Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Uma Lei Imutável
Charles Haddon Spurgeon

Título original: An unalterable law

Por Charles Haddon Spurgeon (1834-1892)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra


"Sem derramamento de sangue não há remissão." (Hebreus 9:22)

Em toda parte, sob a antiga dispensação figurativa, certamente o sangue estaria sempre diante dos seus olhos. Ele era a coisa mais proeminente debaixo da economia judaica, e raramente uma cerimônia foi observada sem ele. Você não poderia entrar em nenhuma parte do tabernáculo, sem que visse vestígios do sangue aspergido. Às vezes havia tigelas de sangue lançadas aos pés do altar. O lugar parecia um caos, que para visitá-lo deve ter sido longe de ser atraente para o gosto natural e para deleitar-se; de modo que para fazê-lo havia necessidade de ter entendimento espiritual e uma fé viva.
A matança de animais era o modo de adoração; a efusão de sangue era o rito designado, e a difusão desse sangue no chão, nas cortinas e nas vestes dos sacerdotes era o memorial constante. Quando Paulo diz, que quase todas as coisas que estavam sob a lei eram purificadas com sangue, ele alude a algumas coisas que estavam isentas. Assim, você encontrará em várias passagens, que o povo foi exortado a lavar suas roupas, e certas pessoas que ficaram impuras por causas físicas foram convidadas a lavar suas roupas com água. As roupas usadas pelos homens eram geralmente limpas com água.
Depois da derrota dos midianitas, da qual lemos no livro de Números, o despojo que tinha sido poluído teve que ser purificado, antes que fosse reivindicado pelos israelitas vitoriosos. De acordo com a ordenança da lei, que o Senhor ordenou a Moisés, alguns dos bens, tais como roupas e artigos feitos de peles ou pelos de cabra foram purificados com água, enquanto outras coisas que eram de metal e poderiam suportar o fogo, assim foram purificadas nele.
Ainda assim, o apóstolo se refere a um fato literal, quando diz que quase todas as coisas, com raras exceções foram purificadas sob a lei, com sangue. Então, se refere a ele como uma verdade geral, sob a antiga dispensação legal, que nunca houve perdão do pecado, exceto pelo sangue. Em somente um caso havia uma exceção aparente, e até mesmo isso vai provar a universalidade da regra, porque a razão para a exceção é plenamente dada. A oferta da culpa, referida como uma alternativa, em Levítico 5:11, poderia, em casos extremos de pobreza excessiva, ser uma oferta sem sangue. Se um homem era pobre demais para trazer uma oferta do rebanho, ele deveria trazer duas pombas ou rolas, mas se era pobre demais para isso, poderia oferecer a décima parte de uma efa de flor de farinha como oferta pelo pecado, sem azeite ou incenso, e seria lançada sobre o fogo. Essa é a única exceção solitária, através de todos os tipos. Em cada lugar, em cada momento, em todos os casos em que o pecado tinha que ser removido, o sangue deveria fluir, e a vida deveria ser dada.
A única exceção que temos notado dá ênfase ao estatuto que, "sem derramamento de sangue, não há remissão." Sob o evangelho não há exceção, não tão isolada como havia sob a lei; não, nem mesmo para os extremamente pobres, pois espiritualmente todos nós o somos. Uma vez que não temos, nenhum de nós, uma oferta para trazer senão a que já foi apresentada, e aceitar o sacrifício que Cristo fez de si mesmo em nosso lugar; agora não há causa ou motivo para a exoneração a qualquer homem ou mulher nascido, nem nunca haverá, nem neste mundo nem no que há de vir, "Sem derramamento de sangue, não há remissão". Com grande simplicidade, como se refere à nossa salvação posso pedir a atenção de cada um aqui presente a esta grande questão, que intimamente se refere aos nossos interesses eternos?
