traz na mão uma faca.
     - Vai embora, vai embora. Uma das crianças sai a porta e olha acena ali, a menina se vira.
     - Me chame, me chame, quem eu sou?
     - Mara. Responde um dos filhos do casal, ela desaparece, todos ali em pânico, Jocyane ajuda o marido a levantar-se, minutos depois a ambulância o socorre levanto ao pronto socorro da cidade.
     Amanhece e o assunto na cidade é só um, todos querendo saber quem é essa tal Mara e o que ela realmente queria com a família do soldado.
                                                            13122019...................



Biografia:
ler e escrever é minha vida assim
Número de vezes que este texto foi lido: 35030


Outros títulos do mesmo autor

Contos RIO DAS ALMAS 6 IND 14 ANOS ricardo fogzy
Contos RIO DAS ALMAS 5 IND 14 ANOS ricardo fogzy
Contos FRUTO PRECIOSO 2 ricardo fogzy
Contos ALTA CONFIANÇA IND 15 ANOS ricardo fogzy
Crônicas O VALOR DE UM RISO ricardo fogzy
Contos FRUTO PRECIOSO IND 14 ANOS ricardo fogzy
Contos KLAUS IND 13 ANOS MODERADO ricardo fogzy
Crônicas A VIDA E OS SEUS ricardo fogzy
Poesias ÍNDIO ricardo fogzy
Poesias FOI UM LEVE VIVER ricardo fogzy

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 61.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 35672 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 35227 Visitas
1 centavo - Roni Fernandes 35226 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 35214 Visitas
Ano Novo com energias renovadas - Isnar Amaral 35209 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 35207 Visitas
saudades de chorar - Rônaldy Lemos 35193 Visitas
NÃO FIQUE - Gabriel Groke 35187 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 35176 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 35155 Visitas

Páginas: Próxima Última