Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
FRAGMENTOS I
PROSA POETICA
Darwin Ferraretto


FRAGMENTOS I

Era uma manhã de pés descalços e ouvidos moucos. Era uma manhã de luzes incertas vagando pelas avenidas. Um resto de noite calado na boca, o pesar dos sapatos comprimindo o assoalho de madeira, o som dos automóveis passando, a verborragia quieta dos passantes. No caminhar apressado um quê de dúvida entre os postes e árvores velhas traçando linhas imaginárias. Os fios, estes em quase retas, sustentam pombos e pardais gritantes onde nada pode ficar. Era uma manhã de sol esmaecido e nuvens. O latido dos cães ecoando no silêncio dos pensamentos, o perfume de flores incertas bailando entre as cigarras dormentes. O caminhar quieto, engolindo palavras que seriam logo esquecidas. O riso contido entre quimeras, o alarido dos bêbados encostados em balcões, o vai e vem de formigas inquietas no silêncio das calçadas. O quedar-se em pequenas poças de ilusão onde o tempo se afunda e dança sem música. O leve rumor da brisa tagarelando entre as ramagens, o estalido das folhas e pensamentos secos pisados fortuitamente, num lance de dados arremessados nas esquinas. Era uma manhã de inquietas chuvas desmanchando as certezas. Na sonolência desbotada dos gatos pisando entre vácuos. O lusco-fusco dos incubos entrelaçados nos bueiros, clamando às ratazanas um pouco de luz e sonho, quando a morte é tão somente a única certeza. As antenas eriçadas buscando sinais de vida inteligente, mendigos arrastando carcaças mal arrumadas, o pisar leve das colegiais despreocupadas com as aulas e vertendo desejos nos olhares. O passar do tempo ecoando no vagar, o zumbido dos alarmes vestindo o silêncio insano dos passantes num canto inexplicável aos verdugos amedrontados. Era uma manhã de luares finitos, esvaindo-se em sangue nos becos e favelas. O clamor dos mortos ensandecidos, o grito surdo e desesperado das mães enegrecidas vertendo dores translúcidas. As paredes revelando espinhos, o asfalto espelhando almas esquecidas, o resto de luz beirando as sombras avermelhadas dos ganidos vadios. Era uma manhã como todas as outras.


Biografia:
Brasileiro, socialista. Solteiro. Poeta nas horas vagas e nas mais impróprias. Passado dos 40, dois filhos. BLOG. www.darwinf.wordpress.com
Número de vezes que este texto foi lido: 54716


Outros títulos do mesmo autor

Poesias "Entardecer de velha cepa..." Darwin Ferraretto
Poesias LABIRINTOS DA SOLIDÃO Darwin Ferraretto
Contos FRAGMENTOS I Darwin Ferraretto
Poesias "uma flor de mandrágoras..." Darwin Ferraretto
Poesias TESTAMENTO Darwin Ferraretto
Poesias URBE Darwin Ferraretto
Poesias "Os dias metais balançam entre folhas" Darwin Ferraretto
Poesias PLANETA SEM PASSAPORTE Darwin Ferraretto
Poesias POEMA TRIGONOMÉTRICO PARA BETH BRAIT Darwin Ferraretto
Poesias "Uma dobra do tempo" Darwin Ferraretto

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 11.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Vocabulario nipo-brasileiro (UDONGE) - udonge 54959 Visitas
Amores! - 54847 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 54831 Visitas
Dores da paixão - Ivone Boechat 54826 Visitas
Desabafo - 54825 Visitas
Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 - Vander Roberto 54823 Visitas
Leite com Pimenta - Rafael da Silva Claro 54822 Visitas
🔴 Conto de fardas - Rafael da Silva Claro 54818 Visitas
A menina e o desenho - 54814 Visitas
Vivo com.. - 54812 Visitas

Páginas: Próxima Última