Recordo do texto, em primeiro lugar, o fato encorajador de que:

I. HÁ UMA COISA CHAMADA REMISSÃO, isto é, a remissão de pecados. "Sem derramamento de sangue não há remissão."
O sangue foi derramado e há, portanto esperança em relação a tal coisa. A remissão, não obstante as severas exigências da lei, não deve ser abandonada por puro desespero. A palavra “remissão” significa a “eliminação de dívidas”. Assim como o pecado pode ser considerado como uma dívida contraída a Deus, de modo que a dívida pode ser apagada, cancelada e obliterada. O pecador, devedor de Deus pode deixar de estar em dívida por indenização, por absolvição total, e ser libertado em virtude de tal remissão. Tal coisa é possível. Glória a Deus! A remissão de todo o pecado do qual é possível se arrepender, é possível de ser obtida. Seja qual for a transgressão de qualquer homem, o perdão é possível, se o arrependimento for possível para ele. O pecado não arrependido é um pecado imperdoável. Se ele confessar seu pecado e abandoná-lo, então achará misericórdia.
Deus assim o declarou, e não será infiel à Sua palavra. "Mas não há", diz alguém, "um pecado que é para a morte?"
Em verdade, sim, embora eu não saiba qual seja; nem pensamos que qualquer um que tenha indagado sobre o assunto tenha sido capaz de descobrir que pecado é esse. Isso parece claro; que praticamente o pecado é imperdoável, porque nunca há arrependimento. O homem que o comete torna-se, para todos os efeitos, morto no pecado em um sentido mais profundo e duradouro, ele é abandonado caso fique endurecido, sua consciência cauterizada, como se o fosse com um ferro quente, e doravante ele não buscará misericórdia.
Mas, todo pecado e blasfêmia será perdoado aos homens que se arrependerem; para a luxúria, para o roubo, o adultério, ou para o assassinato há perdão em Deus, para que possa ser temido. Ele é o Senhor Deus, misericordioso e gracioso, passando por alto pela transgressão, iniquidade e pecado.
Este perdão que é possível; segundo as Escrituras é completo, isto é, quando Deus perdoa a um homem o seu pecado, Ele o faz de imediato, pois apagou a dívida sem qualquer cálculo de volta. Ele não culpa uma parte do pecado do homem, e não o responsabiliza pelo resto, mas no momento em que um pecado é perdoado, a sua iniquidade é como se nunca tivesse sido cometida; ele é abraçado e recebido na casa do Pai com o amor, como se nunca tivesse errado. Ele é feito para estar diante de Deus como aceito, e na mesma condição como se nunca tivesse transgredido. Bendito seja Deus!
Crente, não há pecado no Livro de Deus contra ti. Se creste, tu estás perdoado não parcialmente, mas completamente. A letra que estava contra ti foi apagada, pregada na cruz de Cristo, e nunca mais será contra ti. O perdão está completo.
Além disso, este é um perdão presente. É uma imaginação de alguns (muito depreciativa para o evangelho) que você não pode obter perdão até que venha a morrer, e, talvez, então, de alguma maneira misteriosa nos últimos minutos, você pode ser absolvido, mas vos pregamos em nome de Jesus, o perdão imediato e presente de todas as transgressões; um perdão dado num instante, no momento em que um pecador crê em Jesus, e não como se uma doença que fosse curada gradualmente e precisasse de meses e longos anos de progresso.
É verdade que a corrupção de nossa natureza é tal doença, e o pecado que habita em nós deve ser mortificado diariamente, de hora em hora. Mas quanto à culpa de nossas transgressões diante de Deus, a dívida contraída à Sua justiça e remissão, não é uma coisa de progresso e grau. O perdão de um pecador é concedido imediatamente, e será dado a qualquer um de vocês esta noite que O aceite; sim, e lhes será dado de tal maneira que nunca o perderão. Uma vez perdoado, será perdoado para sempre, e nenhuma das consequências do pecado será visitada sobre você, pois será absolvido sem reservas e eternamente, de modo que quando os céus estiverem em um incêndio, e o grande trono branco for montado, você pode estar ousadamente diante do tribunal e não temer acusação, pois o perdão que o próprio Deus garante, jamais poderá ser revogado.
Vou acrescentar a esta, uma outra observação. O homem que recebe este perdão pode saber que o possui. Se ele simplesmente pudesse esperar que o viria a ter um dia, a sua esperança poderia muitas vezes, lutar com o medo. Se ele pudesse simplesmente confiar que poderia entrar na posse desse perdão, isto poderia acalmá-lo, mas saber que o tem presentemente em sua vida é um firme fundamento de paz para o coração.
Glória a Deus, os privilégios da aliança da graça não são apenas coisas de esperança e conjecturas, mas questões de fé, convicção e segurança. Que não seja contado como presunção, que um homem acredite na Palavra de Deus.     
A própria Palavra de Deus é que diz, "Todo aquele que crê em Jesus Cristo não é condenado". Se eu acredito em Jesus Cristo, então não sou condenado. Que direito tenho de pensar que sou? Se Deus diz que eu não sou, seria presunção de minha parte pensar que estou condenado.
Não pode ser presunção tomar a Palavra de Deus como Ele a dá a mim. "Oh!" Disse alguém, "como eu devo ser feliz se este puder ser meu caso." Bem falaste, porque bem-aventurado é aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado está coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa a iniquidade. "Mas", diz outro, "eu dificilmente pensaria que uma coisa tão grande poderia ser possível a uma pessoa como eu". Tu raciocinas segundo a maneira dos filhos dos homens. Saiba então, que tão altos como os céus estão acima da terra, tão altos estão os caminhos de Deus acima de seus caminhos, e Seus pensamentos acima de seus pensamentos.
É seu o errar; é de Deus o perdoar. Você erra como um homem, mas Deus não perdoa como um homem, mas perdoa como Deus, de modo que explodimos com admiração, e cantamos; "Quem é Deus semelhante a ti, que passa pela transgressão, iniquidade e pecado?" Quando você faz alguma coisa, é um trabalho adequado às suas habilidades, mas nosso Deus fez os céus.
Quando você perdoa, é algum perdão adequado à sua natureza e circunstâncias, mas quando Deus perdoa, Ele exibe as riquezas de Sua graça em uma escala maior do que sua mente finita possa compreender.
Dez mil pecados da tintura mais negra, pecados de um tom infernal, que Ele em um momento perdoará, pois se deleita na misericórdia e o julgamento é o Seu estranho trabalho. "Como eu vivo, diz o Senhor, não tenho prazer na morte daquele que morre, mas prefiro que ele se volte para mim e viva". Esta é uma nota alegre que meu texto me fornece. Não há remissão, exceto com sangue, mas há remissão, porque o sangue foi derramado.
Chegando mais de perto do texto, temos agora de insistir em sua grande lição, que:
II. Embora haja perdão do pecado, nunca é sem sangue.
Essa é uma frase abrangente, pois há alguns neste mundo que estão confiando o perdão do pecado, ao seu arrependimento. É sem dúvida, seu dever de arrepender-se de seu pecado. Se você desobedeceu a Deus, deve se arrepender por isso. Parar de pecar é apenas o dever da criatura, senão o pecado não é a violação da santa lei de Deus. Mas saiba que todo o arrependimento no mundo não pode apagar o menor pecado.
Se você tivesse apenas um pensamento pecaminoso cruzando sua mente, e se entristecesse por isso todos os dias de sua vida, contudo a mancha desse pecado não poderia ser removida, nem pela angústia que lhe custou. Onde o arrependimento é obra do Espírito de Deus, é um dom muito precioso e um sinal de graça, mas não há poder expiatório no arrependimento. Num mar cheio de lágrimas penitenciais, não há o poder ou a virtude de lavar uma partícula desta horrenda imundícia. Sem o derramamento de sangue, não há remissão, mas outros supõem que de qualquer forma, a reforma ativa crescendo a partir do arrependimento pode realizar a tarefa. E se a embriaguez for abandonada, e a temperança se tornar a regra?
E se a licenciosidade for abandonada e a castidade adornar o caráter?
E se a negociação desonesta for abandonada, e a integridade for escrupulosamente mantida em cada ação?
Está bem, eu digo; e gostaria que tais reformas tivessem ocorrido em todos os lugares, ainda por tudo isso, as dívidas já incorridas não são pagas pelo nosso não ficar ainda mais em dívida, pois delinquências do passado não são compensadas pelo bom comportamento futuro, portanto o pecado não é remido pela reforma. Embora você de repente, se torne imaculado como anjos (não que tal coisa seja possível, pois o etíope não pode mudar sua pele, nem o leopardo suas manchas), suas reformas não poderiam fazer expiação a Deus pelos pecados que já praticou contra Ele. Então, "O que devo fazer?" diz o homem.
" Há aqueles que pensam que agora as suas orações e seus momentos de alma podem talvez, fazer algo para eles. Mas oh, querido leitor, não há eficácia na oração para apagar o pecado!
Vou colocá-lo fortemente. Todas as orações de todos os santos na terra e, se os santos no céu pudessem se juntar, todas as suas orações não poderiam apagar por sua própria eficácia natural, o pecado de uma única palavra má. Não, não há poder de dissuasão na oração. Deus nunca o definiu como um purificador. Tem seus usos, e seus usos valiosos. É um dos privilégios do homem que ora aceitavelmente, mas a oração em si não pode apagar o pecado sem o sangue. "Sem o derramamento de sangue não há remissão", orem como quiserem.
Há pessoas que pensam que a abnegação e as mortificações de um tipo extraordinário podem livrá-los de sua culpa. Muitas vezes não encontramos essas pessoas em nosso círculo, mas existem aqueles que para purgar-se do pecado, flagelam seus corpos, observam jejuns prolongados, e até mesmo alguns foram tão longe a ponto de imaginar que se abster de abluções, e permitir que seu corpo fosse imundo, era o modo mais fácil de purificar sua alma. Uma ação estranha certamente!
No entanto, hoje, no hinduísmo, você encontrará o faquir passando seu corpo através de sofrimentos maravilhosos, na esperança de se livrar do pecado. Com que finalidade é tudo isso?
Eu penso que ouço o Senhor dizer; "Que é isto para mim, que inclinaste a tua cabeça como um junco, e te envolveste em sacos, e comes a cinza com o teu pão, e misturaste o absinto com a tua bebida?
As coisas não podem repará-lo, pois feriu a minha honra com o teu pecado, mas onde está a justiça que reflete a honra do meu nome?
O velho clamor nos dias antigos era: "Como iremos nós diante de Deus?" E eles disseram: "Devemos nós dar o nosso primogênito para a nossa transgressão, o fruto de nosso corpo pelo pecado de nossa alma?"
Infelizmente! Tudo foi em vão. Aqui está a frase. Aqui para sempre deve estar, "Sem derramamento de sangue não há remissão".
É a vida que Deus exige como a penalidade devida pelo pecado, e nada mais que a vida indicada no derramamento de sangue O satisfará.
Observe novamente, como este texto arrebatador afasta toda a confiança na cerimônia, até mesmo as cerimônias da própria ordenança de Deus. Há alguns que supõem que o pecado pode ser lavado no batismo.
Ah, Fantasia fútil! A expressão em que ela é usada na Escritura não implica nada do tipo, ela não tem um significado como alguns lhe atribuem, pois esse mesmo apóstolo, que a disse, se gloriava de não ter batizado muitas pessoas para não suporem que havia alguma eficácia em sua administração do rito.
O batismo é uma admirável ordenança, na qual o crente mantém comunhão com Cristo em Sua morte. É um símbolo, não é nada mais. Dezenas de milhares e milhões foram batizados e morreram em seus pecados. Ou que lucro há no sacrifício incruento da Missa?
Qualquer um diz que é "um sacrifício não sangrento", mas ao mesmo tempo ao oferecê-lo para uma propiciação pelo pecado, lançamos este texto diante de seus olhos; "Sem derramamento de sangue não há remissão". Eles respondem, que o sangue está lá no corpo de Cristo?
Respondemos que mesmo assim, isso não atende ao caso, pois sem o derramamento de sangue não há remissão de pecado.
E aqui devo passar para fazer uma distinção que vai mais fundo ainda. O próprio Jesus Cristo não pode nos salvar, a não ser pelo Seu sangue. É uma suposição que só a loucura fez, mas devemos refutar até mesmo a hipótese da loucura, quando se afirma que o exemplo de Cristo pode afastar o pecado humano, que a vida santa de Jesus Cristo colocou a raça em tão boa condição com Deus, que agora pode perdoar suas falhas e transgressões. Não tanto; nem a santidade de Jesus, nem a vida de Jesus, nem a morte de Jesus, mas o sangue de Jesus somente; "Sem derramamento de sangue não há remissão".
Encontrei-me com alguns que pensam tanto na segunda vinda de Cristo, que parecem ter fixado toda a sua fé em Cristo na Sua glória. Embora Cristo no trono seja sempre amado e adorável, ainda temos que ver Cristo na cruz ou nunca poderemos ser salvos. Tua fé não deve ser colocada meramente em Cristo glorificado, mas em Cristo crucificado. "Deus me livre de gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo". "Nós pregamos a Cristo crucificado, aos judeus um tropeço, e aos gregos uma loucura".
Eu me lembro de uma pessoa que estava unida a esta igreja (a querida irmã pode estar presente agora), que havia sido por alguns anos uma professante cristã, e nunca tinha desfrutado de paz com Deus, nem produziu nenhum dos frutos do Espírito. Ela disse: "Eu estive em uma igreja onde me ensinaram a descansar sobre Cristo glorificado, e eu fixei minha confiança sobre Ele, e não tinha nenhuma sensação de pecado, nenhum sentimento de perdão. De Cristo crucificado, eu não sabia, e até que o vi como derramando Seu sangue e fazendo uma propiciação, eu nunca entrei em descanso."
Sim, nós o diremos novamente, pois o texto é de vital importância: "Sem derramamento de sangue, não há remissão", nem mesmo com o próprio Cristo. É o sacrifício que Ele ofereceu para nós, que é o meio de afastar nosso pecado; isso, e nada mais. Passemos um pouco mais adiante com a mesma verdade:
III. ESTA REMISSÃO DO PECADO PODE SER ENCONTRADA AO PÉ DA CRUZ.
Há remissão por Jesus Cristo, cujo sangue foi derramado. O hino que cantamos no começo do culto te deu a medula da doutrina. Devemos a Deus uma dívida de punição pelo pecado. Essa dívida era devida ou não?
Se a lei estava certa, a pena deveria ser exigida. Se a pena era muito severa, e a lei imprecisa, então Deus cometeu um erro, mas é blasfêmia supor isso. A lei então, sendo uma lei justa e a penalidade justa, Deus fará uma coisa injusta? Será uma coisa injusta se Ele não realizar a penalidade. Você gostaria que Ele fosse injusto? Ele havia declarado que a alma que pecasse deveria morrer; você teria Deus para ser um mentiroso?
Ele comerá Suas palavras para salvar Suas criaturas? "Seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso".
A sentença da lei deve ser cumprida. Era inevitável que, se Deus mantivesse a prerrogativa de Sua santidade, deveria punir os pecados que os homens têm cometido. Como, então, Ele deve nos salvar?
Veja o plano! Seu amado Filho, o Senhor da glória toma sobre si a natureza humana, entra no lugar de tantos quantos o Pai lhe deu, permanece em pé, e quando a sentença de justiça foi proclamada, e a espada de vingança saltou de Sua bainha, eis que o glorioso Substituto descobre Seu braço, e diz: "Golpeie espada, mas golpeie-me e deixe meu povo ir."
A espada da lei foi aplicada na própria alma de Jesus, e Seu sangue foi derramado; o sangue, não dAquele que era apenas homem, mas que por ser um Espírito eterno pôde oferecer-se sem mancha a Deus, de uma maneira que deu infinita eficácia aos Seus sofrimentos. Ele, por meio do Espírito eterno, nos é dito, ofereceu-se sem mancha a Deus.
