Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O "MITO" DA SECA [A SEXTA PARTE]
manoel serrão da silveira lacerda

Na sesma o sol estia, torra, tisna, estila, assola, opila, recrudesce o árido.
Seca a lavra, a sebe, a parelha, o estipe, a húmus, o barro, dissipa a mata.
Na sesma o sol lasca-pedra, o esterco, o calhau, e na tapera resseca a palha.

Na sesma o sol cega, ceifa a gleba, o perau, e queima roça à fogo pela “coivara”.
Seca a bilha, roga a fé, reza a novena, ferra a boca, cala o berro, arrebenta a fome e estorrica a couraça.

Na sesma o sol subjaz do cacto o espinho, do mandacaru a flor, e na serra o poial quebrar sem racha.

No latifúndio a chuva que abunda, rega d'água no cio o grão que semeia o pasto.
É gota "santa" que faz dar a benta ração para a engorda no curral ao rebanho castro.

No latifúndio a bátega é dádiva que aduba a fécula para o festo lauto do repasto farto.

No latifúndio o diluvico farta o clã, o feudo, e do vil metal a fecunda para o jugo imposto da prata.
É dominação histórica que a séculos impera pelo grão-senhoril da terra, que berra: O Estado aqui sou Eu.

No latifúndio a “joia da coroa” é dote podre sem igualha, dívida imoral que ceva em saca o silo da safra, engorda a díade do amo oligarca, sacia a corte e o legado primitivo da casta

Na sesma o sol flagela, impõe a dor, o martírio, o claustro, e na caatinga adusta do ser a honra, ceifa vidas, ceifa sonhos e amordaça o homem.
É nó e laço que cata na peia o peão sem dó no passo, cala o berrante, o aboio, e a Asa Branca bater asas, avoar sem grão, um piar sem graça.

Na sesma o sol faz do pau Ipê cipó cavo sem polirrizo, das folhas restolho que exameia soltas na terra, e de toda a porção rasa sem chão, mão-de-obra escrava.

Na sesma o sol a pino pune na canga - cruz - que pesa como purga à rês do canzil, divisa entre cancelas vidas secas sem terras, e tange para o êxodo o “invisível” retirante.
É cão sem braço nefasto que mata a soco de côvado no abraço, e a golpe de língua a morte de antevéspera anuncia.

Na sesma o sol da sexta parte o corpo d'alma, descarna da pele os ossos e da "grei" miúda os nervos até que no juízo final o separe, jaz na cova acaba.

Entre
Pedra e cacto.
Destino e sorte.
Entre
O pó e a cal.
O sol e o sal.
Entre
A vida e a servidão,
Na sexta parte onde a forca da fome mora, o destino é a morte.



Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 28598


Outros títulos do mesmo autor

Poesias LOBSHOMEM manoel serrão da silveira lacerda
Poesias NEURA TRIBAL manoel serrão da silveira lacerda
Poesias ÁLIBIS manoel serrão da silveira lacerda
Poesias APRENDIZ manoel serrão da silveira lacerda
Poesias PÓSTUMO manoel serrão da silveira lacerda
Poesias AUSCHWITZ manoel serrão da silveira lacerda
Poesias O BELISCÃO manoel serrão da silveira lacerda
Poesias A TRINDADE manoel serrão da silveira lacerda
Poesias ANFÍBIOS manoel serrão da silveira lacerda
Poesias ALMA QUÂNTICA manoel serrão da silveira lacerda

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 64.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 55541 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 52848 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39198 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 34058 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 33282 Visitas
Amores! - 32744 Visitas
Desabafo - 32350 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31604 Visitas
Faça alguém feliz - 31231 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 31040 Visitas

Páginas: Próxima Última