Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A grande estiagem
Antonio Magnani

As velhas da aldeia, foram buscar água na mina, e notaram que o volume de água estava baixando dia após dia.Houve um silêncio impregnado de temor e medo. Algo ruim viria acontecer naquela aldeia esquecida pelos homens e perdida nas funduras dos cerrados. Um pássaro agougueiro piou fortemente, parecia que estava dando aval a tragédia que abateria sobre todos.
Já fazia alguns meses que não aparecia nenhuma pequena nuvem no céu, e o sol com seus dardos flamejantes, dia a após dia, ia castigando a natureza, os homens e os animais. E no final do dia, o vento de Agosto, com fúria e gosto, cobria tudo de poeira, e havia muito desgosto estampado em cada rosto.
E a chuva tardava a vir, e a grande estiagem avançou pelos cerrados afora, e a secura era tanto, que pegou fogo na mata, e a fumaça era tão densa,tão espessa que parecia cobrir o sol, foi um espetáculo sinistro e dantesco, e os velhos mais velhos, diziam que era o fim do mundo.E as crianças magras, sujas e pálidas não compreendia o que estava acontecendo, e fervorosamente rezavam pedindo chuva a São Pedro.
Os dias foram passando lentamente, as vacas leiteiras magérrimas morriam de sede ao lado de seus bezerros, os porcos, cavalos e os animais do campo tiveram a mesma sina. As lavouras de arroz, feijão, milho e mandioca não resistiram a estiagem, e desfaleceram como as flores de um dia.
Alguns velhos já fracos e doentes, nos deixaram na mesma semana, dizem que eles morreram de desgoto já no fim de Agosto, morreu Dona Titina, Dona Calú , Dona Maria Dolores e seu Benedito o contador de histórias. Com ele foi enterrado milhares de contos, histórias e estórias.
No povoado havia desavença religiosa, e o vigário Pietro, não gostava do seu Paulo, pois ele teve uma experiência profunda com Deus, deixou os seus santos, rezas e pátuas e apregoava que Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida, e que Jesus era o único intermediário entre Deus e os homens.
E o tempo passava e a chuva não chegava, e todos eram assolados pela fome, doença e miséria. Foi quando Dona Sofia a nossa professora primária, tocou o sino da velha capelinha, chamando todos para a reunião. E ela falou ousamente, para que caísse por terra todas as desavenças, ódios e maldades. Chamou todos ao arrependimento e houve uma comoção geral, e disse: “Oremos para que Deus tenha misericórdia de nós e nos envia chuva em três dias”.
Houve silêncio na terra e no céu, depois veio o quebrantamento e as barrerias foram caindo e as orações foram subindo ao céu. Passou Sexta, Sábado e finalmente no Domigo o milagre aconteceu, o vento começou assoprar furiosamente, e nas funduras do mundo milhares de relâmpagos anunciava que chuva estava chegando, e chegou a cântaros no meio do ribombar dos trovões.
A alegria tomou conta de todos: os velhos, homens, mulheres, jovens e crianças, todos foram para a praça central, e unânimes erguiam as mãos pro céu, agradecendo pela chuva que chegou. Muitos choravam emocionados, e as crianças felizes brincavam nas poças de águas. Titica nossa cadela de estimação participou do festejo.
E a chuva caiu copiosamente por longos dias, e a vida aos poucos voltou ao cerrado, o verde clorofila tomou conta da paisagem. As andorinhas voltaram aos milhares, ocupando todas às árvores da cidade... E o Rio Seco, voltou a correr velozmente pelo sertão e meu velho pai dizia: “Que o rio levou toda a mágoa e desgosto do Mês de Agosto”.
A Grande Estiagem foi pedagógica, Ela molda o carácter e faz forte os homens, as mulheres, os jovens e as crianças do sertão. Já se passaram muitos anos e ainda tenho gravado nas funduras da memória, todas as imagens daquele tempo, o qual passo a escrever nesta folha de papel.
Confesso que vivi.

Número de vezes que este texto foi lido: 179


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Tempo de poetizar Antonio Magnani
Poesias Ofertório Antonio Magnani
Poesias Tragédia em Marilia Antonio Magnani
Contos Até no sofrimento somos egoistas Antonio Magnani
Contos Maria Machadão Antonio Magnani
Poesias FELIZ ANO VELHO Antonio Magnani

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 51 até 56 de um total de 56.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
ESSAS ELEIÇÕES 2020 - paulo ricardo a fogaça 1 Visitas
ESSAS FÉRIAS - paulo ricardo a fogaça 1 Visitas
a historia de que me lembro - cristina 0 Visitas
a historia de que me lembro - cristina 0 Visitas
PERTO DO SEU OLHAR - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
SIMPLESMENTE FELICIDADE - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
PROFUNDO 10 IND 16 ANOS - paulo ricardo a fogaça 0 Visitas
Arqueologia Pop – VAN - Caliel Alves dos Santos 0 Visitas
A MULHER O ABORTO E O LGBT - paulo ricardo a fogaça 0 Visitas
EU AMO A ENTREGA - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior