Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Religião Prática Deve Ser Vista em Tudo
John Angell James


Título original: Practical religion must be seen in everything

Por John Angell James (1785-1859)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Meus queridos amigos,

Parece-me que muitas pessoas são muito limitadas em suas ideias sobre a natureza, desígnio e extensão da religião prática. Um indivíduo ao ser censurado por alguma transação desonrosa no negócio como inconsistente com a religião, respondeu: "O que a religião tem a ver com o negócio?" A resposta demonstrou sua ignorância, ou maldade, ou ambos! Mas, se podemos julgar por sua conduta, este é o sentimento de muitos professantes, embora, talvez, eles não o confessem. Não estão agindo como se a religião não tivesse nada a ver com negócios, com disposição ou com nossas relações domésticas e sociais? Eles não estão agindo como se a religião fosse uma mera questão de opinião, devoção ou cerimônia; uma coisa do claustro, do quarto ou do santuário, que deve ser confinada a seus próprios retiros, e nunca ser permitido que se aproxime do cenário de negócios mundanos e buscas seculares? Não estão agindo como se a religião fosse uma mera regra para nos direcionar como devemos nos comportar na casa de Deus e regular nossa adoração; e que, tendo feito isso, tenha cumprido seu objetivo? Não é esta, eu digo, a visão que, se podemos julgar por seu comportamento, muitos têm da religião? Mas, alguma coisa pode ser mais imprecisa?
A verdadeira religião é um princípio permanente, onipresente, imutável, possuindo uma espécie de universalidade em sua natureza! Deve ir conosco, não apenas para o santuário de Deus, ou para o quarto da devoção privada, mas em todos os lugares! Deve regular nossa conduta, não somente para a igreja, mas para o mundo! Ela deve operar sobre nós e influenciar-nos, não só aos domingos, mas em todos os momentos! Ela deve ditar, não só como oramos, e lemos a Bíblia; mas como compramos, vendemos e ganhamos.
A verdadeira religião não tem tempo, lugar ou esfera exclusiva, mas é uma questão de todos os tempos, lugares e cenários. Embora celestial em sua origem, sua natureza e seu destino; ela não é tão completamente etérea como para afastar-se desta esfera mundana, como sendo indigna de seu controle. "A sabedoria clama alto na rua, ela levanta a voz nas praças públicas, à frente das ruas barulhentas ela grita, nos portões da cidade ela faz seu discurso." (Provérbios 1: 20-21)
O assunto, então, do presente discurso é este: "A religião prática deve ser vista em tudo!"
Considere sua situação. Você está unido à sociedade por vários laços, e tem deveres correspondentes a desempenhar, cada um dos quais oferece uma oportunidade para o exercício do princípio religioso. Um homem pode verdadeiramente, embora não tão publicamente e impressionantemente, mostrar seu respeito ao princípio e à consciência, na menor transação de natureza secular. As várias reivindicações da sociedade proporcionam como uma prova correta do sentimento moral, como as reivindicações da igreja de Deus. A religião deve ser coextensiva, não só com toda a nossa natureza como constituída de corpo, alma, e espírito, e como agentes de expressão, de pensamento, de sentimento, agindo com todas as nossas relações com o mundo que nos rodeia.
Fique de acordo com os mandamentos de Deus. Tome apenas dois ou três destes. O que pode ser mais explícito do que o resumo da lei moral, que é dado por Cristo; em supremo amor a Deus, e igual amor ao homem. O segundo é tão obrigatório como o primeiro, e o amor ao homem em todas as variedades de suas operações e manifestações, até os mais minuciosos ofícios para seu conforto, é essencialmente uma parte da religião, como o amor a Deus. Leia também a exposição abrangente e bela do apóstolo deste preceito, "o amor não faz mal a ninguém, assim o amor satisfaz todas as exigências de Deus". (Rom 13:10).
Quão explícita e minuciosa é a direção dada em Filipenses 4: 8. "Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai." Observe, que todas essas virtudes se relacionam com nossa conduta para com nossos semelhantes; e porque há algumas coisas que lhes devemos que dificilmente podem ser classificadas sob qualquer um desses detalhes, o apóstolo acrescenta uma expressão generalizante: tudo o que é "amável e de boa fama". E quão impressionante é a palavra, tão frequentemente expressa na passagem, "qualquer coisa"; como se ele tivesse dito, "tudo o que é ou pode ser imaginado para ser reivindicado em razão da justiça, honestidade, verdade, pureza, tudo o que pela opinião comum é pensado que seja amável, atraente, honroso e louvável – que isto seja feito por aqueles que levam o nome de Cristo." A isso, podemos acrescentar mais uma passagem, da qual pode ser dito ou considerado como mais imperativo para um professante, que ele deve deixar sua religião brilhar em tudo: "Portanto, quer comais quer bebais, ou façais, qualquer outra coisa, fazei tudo para glória de Deus." (1 Cor. 10:31).     
