Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Pelo signo do ódio morrerás
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
Conheça novo título de Leandro Karnal, historiador e palestrante.

O ódio é mais que um sentimento, é a expressão última do pecado capital da ira. Para alguns é um modo de vida, uma ação cotidiana naturalizada e revestida de moral. Quando o historiador, filósofo e palestrante conceituado Leandro Karnal decide tratar do ódio em seu livro Todos contra todos – o ódio nosso de cada dia, nascido de uma entrevista a Editora Leya, temos uma nova perspectiva para entender a humanidade.
     De acordo o autor, a sociedade é mais hobbseana do que rousseauneana. Para aquele, a humanidade vivia em caos e para evitar a autodestruição, surgiu o Estado e a coerção para frear os ânimos egoístas. Já para Rousseau, considerado o “Cisne Negro” do Iluminismo, a sociedade corrompia o homem, logo, o homem era bom a priori, mas são as relações sociais que deturpam o seu ser.
     Tomando como base o Brasil, e seu ambiente de contrastes demarcados desde as últimas eleições em 2014, o autor tenta desmistificar a contradição do homem cordial brasileiro. Esse homem cordial não é um homem bom, mas sim um homem passional. É movido pelo puro sentimentalismo agressivo, isso pode produzir todo o tipo de ação, desde ações de puro amor até violência selvagem.
     Se Eric Hobsbawm chamou o século XX de a Era dos Extremos, podemos deduzir de Leandro Karnal que adentramos a Era do Extermínio. Não existe mais luta por ideais ou ideologias, o objetivo agora é colocar o seu narciso num pedestal e fazer com que todos o adorem como um deus, mesmo sendo um simulacro do humano inatingível. Há ausência de diálogo demarca o fim de qualquer evolução social ou pessoal.
     O ufanismo e o regresso ao passado são uma construção histórica para descaracterizar o presente, logo, o avanço do nosso país é sempre ao lugar anterior. O que me leva a acreditar que ou o brasileiro não está preparado para o progresso social ou estamos vivendo uma sociedade muito conservadora. Fazer do passado a “era de ouro” é o mesmo que dizer que o tempo presente é o lugar do atraso, quando é o contrário.
     Leandro Karnal também trata da inveja. O pecado envergonhado, pois ninguém admite que o tem, é um dos mais cometidos por uma sociedade que busca execrar o outo pelo seu sucesso (financeiro, amoroso, intelectual etc.). As relações se dão sempre num nível de pré-julgamento, onde o conteúdo é trocado pela forma. Há um esvaziamento da crítica, ou melhor, nos tornamos acríticos.
     Por muitos exemplos dados no livro, o modelo que nossa sociedade segue é o europeu. Tentamos a todo tempo reforçar uma identidade totalmente artificial, que mais segrega do que integra. O cruzamento do racismo e da desigualdade social permitiu que não houvesse a necessidade de guetos institucionais, eles se tornam estruturais em nossa sociedade movida a ódio.
     O trânsito mata, a escola mata, o hospital mata, a polícia mata, a política mata, todos matam! A ausência de catástrofes naturais parece diluir o ódio cotidiano. Se não morremos de furacão ou tsunami, não somos violentos, agressivos e mesquinhos. As guerras civis trazidas em conceitos assépticos de revoltas e conjurações no período imperial é um bom exemplo disso. A nossa história nacional reforça essa posição.
     A internet acabou acirrando ainda mais os ânimos de pessoas retrogradas, que aqui daremos o nome adequado de idiota. Esse ser, o idiota, vê o mundo do tamanho de suas convicções, baseadas em preconceitos e pré-conceitos. Destila ódio nas redes sociais, camuflados por telas digitais e IPs. Esse é o cidadão que apenas incita a violência entre as pessoas e nunca uma crítica da realidade.
     O autor estabelece duas formas de diminuir o ódio: a coerção (pela lei) e o consenso (pela educação e conhecimento), quando maior o consenso, menor o uso de instrumentos jurídicos legais. Menor o gasto com segurança pública e com políticas públicas. Leandro Karnal não estabelece fórmulas complexas, mas aponta a família e a escola como bases para uma mudança profunda na nossa sociedade odiosa.

Acesse aqui:
https://www.amazon.com.br/Todos-Contra-Todos-%C3%93dio-Nosso/dp/8544105327/ref=asc_df_8544105327/


Biografia:
Comecou a escrever depois de um concurso em sala de aula. Dois anos depois ele publicou seu primeiro livro.
Número de vezes que este texto foi lido: 82


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas Pelo signo do ódio morrerás Caliel Alves dos Santos
Resenhas Explorar é preciso! Viver? Nem tanto... Caliel Alves dos Santos
Resenhas Floresceram poemas no quintal Caliel Alves dos Santos
Resenhas O espírito ainda anda Caliel Alves dos Santos
Artigos A história até a História Caliel Alves dos Santos
Resenhas A paixão como eterno crime culposo Caliel Alves dos Santos
Resenhas Os sonhos não acabam Caliel Alves dos Santos
Resenhas Uma mão sempre arruma uma boa luva Caliel Alves dos Santos
Resenhas Bem-vindo ao Mundo Fantástico Caliel Alves dos Santos
Resenhas Literatura eletrizante! Caliel Alves dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 86.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 62323 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53887 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42869 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39922 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 37779 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 37543 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 36929 Visitas
Amores! - 34978 Visitas
Desabafo - 34527 Visitas
Faça alguém feliz - 32946 Visitas

Páginas: Próxima Última