Sendo em Sua própria natureza infinitamente além da natureza do homem, compreendendo todas as naturezas do homem, por assim dizer, dentro de si mesmo, em razão da majestade de Sua pessoa pôde oferecer uma expiação a Deus de infinita, ilimitada, e inconcebível suficiência.
O que nosso Senhor sofreu, nenhum de nós pode dizer. Estou certo disso; não desprezaria nem subestimaria Seus sofrimentos físicos - as torturas que suportou em Seu corpo, mas estou igualmente certo de que nenhum de nós pode exagerar os sofrimentos de tal alma como a Sua; eles estão além de qualquer concepção. Tão puro e tão perfeito, tão sensível e tão imaculadamente santo era Ele, que ser contado com transgressores, ser ferido por Seu Pai, morrer a morte dos incircuncisos pela mão de estranhos era a própria essência da amargura, a consumação da angústia. "Todavia agradou ao Pai feri-lo, ele o atormentou".
Seus sofrimentos em si mesmos eram o que a liturgia grega os chama bem, "sofrimentos desconhecidos, grandes sofrimentos". Daí, também, sua eficácia é ilimitada, sem limite. Agora, Deus é capaz de perdoar o pecado. Ele puniu o pecado em Cristo, logo torna-se justiça, bem como misericórdia, que Deus anule as dívidas que foram pagas. Era injusto - falo com reverência, mas ainda com santa ousadia - seria injusto por parte da infinita Majestade, pôr a meu cargo um único pecado que foi posto à carga do meu Substituto. Se meu Fiador tomou meu pecado; Ele me libertou, e sou livre.
Quem ressuscitará julgamento contra mim quando eu for condenado na pessoa de meu Salvador? Quem me comprometerá com as chamas da Geena, quando Cristo, meu Substituto, tiver sofrido o mesmo que o inferno por mim?
Quem colocará qualquer coisa a meu cargo quando Cristo tiver posto todos os meus crimes à Sua guarda, respondido por eles, expiá-los, e receber o sinal de quitação deles, em que Ele ressuscitou dentre os mortos para que pudesse vindicar abertamente a justificação, na qual pela graça sou chamado e tenho o privilégio de compartilhar?
Isso tudo é muito simples, e reside em poucas palavras, mas todos nós recebemos; todos nós aceitamos isso?
Oh! Meus queridos leitores, o texto está cheio de advertência para alguns de vocês. Você pode ter uma disposição amável, um caráter excelente, uma vida séria, mas se tem escrúpulos em aceitar Cristo; tropeça nesta pedra de tropeço; e é esmagado nesta rocha. Como posso encontrar seu caso infeliz? Não discutirei com você. Eu me abstenho de entrar em qualquer argumento. Eu lhe faço uma pergunta. Você acredita que esta Bíblia é inspirada por Deus?
Veja então, naquela passagem: "Sem derramamento de sangue não há remissão".
O que você diz? Não é claro, absoluto, conclusivo? Permita-me tirar a inferência. Se você não tem interesse no derramamento de sangue, que brevemente me esforcei para descrever, há alguma remissão para você? Pode haver? Seus próprios pecados estão em sua cabeça agora. Da sua mão serão requeridos na vinda do grande juiz. Você pode trabalhar, pode ser sincero em suas convicções, e ter calma em sua consciência; ou pode ser movido com seus escrúpulos, mas como o Senhor vive, não há perdão para você, senão por meio deste derramamento de sangue.
Você o rejeita? Deus falou; em sua própria cabeça ficará o perigo! Não pode ser dito que sua ruína é projetada por Ele quando seu próprio remédio é revelado por ele.
Ele pede que você tome o caminho que foi designado, e se rejeitá-lo, você deve morrer. Sua morte é suicídio, seja ele deliberado, acidental ou por erro de julgamento. Seu sangue esteja em sua própria cabeça. Você está avisado.
Por outro lado, que consolo de longo alcance o texto nos dá! "Sem derramamento de sangue não há remissão", mas onde há o derramamento de sangue, há remissão. Se vieres a Cristo, serás salvo. Se tu podes dizer do teu coração:
"Minha fé colocou sua mão
Naquela tua querida cabeça,
Enquanto eu, como um penitente,
Confesso aqui o meu pecado. "
Então, seu pecado se foi. Onde está aquele jovem? Onde está aquela jovem? Onde estão os corações ansiosos que têm dito, "Nós seríamos perdoados agora"?
