Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
estrada de aço 20 novel livre 12anos
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
bom

Duquel ali diante ao rei, vários mercenários cometem seus crimes contra os soldados.
       - Olá Reginaldo.
       - Sou o rei, sabes muito bem que me deve respeito.
       - Para quem, um fedelho que mau saiu dos cueiros.
       - Me respeite sua insolente.
       - Você nem sabe o que isso significa.
       - Eu ordeno que deixe meu povo em paz.
       - Que povo e que paz, não se esqueça, eu te fiz, eu te criei, eu te destruo.
       - Não será tão fácil assim.
       Ela olha para os lados, vários guerreiros sendo sucumbidos pelas espadas mercenárias.
   - Mais fácil do que isso, me faça rir.
          Silas atrás do trono prepara a besta para lançar a flecha na ministra, quando sai detrás é imobilizado por magia de Esmeralda.
          - Esmeralda, você, por quê?
          A feitiçeira somente olha ao redor e num lance trás para si o garoto.
          - Isso, adorei, deixe este pestilento bem perto de ti, não tire os olhos deste salvador de araques.
          Lúcia prepara para o ataque mágico mais sente sua força esvair-se, Esmeralda lançara um forte bloqueio ante magia.
          Agora ali frente ao rei, Duquel tira a coroa do mesmo e coloca sob sua cabeça, olhando para Silas ela dá sinal á um dos seus.
          Logo um alto e forte homem com capuz traz um outro pelo braço que é colocado de joelhos frente a Silas, Duquel o abraça e o beija retirando-lhe o pequeno capuz que encobria seu rosto.
          - Afonso.   Silas grita com tanto ódio e surpresa de ver seu padastro ali, o homem retira os trapos que o cobria deixando agora sob o corpo uma veste quase da realeza.
          - Gostou da surpresa Silas, sabe quando me disse que suspeitava de seu padastro no fim de sua amada mãe, você estava um pouco enganado.
          - O que diz?
          - Fui eu quem ordenou sua morte, ele aqui até tentou mais não teve sorte, ou melhor teve e muita por que hoje é o meu amado aliado.
          - Vocês se merecem, bruxa. O garoto cospe na direção deles e sofre uma repreenda por meio de magia da feitiçeira, Lúcia se aproxima mais é detida por Esmeralda.
          Fora dali, nos arredores, o exército de espiritos guerreiros, acabam com todos os mercenários e guerreiros sombrios que encontram.
                                                                   02072019...............


          - Como é Silas, não vai pedir a benção do seu amado pai?
          - Ele não é e nem nunca será meu pai.
          - Silas.    Afonso olha para Silas que tenta impedir as lágrimas.
          - Você matou minha mãe.
          - Não, eu nunca faria mau algum a ela e a você, eu a amava, acredite.
          Duquel vai até Afonso, lhe traz para si e o beija.
          - Agora venha comigo querido. O homem acomapanha a ministra que senta ao trono, providenciando ali um assento para ele ao lado dela.
          - Sabe, não consigo expressar a alegria me detem neste momento.
          - Eu posso falar, garanto que são os monstros, ratos de bueiros profundos que vieram para te acompanhar.
          - Garoto, já me cansei de ti. Lúcia aproveita a discussão e sai dali, no corredor chega auma janela efetuando ali a magia, faz crescer a vegetação ao redor do castelo criando uma espécie de degraus com so caules levando direto a uma das janelas da sala do trono.
          - Margot já atravessara o portão do castelo, agora se abriga e um dos aposentos enquanto do lado de fora os exército de espirítos guerreiros exterminam os inimigos que encontram.
          Na sala Duquel ouve certos gritos, sai do trono e se aproxima da janela porém quando vai chegar ao parapeito decide por retornar.
          - Vai lá fora, veja o que esta ocorrendo.
          - Sim rainha.
          - Gostei Esmeralda, subiu no conceito, amei me chamar de .....
          - Rainha?
          - Sim rainha.
          Lúcia abre a porta e joga com toda força 2 vidros com liquidos verdes e vermelho.   A feitiçeira tenta impedir, porém os mesmos são parados no ar.
          - Como?   Lúcia pergunta, ali de mãos ao alto, Duquel mexe os dedos, os vidros se estilhaçam, cacos voam para os lados e o liquido é disperso no ar.
          - Você.
          - Também sou boa no trato, fiz alguns com o império sombrio.
          - Vendeu sua alma?
          - De que vale uma alma limpa se o que interessa de real é a vingança.
          - Vai me matar?
          - Esta quase acertando, mais acho que deve sofrer um pouco.
          Esmeralda vê Lúcia ser içada ao ar por magia negra, Duquel inicia certos ritos em línguas já extintas, todo lugar é tomado de forte energia, Lúcia rodopia ali e grita de dor, a porta sofre pancadas.
          - O que houve?
          Neste momento esta é aberta os espirítos guerreiros entram como que em ventania, também pela janela e Duquel é jogada com força á parede, ela sente alguns ossos de sua costela fraturarem, mesmo assim ordena a feitiçeira que lute por ela.
          - Já chega Duquel.
          - O quê, então vais se mostrar traidora?
          - Não Duquel somente quero que retome o senso de dignidade.
          - Assim que eu me levantar, te mato com minhas próprias mãos, sua falsa cretina.
                                                                              08072019...........



