Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
🔵 Tribunal inquisitorial
Rafael da Silva Claro


Foi um aparente ato de fé ter como itinerário do catecismo o estacionamento do banco onde aquela turma jogava futebol. Além do curso da Igreja Católica, era obrigatório assistir à missa. Apesar de ser cristão, para um moleque, era uma tortura medieval perder a tarde de sábado.

No começo, eu me dediquei ao questionário bíblico, mas começar a noite de sábado acompanhando um sermão, era muito. Não resisti ao dilema que me fazia sentir uma culpa comparável aos hereges e fariseus, portanto, sacrifiquei a obrigação da cerimônia católica.

A partir do instante que decidiram pela minha expulsão do curso, me senti como algum indivíduo que cometeu alguma heresia diante de um sacerdote medieval ou um papa inquisidor. Contudo, graças à Deus, aquilo não era a Santa Inquisição, aquele clérigo não era o frade espanhol Tomás de Torquemada (o Grande Inquisidor) e aquela construção fazia parte da paróquia guarulhense.

O padre estava imbuído dos poderes de Deus. Então, como o representante do Senhor seguia as Leis do Antigo Testamento, não fui perdoado, fui sumariamente expulso. Esgotadas minhas súplicas, sem argumentos e quase chorando de raiva, melancolicamente me retirei. A minha descida das escadas da igreja, cabeça baixa, acredito que foi observada por uma autoridade eclesiástica assistindo triunfalmente a cena deprimente.

Naquele momento, numa reflexão superficial e confusa, passei a me conformar com o castigo divino. No entanto, fiquei desconfiado que Deus não era vingativo, como falavam. Portanto, sem reunir motivos graves como aqueles punidos com um raio bíblico, uma chuva de rãs ou uma praga qualquer como uma nuvem de gafanhotos, nem sequer o banimento temporário. Pela grandiosidade da existência humana, fiquei convencido de que não seria por tão pouco que eu seria punido eternamente.

No ano seguinte, cumpri os dogmas religiosos, até lá, creio que realizei todas as potencialidades que Deus esperava de mim naquele momento: fazendo gols.







Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 54712


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios 🔴 O animal do Pânico Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Noite sem fim Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Mensagem para você Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 A arte de enganar Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Rosmitter, o boêmio Rafael da Silva Claro
Poesias 🔴 Conto de fardas Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴Madonna de areia Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite com Pimenta Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 As joias da coroa Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Feiquinius Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 429.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Vocabulario nipo-brasileiro (UDONGE) - udonge 54959 Visitas
Amores! - 54847 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 54831 Visitas
Dores da paixão - Ivone Boechat 54826 Visitas
Desabafo - 54825 Visitas
Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 - Vander Roberto 54823 Visitas
Leite com Pimenta - Rafael da Silva Claro 54822 Visitas
🔴 Conto de fardas - Rafael da Silva Claro 54818 Visitas
A menina e o desenho - 54814 Visitas
Vivo com.. - 54812 Visitas

Páginas: Próxima Última