Oh! Olhe, olhe, olhe, olhe para o Salvador crucificado, e você é perdoado. Vocês poderão seguir seu caminho, desde que aceitem a expiação de Deus. Filha, seja de bom ânimo, seus pecados, que são muitos, são perdoados. Filho, regozija-te, porque as tuas transgressões são apagadas.
Minha última palavra será esta. Vocês que são mestres dos outros, tentando fazer o bem, se apeguem a esta doutrina. Que esta seja a frente, o centro, e a medula de tudo o que você tem que testemunhar.
Frequentemente prego isso, mas nunca existe um culto no qual eu vá para a cama com um conteúdo tão interior, como quando preguei o sacrifício substituto de Cristo. Então eu sinto, "Se os pecadores estão perdidos, eu não tenho nada de seu sangue sobre mim." Esta é a doutrina da salvação da alma; agarre-a e terá alcançado a vida eterna; rejeite-a, e você rejeitará para a sua confusão. Oh! Guarde isto. Martinho Lutero costumava dizer que todo sermão deveria ter a doutrina da justificação e da expiação pela fé nEle. Verdade, ele diz que não conseguiu fixar a doutrina da justificação pela fé, nas cabeças dos Wurtembergers, e sentiu-se meio inclinado a levar o livro para o púlpito e atirá-lo à cabeça deles, a fim de obtê-la. Não teria conseguido se ele o fizesse. Mas como eu tentaria martelar novamente, e novamente, e novamente sobre este único prego, "O sangue é a sua vida". "Quando eu vir o sangue, eu passarei sobre você."
Cristo, dando a Sua vida por derramar o Seu sangue - é isso que dá perdão e paz a cada um de vocês, pois se olhar para Ele - perdão agora, perdão completo, perdão para sempre. Olhe para longe de todas as outras confidências e confie nos sofrimentos e morte do Deus Encarnado, que entrou nos céus e vive hoje para pleitear diante do trono de Seu Pai, o mérito do sangue que derramou no Calvário para os pecadores. Como eu vou encontrar todos naquele grande dia, quando o crucificado vier como o Rei e Senhor de todos, o dia que se apressa para breve, então peço-lhes que testemunhem que me esforcei para dizer com toda a simplicidade qual é o caminho da salvação; e se você a rejeitar, faça-me este favor, para dizer que pelo menos eu lhe ofereci em nome de Jeová, o Seu evangelho, e tenho insistido firmemente para aceitá-lo, a fim de que você possa ser salvo. Mas, gostaria que eu pudesse encontrá-los lá, todos cobertos na única expiação, vestidos com a única justiça e aceitos no único Salvador, e então juntos cantaríamos;
"Digno é o Cordeiro que foi morto e nos redimiu para Deus pelo seu sangue para receber honra, poder e domínio pelos séculos dos séculos." Amém.


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 408


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Toda Plenitude em Cristo – Parte 2 Charles Haddon Spurgeon
Artigos Toda Plenitude em Cristo – Parte 1 Charles Haddon Spurgeon
Artigos A Glória da Graça Charles Haddon Spurgeon
Artigos Boas Notícias para Você Charles Haddon Spurgeon
Artigos Alegres Transformações Charles Haddon Spurgeon
Poesias Uma Lei Imutável Charles Haddon Spurgeon
Artigos Ebenézer! Charles Haddon Spurgeon
Artigos Renovando a Força Charles Haddon Spurgeon
Artigos Eu te escolhi na fornalha da aflição.” (Isaías 48.10) Charles Haddon Spurgeon
Artigos Toda a Verdade e Nenhuma Mentira Charles Haddon Spurgeon

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 228.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184618 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 159350 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 158206 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 129870 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 105948 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 73856 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69114 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 62929 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 59267 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54912 Visitas

Páginas: Próxima Última