            Duquel ali caída profere alguns ritos, a sala é tomada por fogo que Lúcia e Esmeralda faz desaparecer, porém assim que a situação é controlada dão a falta de Duquel e Silas.
          - Ela sumiu.
          - O Silas, ela o levou. Lúcia e os outros correm, Reginaldo grita o nome do garoto e nada, mais á frente encontram com Margot.
          - Margot.
          - Oi Reginaldo.
          - Mais você....   Lúcia intervém.
          - Ela foi salva e agora esta aqui para nos ajudar.
          - Vamos.
          - Sim. Káfia, Monique e Láis encontram com eles e seguem todos juntos na procura da ex ministra e de Silas.
          - Aquela louca que nem tente fazer algo com Silas.
                                                 10072019...........




            Lúcia entra no primeiro almoxarifado do castelo, neste depósito encontra-se legumes, carnes defumadas e utensílios de cozinha.
           Ela anda pelas prateleiras, Reginaldo entra ali.
           - Alguma coisa?
           - Não.
           - Já passei por 3 salas dessas.
           - Sabe o que nos resta?
           - Sim, os calabouços. Com ajuda de Káfia e Monique eles seguem para os calabouços.
           - Não podemos nos separar.
           - Sim, aqui é muito fácil de se perder.
           Ao passar pelo segundo corredor que cruza o central, Lúcia sente um forte poder.
           - Ela esta por perto.
           - Quanto?
           - Não sei, mais sinto uma forte energia. Nisso um forte barulho surge destes corredores, logo um forte vento toma conta do lugar.
           Longe dali, o exército de anões sob ordens de Margot esta a cavar um profundo fosso.
           Duquel ali frente a Esmeralda que se vê presa por correntes mágicas.
           - O que pensa fazer Duquel?
           - Oras, vai repassar isso também.
           - Duquel, desista, você já conseguiu o que queria.
           - Não, você não entende, na verdade não sabe de nada, ah sim, sabe ser falsa e ficar a mudar de lado.
           - Você esta ficando louca.
           - Eu, eu sempre fui, nunca omiti isso, louca pelo poder.
           - Poder que não lhe pertence.
           - Já chega. Duquel levanta as mãos e faz Esmeralda sentir uma forte dor, ela inicia uma série de tosses que finaliza em uma pequena poça de sangue.
           Esmeralda caída, sente fortes dores por todo o corpo, Lúcia se aproxima do local junto dos outros, porém sente uma forte corrente de energia passar por eles.
           - O que foi Lúcia?
           - Os guerreiros.
           - Que guerreiros?
           - Uma horla de assassinos foram julgados de forma cruel.
           - Mais......
           - Se calem, vamos todos deitar no chão.
           - Por que?
           - Só faça.   Todos fazem o que ela diz, logo ouvem gritos e estouros, eles levantam-se ao sinal de Lúcia e seguem para frente, logo veem corpos e sangue espalhados e salpicados.
           - O que foi isso?
           - A justiça sendo feita de forma limpa.
           - Assim desse jeito?
           - Sim.
           Duquel segura Silas pelo braço, o garoto esta um tanto tonto sob efeito de magia, Afonso esta em transe numa cadeira.
           - Por que Esme, por que decidiu seguir os errados?
           - Por que é o certo Duquel, você se tornou incontrolável, tornou-se uma pessoa amarga e muito cruel.
           - Eu sempre fui assim.
           - Não, você mente para si mesma e para os outros, você criou um castigo inexistente.
           - Eu fui abandonada.
           - Eu nunca te .........
           - Cale-se.
           Duquel faz Esmeralda flutuar sob magia forte, no corredor a rainha dos magos surge frente Lúcia.
           - Rainha.
           - Não há tempo, vamos.
           - Para onde?
           - Vencer Duquel.
           - Mais ela se aliou aos..........
           - Espiritos malignos.
           - Rainha.
           - Vamos.   Eles seguem para o ambiente onde Duquel esta na sala, ela sente a presença vinda e faz a feitiçeira cair, em ritos fortes ela cria uma força de maldade que provoca uma névoa tóxica ali.
                                                                14072019.............


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 211


Outros títulos do mesmo autor

Romance estrada de aço 20 novel livre 12anos paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 19 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 18 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 17 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 16 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 15 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 14 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 13 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Poesias EDIVIRGENS E SUAS ATITUDES paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 12 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 166.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 48520 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39006 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 32964 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 32022 Visitas
Amores! - 31983 Visitas
Desabafo - 31600 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31390 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30767 Visitas
Faça alguém feliz - 30733 Visitas
Vivo com.. - 30379 Visitas

Páginas: Próxima Última