Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Crítica ao conceito de Feminismo no Brasil
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
Toda ação política e social das mulheres no Brasil é Feminismo?

O Feminismo é um verdadeiro saco de gatos conceitual. Dentro dele foram jogados todos os movimentos sócio-políticos das mulheres no Brasil. Um enquadramento generalizante e empobrecido da atuação do ser feminino dentro da nossa sociedade. Toda vez que mulheres ousaram desafiar o status quo e lutaram pela sua emancipação, logo lhes foi atribuído os espaços da “esquerda” e do “comunismo”. Um bloco monolítico sem diversidade ou contradições internas, algo que não se sustenta num estudo mais aprofundado.
     O movimento feminista remete a Inglaterra do século XIX. É partir daí que as mulheres da pequena-burguesia se unem pela sua inserção em novos espaços sociais e políticos. Nem todas as mulheres estavam inclusas, foram ejetadas do Feminismo as mulheres de outros grupos étnico-raciais e de outras classes sociais. Podemos estabelecer que esse movimento político e articulado das mulheres em relação a sua emancipação é de gênese liberal. A ideologia teve rápida proliferação e aglutinação em países do Ocidente capitalista.
     Essa praxe não se confunde com o comunismo. Para as feministas, a luta se restringe a emancipação do feminino, ou seja, dos espaços sociais convencionais que aprisionaram as mulheres — a mãe, a esposa, a devota religiosa etc. —; já para os comunistas, a luta se dá no nível socioeconômico, não está focado nas questões identitárias. Sendo o primeiro movimento nascido das correntes políticas do liberalismo econômico das potências europeias, e o outro da classe operária, teremos muito mais relações históricas de conflitos que de diálogos.
     Isso não significa dizer que mulheres comunistas não estivessem atentas e atuantes às questões femininas, de sua luta política e liberdade sexual (LIMA, 2008). Mesmo sem estarem vinculadas ao Feminismo ou se auto declararem, suas ações podem ser consideradas em alguns casos como feministas. O real problema é quando esses fatos são usados para homogeneizar, estereotipar e estabelecer uma unidade até então inexistente dentro do próprio movimento feminista, “o feminismo tem sido, nas últimas décadas [a partir da década de 1960], um movimento internacional, mas possui características particulares, regionais e nacionais” (SCOTT, 2011, p. 69).
     Embora não seja o nosso objetivo fazer periodizações, podemos estabelecer os anos de 20 e 30 como o primeiro momento de atuação mais objetiva do Feminismo no Brasil,

“[...] [mulheres] especialmente de camadas socialmente privilegiadas, organizadas em diferentes grupos na luta pela libertação do gênero feminino. Parte delas se reconhecia feminista, a exemplo da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF) [...]. Outra parte, apesar de se posicionarem de forma contundente contra a inferiorização das mulheres, não se assumia feminista, como a maioria — senão todas — das mulheres do PCB” (ALVES, 2019, p. 182).

     Houve períodos de maior ou menor atuação das feministas, sendo condicionado pelas rupturas democráticos que o Brasil passou. A exemplo do anarcofeminismo, só podemos lhe fazer menção a partir de maio de 68, sendo ampliado através do movimento punk; isso no que diz respeito strictu sensu ao nosso país. Em si tratando do comunofeminismo, independente das representações que o passado nos legou, só será visto em maior atuação na década de 90, quando o processo de reestruturação dos partidos de esquerda no Brasil se abriram aos movimentos sociais.
     O Feminismo é uma força política real e atuante, no Brasil e no mundo. Mas de modo algum livre de contradições e reveses. Nem de longe unitário. Não devemos elencá-lo ao espaço da massa amorfa e indivisível; nem tão pouco repetir estereotipias ipsi litteris sobre a condição social e histórica das mulheres e sua luta política. O correto seria dizer “feminismos”, muitas vezes em conflito. São vários direcionamentos que, quando interseccionalizados, mostram um movimento heterodoxo e em constante renovação. Ser feminista no Brasil pode significar muitas coisas para as mulheres, mas com certeza não é uma unidade determinada.



REFERÊNCIAS

ALVES, Iracélli da Cruz. A política em prosa: representações comunofeministas em A sombra do patriarca. In: BATISTA, Eliana Evangelista; SILVA, Paulo Santos. (Org.). Dos fios as tramas: tecendo histórias, memórias, biografia e ficção. Salvador: Quarteto, 2019. p. 171-188.
LIMA, Luciano Rodrigues. Parque Industrial, de Maria Lobo (PAGU): resistência e utopia nos subterrâneos da Era Vargas. In: SENA JUNIOR, Zacarias F. de; SILVA, Paulo Santos. (Org.). Salvador: EDUNEB, 2008. p. 273-290.
SCOTT, Jean. História das mulheres. In: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da história: novas expectativas. São Paulo: Ed. Unesp, 2011. p. 65-98.


Biografia:
Caliel Alves nasceu em Araçás/BA. Desde jovem se aventurou no mundo dos quadrinhos e mangás. Adora animes e coleciona quadrinhos nacionais de autores independentes. Começou escrevendo poemas e crônicas no Ensino Médio. Já escreveu contos, noveletas, resenhas e artigos publicados em plataformas na internet e em algumas revistas literárias. Desde 2019 vem participando de várias antologias como Leyendas mexicanas (Dark Books) e Insólito (Cavalo Café). Publicou o livro de poemas Poesias crocantes em e-book na Amazon.
Número de vezes que este texto foi lido: 100


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios D. Gray Man e o ofício do historiador Caliel Alves dos Santos
Ensaios Final Fantasy VII Remake e o Ultracapitalismo Caliel Alves dos Santos
Resenhas Sangue e fúria da caçadora das planícies Caliel Alves dos Santos
Ensaios Imperialismo e misologia em One Piece Caliel Alves dos Santos
Ensaios Crítica ao conceito de Feminismo no Brasil Caliel Alves dos Santos
Resenhas Tudo começou na Rua 13... Caliel Alves dos Santos
Resenhas Harmonia ao quadrado Caliel Alves dos Santos
Artigos O sentido da história como significado e direcionamento Caliel Alves dos Santos
Resenhas Mangá topzeira – Classe A + 5 estrelas Caliel Alves dos Santos
Resenhas Transformando os mangás Caliel Alves dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 122.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 76112 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 62053 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50302 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 50062 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49622 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49285 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 49003 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48819 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48795 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 48242 Visitas

Páginas: Próxima Última