Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Jornada rumo à sabedoria
Flora Fernweh

A vigésima terceira máxima délfica, que compõe os cânones de Apolo, juntamente com outros 146 ensinamentos, afirma de modo veemente: “anseie pela sabedoria”. Ao invés de uma recompensa final pelo esforço, uma consequência ou um produto meramente substancial entremeado por uma mentalidade materialista, a busca pela sabedoria deveria ser definida como um caminho permanente, uma trajetória, um modo de viver seguindo os preceitos virtuosos. O saber deve consistir na própria ação de ir em um busca de um ideal humano mais elevado. Se a verdade absoluta existir, poderia ela ser uma criação subjetiva? Se a máxima socrática é “Conhece-te a ti mesmo e assim conhecerás Deus e o Universo”, a significação dessa sentença alude a um fator interno e intrínseco ao humano. A verdade é una, imutável, e o caminho para se chegar até ela está calcado na objetividade. Mas para conhecermo-nos, é preciso caminharmos por camadas de subjetividade e meandros de internalização, pois esse é o caminho. Além disso, não somos a verdade, somos ainda seres imperfeitos que devem descobrir o que são e se são, caso contrário, encararíamos a sordidez de uma vida insuficiente. É fundamental respeitar-se e respeitar sua jornada, sem pular degraus e aprendendo em cada passo em falso e em cada andar certeiro. Nem sempre o topo será o fim da linha, por vezes ele representa apenas a metade do caminho, visto que a descida ainda está por vir. Ela nem sempre está alegoricamente associada a um declínio espiritual, às vezes é parte da jornada. Semelhante ao retorno de Platão em busca da divulgação do mundo das ideias aos prisioneiros da caverna sensível do sombreado mundo das percepções, sem se deixar diminuir por retornar, mas com uma finalidade nobre
de difusão da razão e do conhecimento verdadeiro. Sempre existe um degrau a mais para ser galgado, embora isso não signifique que jamais alcançaremos a verdade plena.


Biografia:
Sobre minha pessoa, pouco sei, mas posso dizer que sou aquela que na vida anda só, que faz da escrita sua amante, que desvenda as veredas mais profundas do deserto que nela existe, que transborda suas paixões do modo mais feroz, que nunca está em lugar algum, mas que jamais deixará de ser um mistério a ser desvendado pelas ventanias. 
Número de vezes que este texto foi lido: 102


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Língua de poeta Flora Fernweh
Artigos Expressionismo Flora Fernweh
Haicais Anoiteceu Flora Fernweh
Artigos A situação da saúde no Brasil: problemas e soluções Flora Fernweh
Artigos Causas e consequências do movimento antivacina Flora Fernweh
Crônicas Ânsia da escrita Flora Fernweh
Artigos A escrita é o novo divã Flora Fernweh
Contos Reflexão: ENEM 2020 Flora Fernweh
Haicais Parto Flora Fernweh
Artigos Moradia e acessibilidade Flora Fernweh

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 201.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 76106 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 62050 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50298 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 50062 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49616 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49285 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 48994 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48819 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48795 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 48242 Visitas

Páginas: Próxima Última