Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
CARNAVAL DE ILUSÃO
BENEDITO JOSÉ CARDOSO

CARNAVAL DE ILUSÃO

Havia um mundo de fantasia onde se vivia despreocupado.

A alegria contagiava.

A cor da serpentina enfeitava o ar da multidão.

Com sua melhor fantasia de ocasião, o folião animado se entregava ao coração da doce amada colombina, sem nenhuma proteção.

Encantado em meio ao turbilhão carnal, saltitava alucinado.

Um arlequim enfeitado de emoção no meio da folia, olhava a dimensão do teatro no palco da magia e da ilusão.

O Pierrô suspirava a sua grande dor, o impossível amor da bela e refinada cria.

Ao perceber que dali não sairia nada, entregou-se também à magia medieval.

Juntou-se a multidão à procura de um novo amor, libertando o coração aflito em busca de um romance ideal.

Mas o que parecia tão normal se transformaria num verdadeiro ritual.

Num tom monumental destoou, enquanto o pano caia, se via no teatro de horror.

Enormes filas, rostos ofegantes a se perderem de vistas.

Em meio à pandemia a orquestra tocava os últimos acordes do pavor.

No corredor real, padeciam sob a face fria do mal.

Um vírus mau, invisível e mortal que viria para acabar com a farra da carne.

O Pierrô ao sentir os primeiros sintomas do efeito devastador: tosse, febre…e uma intensa dor.

Se desesperava, suplicando por favor à vida.

A colombina desejada, querida, já com os pulmões comprometidos, agonizava entubada na UTI.

Pouco ou nada se sabia enfim, e muitas vidas jaz sucumbidas,...empilhadas ali sob o caixão.

O arlequim fanfarrão aguardava a hora triste sepulcral.

Num mundo que agora anda muito, muito apressado, muito preocupado em busca de um antídoto.

Uma vacinação nesse mundo contaminado.

Sob a máscara da agonia e da dor, aguarda com aflição.

Um mundo real que hoje suplica por favor aos céus, que um ar de esperança assopre dai bonanças.

Que a terra seja leve e leve para sempre todo esse mal daqui.


Biografia:
"As obras do artista só têm valor, quando consegue atingir a sensibilidade daqueles que entendem"
Número de vezes que este texto foi lido: 54701


Outros títulos do mesmo autor

Poesias FEITO ARTESÃO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias GELECA BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Crônicas MUTAÇÃO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Crônicas MUTAÇÃO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias PRONOME BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias CRONICA BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias POESIA BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias HEXA BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Cordel CENSURAR, PRA QUÊ ? BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias LENTES DO TEMPO BENEDITO JOSÉ CARDOSO

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 170.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
DIVINO SER - Ivan de Oliveira Melo 54755 Visitas
Amores! - 54754 Visitas
eu sei quem sou - 54750 Visitas
Desabafo - 54748 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 54747 Visitas
Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 - Vander Roberto 54747 Visitas
Vivo com.. - 54747 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 54746 Visitas
Dores da paixão - Ivone Boechat 54746 Visitas
A força do recomeço de empresários atingidos pelas enchentes - Isnar Amaral 54745 Visitas

Páginas: Próxima Última