Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Iludido por uma estrela
José Rony de Andrade Alves

Em uma certa noite de luar, sentei em uma cadeira na varanda da minha casa, pousei a refletir sobre as minhas decepções amorosas e os meus desafetos. A brisa era suave e me acariciava mansamente. O silêncio da noite, o momento de exclusão, estavam conformes ao meu estado de meditação. Coloquei meu pescoço sobre o aresta da cadeira e dardejei o meu olhar para a imensidão celeste. Eu descavava lentamente, ao passo das reflexões, as minhas suposições sobre a crueldade do destino. Era um momento de dúvidas e inquirições infindáveis que me causava um desânimo profundo e, irresolvivelmente, me deixava vazio e abjeto às incomensuráveis suposições e conjecturas, sob a ótica de um limitado ser humano que navega no mar da vida temendo as ondas da morte. As dúvidas era uma espécie de doença incurável, que abrandava e reaparecia, intensa às vezes, às vezes fraca, mas sempre insolúvel.
Naquele momento, fiquei átono diante da ausência de respostas e, assim, preferi aceitar a minha limitação cósmica. Por mais que eu fosse um grão de areia na imensidão do infinito, me senti um grão que vibrava inconformado com o fluxo irrevogável do destino. Era mais sadio e viável aceitar o silêncio como resposta e deixar que o influxo à morte me conduzisse ou à plena consciência, ou à inconsciência eterna.

Após alguns minutos perscrutando o além, um brilho singular que resplandecia no horizonte celeste me assaltava inexplicavelmente revogando as minhas reflexões. Era uma bela e encantadora estrela, que lá estava amainando a minha solidão momentânea. Achei impressionante a magnificência do seu brilho —era surreal a forma como despendia seus traços luminosos. Fiquei tão fascinado com a sua unicidade que resolvi chamá-la de Bella.
Durante vários dias, passava horas apreciando a singularidade de sua performance. Nos dias chuvosos e nublados eu ficava chateado por não desfrutar da celsa visibilidade. Eram momentos de reflexão ascendente, que singelamente me levavam a um sentimento de ternura celeste, de abraço cósmico, e sobretudo, de compreensão da incompreensão do infinito.
Bella era tão cordial e acariciadora, que eu via nela um verdadeiro amor, e por mais que intangível fosse, era-o correspondido por sua presença. Foram momentos inexplicáveis e deveras prazeroso. Toda noite, sentia-me abraçado com sua presença. Seu brilho era tão consistente que o luar perdia a sua excentricidade. Sem dúvidas, encontrei o amor, cuja essência é pura e cuja presença é única. Entre nós não havia dúvidas e sim, uma única e regojiza certeza, eu nunca iria sentir abandonado ou desprezado novamente, pois eu encontrara o Amor da minha Vida. Por mais longe que estivesse, a nossa ligação era decerto íntima, e daquele dia em diante, luz de Bella iria iluminar as minhas noites vazias e lúgubres.

Ledo engano! Essa foi a minha conclusão após passar inúmeras noites lamentando o sumiço de Bella. Ela sumiu do mesmo jeito que apareceu em minha vida: inusitadamente. Descobri que não era uma estrela comum (fixa no céu), era uma estrela cadente. Sua cadência fora lenta e ao mesmo tempo rápida, no entanto, a sua presença será eterna na minha memória. Talvez ela tenha me desamado, ou quem sabe enjoado de mim e foi procurar outro para admirá-la. Talvez ela nunca tinha sido minha, e o ego fora o único que me forçou a acreditar na correspondência amorosa. Eu, mais uma vez me senti iludido, e desta vez, iludido por uma estrela.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 28597


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Um dia serei algo José Rony de Andrade Alves
Crônicas O celeiro de José José Rony de Andrade Alves
Contos Ceifador de momentos José Rony de Andrade Alves
Crônicas testamento de um suicida José Rony de Andrade Alves
Poesias semente infeliz José Rony de Andrade Alves
Poesias ciclo da vida José Rony de Andrade Alves
Crônicas O mar do esquecimento José Rony de Andrade Alves
Poesias Amor sem arrimo José Rony de Andrade Alves
Crônicas A imobilidade da luz José Rony de Andrade Alves

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 11 até 19 de um total de 19.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
Vivo com.. - 31027 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30948 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 30622 Visitas
eu sei quem sou - 30549 Visitas
camaro amarelo - 30507 Visitas
sei quem sou? - 30495 Visitas
viramundo vai a frança - 30477 Visitas
MENINA - 30448 Visitas
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 30439 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 30423 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última