Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Bozo, o palhaço
Rafael da Silva Claro


Foi anunciada uma nova excursão, na quinta série. Legal, zoeira no fundão do “busão”, gritaria e, muito importante, sem aula. Só que a excursão era para o programa do... Bozo, o palhaço. Eu, no alto dos meus 11 anos, achava aquele passeio ultrajante. Eu já me considerava um adulto. Um cara que nunca mais foi visto brincando com carrinhos e corria até a loja de doces sozinho. Quem deixou a infância para trás não podia aceitar aquele retrocesso.

Durante dias, aquele dilema tomou conta da minha cabeça. Ao menos eu tinha uma justificativa, acreditava, para as notas baixas. Depois de muito refletir no prejuízo que aquela, aparentemente inofensiva, aparição no show do parlapatão me traria, decidi ir, afinal, ficaria atrás, escondido dos telespectadores.

Durante o trajeto, tudo igual a toda excursão. Na atração televisiva do saltimbanco alçado à condição de astro midiático, eu fiquei, lamentavelmente, na primeira fileira, vergonhosamente de frente para a câmera e, para humilhação definitiva, segurando um tipo de pompom, para chacoalhar nos momentos de, suposta, animação. Fiquei catatônico, por ver aquela, literalmente, palhaçada ao vivo e participar de algo que causaria embaraço pelo resto da minha, ainda incipiente, vida.

No intervalo, eu fui transferido para trás no pequeno auditório, por absoluta falta de animação. Lá, eu pude ficar estático, segurando aquele maldito pompom.

Num dos intervalos, pude desmascarar o simulacro de palhaço. Quando vi, atrás da arquibancada, o Bozo sorvendo uma fumegante xícara de café, escorreram ralo abaixo os resquícios da inocente infância que ainda resistiam. Depois fui saber, cafeína era o único “aditivo” confessável que ele usava. Bozo partiu, do meu imaginário, como Papai Noel e Coelhinho da Páscoa.

Hoje, até exponho este episódio nesta crônica, porque o “Zé Graça” tornou-se pop, cool ou vintage. Em suma: ele é old school, em tempos que o eufemismo ou o politicamente correto rebatizaram o velho histrião de clown. Esse baluarte do imaginário infantil, era doidão e, por isso, virou filme. O farsante, também, virou ícone ou símbolo de uma época (anos 80). Então, hoje sinto até um pequeno orgulho de ter ido ao programa do Bozo.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 33859


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas É só dobrar o pescoço Rafael da Silva Claro
Releases Brasil Paralelo Rafael da Silva Claro
Crônicas A bela e a fera Rafael da Silva Claro
Crônicas A placa avisou Rafael da Silva Claro
Crônicas Até tu! Rafael da Silva Claro
Crônicas Fogo no Parquinho Rafael da Silva Claro
Crônicas O Último Carnaval Rafael da Silva Claro
Ensaios Sai, coisa Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite condensado de direita Rafael da Silva Claro
Crônicas Crônica de Gelo e Fogo * Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 96.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 76044 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 62007 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50268 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 50032 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49605 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49249 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 48977 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48800 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48780 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 48229 Visitas

Páginas: Próxima Última