Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Militares como fator de risco a democracia
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
Motivos para considerar os militares um risco para a democracia.

Numa mesma semana, três eventos políticos marcaram a sociedade brasileira entre os dias 4 a 10 de julho. Todos eles alertam para os riscos do extremismo, da corrente insatisfação popular com a ausência de políticas públicas e má representatividade política e a violência em campanhas eleitorais. O presente cenário é algo a ser analisado para que o Brasil não siga o mesmo rumo.
O primeiro evento foi o ex-premiê japonês Shinzo Abe, morto aos 67 anos em campanha eleitoral. O incidente ocorreu em 8 de julho, sexta-feira, próximo à estação de metrô Yamato-Saidaiji, cidade de Nara. O suspeito de assassinato cometeu o atentado com uma arma de fogo de fabricação caseira, disparou duas vezes, e foi detido pelos guardas do político. O suspeito flagrado pelas câmeras era um ex-oficial da Marinha nipônica.
O segundo evento, foi a invasão das residenciais oficiais do governo pelos cingaleses em 9 de julho. Sri Lanka, ilha ao sul da Índia, já estava em crise política e econômica, agravada pela pandemia de COVID-19, o que gerou desabastecimento de itens básicos. Manifestações contra o tenente-coronel e presidente Gotabaya Rajapaksa e o primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe há meses, a invasão só reforçou a rejeição e os pedidos de renúncia de ambos os políticos. Os protestos foram violentamente reprimidos pela polícia e forças militares, sem êxito.
Por fim, na noite do dia 9 de julho, às 23 horas, o bolsonarista Jorge José da Rocha Guaranhos invadiu armado a festa de aniversário de 50 anos do petista Marcelo Arruda em Foz do Iguaçu e promoveu um atentado, vitimando o membro da Guarda Municipal. O agressor foi baleado, e está internado no hospital. Jorge Guaranhos era policial penal, e grande apoiador do presidente Jair Messias Bolsonaro (PL).
Esses três fatos, embora se apresentem isolados, possuem mesmo teor: os militares como uma fonte constante de instabilidade política e risco para a democracia. Os militares se atribuem o papel de salvadores da pátria, se assenhoram do poder, destituem governos legitimamente eleitos, destroem as políticas públicas, promovem o nepotismo, o autoritarismo, incitam e praticam todo tipo de violência motivados por teorias conspiratórias, desandam com a economia, distorcem as instituições até que percam toda a sua função social etc. poderia falar por horas a fio sobre o tema.
Embora não constitua um dos poderes da República, e seja um corpo estanho aos sistemas partidários, os militares, ainda assim são uma força política dentro das democracias contemporâneas. O problema nunca é sanado. Levando em conta a história do Brasil e da América Latina, os militares foram os responsáveis pelos maiores déficits democráticos. Um verdadeiro elemento de atraso do progresso e da civilização.
Seja enquanto Forças Armadas, ou como lobos solitários, os militares são um verdadeiro câncer político para as democracias fragilizadas do terceiro mundo, do mundo subdesenvolvido, do sul global. O militarismo usa a linguagem da violência, unido ao conservadorismo piegas e teorias conspiratórias alucinadas, se tornam a ideologia mais perigosa para a sociedade. Seu instrumento político são as armas, e apenas as armas.
As repúblicas democráticas necessitam de armas que as protejam, é verdade. Mas quando aqueles que as portam são os que mais as colocam em risco, vemos o túnel para o passado ser construído com sucesso. Nunca precisamos de militares políticos, nem de política militarizada. Ou as democracias neutralizam suas forças militares, ou elas continuaram a promover risco, instabilidade e perturbações cada vez maiores a democracia.


Biografia:
Caliel Alves nasceu em Araçás/BA. Desde jovem se aventurou no mundo dos quadrinhos e mangás. Adora animes e coleciona quadrinhos nacionais de autores independentes. Começou escrevendo poemas e crônicas no Ensino Médio. Já escreveu contos, noveletas, resenhas e artigos publicados em plataformas na internet e em algumas revistas literárias. Desde 2019 vem participando de várias antologias como Leyendas mexicanas (Dark Books) e Insólito (Cavalo Café). Publicou o livro de poemas Poesias crocantes em e-book na Amazon.
Número de vezes que este texto foi lido: 53119


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas Poetize a vida Caliel Alves dos Santos
Artigos O Brasil não é hexa, mas Lula é tri! Caliel Alves dos Santos
Artigos O romper das cordas Caliel Alves dos Santos
Resenhas Mirar na lua acima das estrelas Caliel Alves dos Santos
Artigos Representação política como parâmetro da divisão do Brasil Caliel Alves dos Santos
Artigos O que é dívida histórica? Caliel Alves dos Santos
Resenhas Iraci Gama: intérprete de Alagoinhas Caliel Alves dos Santos
Ensaios Militares como fator de risco a democracia Caliel Alves dos Santos
Resenhas A cidade em palavrório Caliel Alves dos Santos
Resenhas A poética feminina Caliel Alves dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 139.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
JASMIM - evandro baptista de araujo 68770 Visitas
ANOITECIMENTOS - Edmir Carvalho 57725 Visitas
Contraportada de la novela Obscuro sueño de Jesús - udonge 56529 Visitas
Camden: O Avivamento Que Mudou O Movimento Evangélico - Eliel dos santos silva 55584 Visitas
Sobrenatural: A Vida de William Branham - Owen Jorgensen 54602 Visitas
O TEMPO QUE MOVE A ALMA - Leonardo de Souza Dutra 54527 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 54415 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 54339 Visitas
frase 935 - Anderson C. D. de Oliveira 54318 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 54241 Visitas

Páginas: Próxima Última