Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
GELECA
BENEDITO JOSÉ CARDOSO

Resumo:
A historia e um cão de rua adotado por nós da DATA (Delegacia de Atendimento a Criança e Adolescente), Estado do Pará

Era uma vez um cachorrinho
que apareceu do nada.
Vindo de marte talvez,
cheirando a bosta molhada.
Jeito tímido de vira-latas,
sua beleza ofuscada e apagada,
ocultava a sua idade e a sua raça.
Uma para outra contrastava à sua cara de felicidade,
pois naquele dia o sábio,
por ter encontrado o pátio nessa DATA.
Lá, pôde então se sentir feliz e à vontade, para conquistar novas amizades,
inimigos talvez é bem verdade, aos primeiros olhares,
que de certa forma o incomodavam.
Contente, e todo prosaico o infeliz, sem reclamar,
parecia estar muito bem acomodado.
Tamanha a sua liberdade,
no final de tarde que despertava o lugar.
Um mosaico incrustado de finos carrapatos e sarnas.
O pátio por onde andava, seu banheiro ao ar livre,
parecia sempre lustrado pelos pés incautos, desavisados de alguém que por ali distraído,
se arriscava transitar.
Assim começava uma nova fase de sua estranha história,
entre o ódio, o amor e sua glória.
Se porventura alguém dissesse jaz,
que isso tudo seria capaz,
ninguém duvidaria.
Parecia história de criança em situação de risco, abuso, violência ou incapaz,
da qual somos coadjuvantes todos os dias.
Uma mistura de compaixão, de aventura e de magia para quem já foi um cão criança um dia. Isto tudo posto em votação naquele dia,
cheio de emoção e alegria, sem pressão.
Cada um resolveu novamente abrir à chave o coração, por fim então coletar,
e assim batizar o bicho, cheio de sarna, piolho, carrapato, escherichia coli, giardia, ascaris lumbricoides, dermatofitose, cinomose. Seu rosto ainda entristecido, parecia perdido no tempo sofrido, cheio de meleca e excremento. O mulambento aguçou a vontade de toda diretoria inquieta e seus subordinados, achar um nome para o infeliz soldado, ex-cãodenado,
GELECA.



Biografia:
"As obras do artista só têm valor, quando consegue atingir a sensibilidade daqueles que entendem"
Número de vezes que este texto foi lido: 54728


Outros títulos do mesmo autor

Poesias O VOTO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias FICA EM CASA, SE PUDER. BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias PRIMAVERA BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias MUNDO DE BOB BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias GINA BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias GATO ESCALDADO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias Domingo Pavulagem BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias MEU NINHO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias NÃO QUERO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Cordel São João BENEDITO JOSÉ CARDOSO

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 170.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
eu sei quem sou - 54812 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 54808 Visitas
DIVINO SER - Ivan de Oliveira Melo 54808 Visitas
Carta para Sophie Scholl nº 2 - Junho/2024 - Vander Roberto 54806 Visitas
🔴 Atila, o rei dos energúmenos - Rafael da Silva Claro 54806 Visitas
viramundo vai a frança - 54803 Visitas
A força do recomeço de empresários atingidos pelas enchentes - Isnar Amaral 54802 Visitas
MENINA - 54800 Visitas
sei quem sou? - 54800 Visitas
camaro amarelo - 54798 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última