Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Ócio criativo
Rafael da Silva Claro

Eu também gostaria de ganhar sem fazer nada ou “matar” uma cerveja geladinha na “faixa”. Alguns falsos poetas tiveram essa ideia e viram em mim alguém com o perfil de quem curte esse tipo de arte ou apenas uma vítima em potencial com algum dinheiro.

Apesar de ter frequentado muito a Vila Madalena, não sou um consumidor de poesias, nem tenho o aspecto desse tipinho. O que me sobrou foi o figurino de vítima perfeita. Dinheiro: talvez eu tivesse o suficiente para arrematar alguns sonetos. Quem sabe, o poeta insone aplicava a seguinte estratégia: um casal é venda certa, porque ele sempre irá adquirir um poema para ela, mesmo que ruim, fingindo ter a “cabeça aberta”.

Justamente na Vila Madalena, um suposto poeta, talvez em crise criativa ou com depressão, apareceu trajando um pijama infantil, com gorrinho e tudo. Eu, sério, fiquei examinado aquela cena, incrédulo. Aquilo era algo inusitado, mesmo para os padrões da Vila Madalena. O sujeito se apresentou como poeta. Ali é um bairro boêmio, então eu saquei a dele: o sedizente artista se achava o arquétipo dali, como uma vendedora de acarajé, com turbante, em Salvador; um cara esperto fantasiado de Malandro Carioca, no Rio de Janeiro; ou um fulano paramentado de vaqueiro, em Barretos. Peguei e verifiquei uns sonetos, trovas e haicais. Pensei: isso tem de monte nos e-mails da minha irmã. Eu precisava dispensar o falso poeta e manter a minha pose de intelectual. Juntei tudo e fiz cara de desprezo. Acho que colou. Escapei, quase vi minha cerveja esvaziando sem o meu esforço e meu dinheiro batendo asas.

Na fila do teatro, surgiu um camarada trajando andrajos. Ele estendeu um livrinho de uma única poesia, confeccionado com fibra de bambu. O cara ofereceu o objeto como se fosse um objeto irrecusável. Lá fui eu bancar o “descolado”. Peguei o livro, observei e senti a textura, achei o texto ruim e exíguo, fiz cara de que já tinha visto melhores e devolvi-o. O meu comentário foi que o único valor do volume era ser feito de cânhamo, digo, fibra de bambu.

Na Avenida Paulista, eu sempre era abordado pelas vendedoras da revista Ocas e também convidado, quase coercitivamente, a ver quais peças estavam em cartaz na banquinha do “Vá ao Teatro”. De novo, teria que fingir estar antenado com a “cultura paulistana”. Parei, olhei e demonstrei decepção por não ter encontrado nada de William Shakespeare, Bertolt Brecht ou baseado no método Stanislavski. Acho que impressionei! Na verdade, sempre preferi assistir aos filmes do Sylvester Stallone, Arnold Schwarzenegger, Jean-Claude Van Damme e Chuck Norris.

Absolutamente, jamais pude ser confundido com um bicho-grilo. Eu nunca fui alguém que possuísse o estereótipo de esquerdista. Ninguém me flagraria numa manifestação Black Bloc, com uma camiseta do Che Guevara ou com um cartaz #Ele Não. Fatalmente, hoje eu seria tachado, injustamente, de fascista, nazista...


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 134


Outros títulos do mesmo autor

Releases Brasil Paralelo Rafael da Silva Claro
Crônicas A bela e a fera Rafael da Silva Claro
Crônicas A placa avisou Rafael da Silva Claro
Crônicas Até tu! Rafael da Silva Claro
Crônicas Fogo no Parquinho Rafael da Silva Claro
Crônicas O Último Carnaval Rafael da Silva Claro
Ensaios Sai, coisa Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite condensado de direita Rafael da Silva Claro
Crônicas Crônica de Gelo e Fogo * Rafael da Silva Claro
Ensaios Eis o malandro na praça outra vez Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 95.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 75713 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 61729 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50138 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 49935 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49476 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49103 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 48847 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48701 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48661 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 48127 Visitas

Páginas: Próxima Última