Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Transcendência
Flora Fernweh

Nunca entendi de onde veio a inspiração literária que me acomete. Volto às mais tenras reminiscências de vida, em busca de uma pista sobre o fascínio da escrita e sempre concluo que me é inerente escrever um sem-fim de pensamentos e poesias. Já nasci com as manias de quem se debateu para não se entregar ao mundo. Mas a vida me quis e me sufocou até que eu pudesse sentir a maravilha da primeira palavra aprendida. Há um enrosco imemorial na vida que nasce, mas que não subsiste em lembrança alguma. Deve existir um motivo para não nos lembrarmos da gênese de nossa presença, o mesmo para a morte, que cessa a existência e com ela, todas as memórias. Lembrar é o cerne da vida e somente dela, porque a memória é a fonte inesgotável de criação e arte que tem a vida como matéria-prima e suprassumo. O dom da escrita é o exercício de um descontentamento, de uma insuficiência diante do óbvio e do habitual, uma teimosia autêntica que se manifesta das formas mais belas. Escrevo para que eu possa alcançar dimensões maiores das que suponho ter. Escrevo em busca de uma elevação espiritual pela palavra e pela potência literária que arde em meu interior. Somente quando escrevo, vivo. Porque escrever me retira de uma apatia e me permite dar vazão aos pensamentos que tanto querem uma expressão. Posso sentir Deus falando por minhas palavras, é desta forma que me conecto com o divino, porque escrever é o que há de mais sagrado em mim. Se queres me conhecer, leia-me, há muitos mais indícios sobre a minha essência aqui do que eu poderia lhe mostrar em toda uma vida. Sou de meta-escritas de uma metafísica própria, de razão existencial e de sensbilidade sublime. É pela via da escrita que enobreço o que há de mais altivo, e a tenho como um dom a ser constantemente lapidado. Minha religião é literária, todos os anjos são personagens e o simbolismo predomina. Só tenho fanatismos pela minha poesia, da qual indiscutivelmente não abro mão. Batizei-me em oceano de letras e casei com os mais clássicos contos de amor. Mas em minha morte não espero palavras bonitas na lápide, a mortalha já costurei no arrebol da vida. Isto porque não preciso de uma morte física para sentir-me sem ímpeto. Quando não escrevo, estou morta. E entre uma escrita e outra, permanenço em latência. Reavivo-me quando exercito o prazer literário. Escrevo como se o amanhã não existisse e porque não sei como o amanhã será, escrevendo eu o invento. A minha inspiração tem pitadas de nostalgia, quando revisito o passado à procura dos sentimentos que tive e que renderão boas horas de enlevo monástico e de afinco do intelecto diante das paixões em reza.


Biografia:
Sobre minha pessoa, pouco sei, mas posso dizer que sou aquela que na vida anda só, que faz da escrita sua amante, que desvenda as veredas mais profundas do deserto que nela existe, que transborda suas paixões do modo mais feroz, que nunca está em lugar algum, mas que jamais deixará de ser um mistério a ser desvendado pelas ventanias. 
Número de vezes que este texto foi lido: 305


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Literatura feminina Flora Fernweh
Sonetos Ah mar (ço) Flora Fernweh
Crônicas Temor à técnica Flora Fernweh
Crônicas Bissextagem Flora Fernweh
Crônicas Textos ruins Flora Fernweh
Contos Um gato na campina Flora Fernweh
Crônicas Crônicas de Moacyr Scliar - impressões pessoais Flora Fernweh
Artigos Exílio, de Lya Luft - impressões pessoais Flora Fernweh
Poesias Confins de janeiro Flora Fernweh
Crônicas Crítica ao fluxo de consciência Flora Fernweh

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 383.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
JASMIM - evandro baptista de araujo 69085 Visitas
ANOITECIMENTOS - Edmir Carvalho 57981 Visitas
Contraportada de la novela Obscuro sueño de Jesús - udonge 57638 Visitas
Camden: O Avivamento Que Mudou O Movimento Evangélico - Eliel dos santos silva 55912 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 55231 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 55216 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 55098 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 54973 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 54969 Visitas
Sobrenatural: A Vida de William Branham - Owen Jorgensen 54969 Visitas

Páginas: Próxima Última