Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Sexta-feira
Andrea de Barros

Da chuva que passou ficou o tempo.
Seco, só e nu, nenhum lamento.
No asfalto a borracha canta os freios.
Cheiro de queimado, solo, negro.
Dentro, a poesia ficou muda,
Tonta de cinzentos ares mofos.
Vozes que se calam, fogem gritos
Dia de silêncio, tédio em luto.

E se fossem vivas só palavras?
Doces, melodias em sussurros.
Toques, fossem sempre, gentilmente
Quentes, 32 graus, pele nua.

Lá ia eu dizer já que te amo.
Ia em ti amar de mil maneiras.
Pena que o que eu sei já não me engana.
Morre na poeira ao fim do dia.


Biografia:
Nasci em 1970, sou mestranda em Literatura e redatora publicitária em horário comercial. O Texto tem sido o fio condutor da minha vida, desde que me lembro estar consciente dela. Escrevo para viver, para pagar as contas, para transcender a vida mal escrita que torna e retorna, sempre, ao Texto.
Número de vezes que este texto foi lido: 53220


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Sexta-feira Andrea de Barros
Poesias Matéria Andrea de Barros
Poesias Presença nº 5 Andrea de Barros


Publicações de número 1 até 3 de um total de 3.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Coação física e coação psicológica - Isadora Welzel 223 Visitas
Temor à técnica - Flora Fernweh 223 Visitas
🔵 Telespectador na linha - Rafael da Silva Claro 223 Visitas
Boa-fé objetiva - Isadora Welzel 222 Visitas
A LAGARTINHA E A ALIMENTAÇÃO - Andrea Gonçalves dos Santos 221 Visitas
A escuridão é poderosissima - Henrique Pompilio de Araujo 221 Visitas
🔵 Vozes do além - Rafael da Silva Claro 220 Visitas
A democracia de museu — Parece, mas não é 🔴 - Rafael da Silva Claro 219 Visitas
🔴 Euforia e exaustão - Rafael da Silva Claro 219 Visitas
Ressignificação Mental - Caroline Loureiro Prado 219 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última