Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Mulher de Amor
José Ernesto Kappel

Rastejo o forte porque
sobrevivo de seus anfortes,
rastejo o poderoso,
pois dele ilumina meu
pandemônio.

Vida desregrada,
vida pendulada,
vida encurralada
Ah! vida toda amarrada!

Moro no centro,
no âmago de tudo,
onde passa o trem,
onde codornam as aves.

Moro bem no meio,
entre o céu e o inferno.
É uma barulheira zoada
pois o rebuliço é empacado
bem junto, bem perto.

Sou de junho,
nasci em Malpasso.
Sou de passar,
de andar,
sou forjado em puro aço.

Mas,às vezes dói:
não ter com quem falar
vira daqui, vira prá lá
é tudo o mesmo:
o mesmo gradeado!

Sou pandemônio vivo,
por isso me trancaram dentro
de mim;
prá prevenir mais fugas
interiores;
senão me colocam numa carroça
que não tem fim.

Também, quem mandou nascer
desse jeito maldoso, cheio de cor?
Quem mandou perder,
no primeiro sol da manhã,
a última mulher de amor?

Número de vezes que este texto foi lido: 53894


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Amor de Feituras José Ernesto Kappel
Poesias O Vento e a Água José Ernesto Kappel
Poesias Do Outro Lado José Ernesto Kappel
Poesias Montanha José Ernesto Kappel

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 461 até 464 de um total de 464.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
ficou vendo as oportunidades irem embora - Riz de Ferelas 13 Visitas
quando a luz das estrelas durante a noite não me alcança - Riz de Ferelas 12 Visitas
navegando nessas águas sombrias - Riz de Ferelas 12 Visitas
fantasmas das avenidas dos corações partidos - Riz de Ferelas 12 Visitas
oceano de lágrimas - Riz de Ferelas 12 Visitas
🔴Madonna de areia - Rafael da Silva Claro 8 Visitas

Páginas: Primeira Anterior