É evidente, então, que Deus tomou nossa conduta; não só na igreja, mas no mundo; não apenas no santuário, mas no lugar dos negócios mundanos; não só para nosso irmão cristão, mas para o nosso vizinho não convertido; não só em nossos exercícios de devoção, mas em nossas transações ordinárias; sob sua direção, e fez com que fosse nosso dever deixar nossa religião ser vista em todos.
Pode ser útil se eu aqui apontar os assuntos de que os professantes da piedade são muito aptos a excluírem sua religião, ou em que, de qualquer forma, eles não são suficientemente cuidadosos para deixá-la aparecer. Eles normalmente não são deficientes em seus deveres do dia do domingo; eles são regulares em sua assistência aos serviços do santuário; eles estão constantemente presentes e, aparentemente, devotos na mesa da santa ceia; eles são, talvez, muitas vezes, ou sempre encontrados em reuniões de oração ou ouvindo sermões semanais; eles mantêm orações familiares; eles subscrevem dinheiro para instituições públicas para a propagação do evangelho. Eles imaginam que eles são espirituais, mas ainda há algumas outras partes de sua conduta, em que a sua religião não aparece como deveria, nem é parte de seu cuidado que deveria; quero dizer, a sua conduta em relação ao próximo.
Você observa que todos esses pontos, nos quais eu supus que estão atentos aos seus deveres, se relacionam com sua conduta para com Deus; todos eles são assuntos de devoção. Mas, a devoção é apenas uma parte da religião; o amor ao próximo, como já consideramos, é verdadeiramente uma parte da religião como o amor a Deus. Agora é realmente o caso que há muitos, que embora muito aparentemente diligentes em referência a este último, são muito negligentes em referência ao primeiro. Eles atribuem grande importância à espiritualidade e à mentalidade celestial; pelo menos, eles falam muito sobre elas. Mas são muito vagos em relação a outras coisas, que são tanto o seu dever, como esses estados de espírito mais elevados e espirituais. A devoção é tudo para eles, mas a moralidade, em seu caráter mais elevado, mais delicado e refinado, é pouco falada. Eles dizem que amam a Deus; mas não se comportam amorosamente com seu próximo. Essas pessoas são geralmente conhecidas por um gosto peculiar em relação à pregação. Os únicos sermões que eles apreciam são aqueles que estão cheios de conforto; que se dirigem exclusivamente aos filhos de Deus; e que são de tal espécie, que mais servem para desculpar suas imperfeições, e torná-los felizes na indulgência de suas corrupções, do que levá-los a graus mais elevados de santificação. A imposição de dever de qualquer espécie, mesmo a Deus, não é um assunto muito bem-vindo; mas o dever para com o homem, é considerado por eles, ser totalmente legalidade e escravidão.
Uma questão que a religião pretende regulamentar, mas da qual é excluída por muitas pessoas, é a nossa DISPOSIÇÃO. Se alguém perguntasse: "O que tem a religião a ver com a nossa disposição?" Vou responder a esta pergunta, reportando-me ao décimo terceiro capítulo da primeira epístola aos Coríntios. O conjunto desta porção requintadamente bonita da verdade divina, refere-se à disposição; e é realmente muito solene considerar como imperativa e essencialmente necessário à salvação, o Espírito Santo operar um bom temperamento. Os milagres mais esplêndidos, o conhecimento mais profundo das verdades sagradas, a eloquência mais consumada em proclamá-las, o dispêndio de uma fortuna em apoiá-las e a morte do mártir ao atestá-las; nada teremos, se não tivermos a boa disposição ali descrita.
Nada é religião na ausência do amor; nada pode nos servir para o céu senão o amor; a própria essência da religião é o amor a Deus por amor próprio e o amor ao próximo por amor de Deus; devemos amar o próximo por Deus e Deus no próximo. Podemos amar o nosso próximo e, no entanto, nos entregarmos à paixão habitual, à malícia, à vingança? Oh, quanta desonra é feita à religião pelas más disposições de seus professantes; pela petulância e irritação de um, a paixão de um segundo, a maldade de um terceiro, a obstinação de um quarto, e o ressentimento de um quinto. É espantoso como qualquer um que habitualmente se entregue a tais disposições, pode imaginar que eles são filhos do Deus de amor, os seguidores de Jesus, cuja designação é "o Cordeiro", e os templos daquele Espírito divino, cujo símbolo é uma "pomba".
Estou ciente de que há algo físico na causa de disposições ruins, mas elas ainda estão sujeitas ao controle moral. Pode ser, que alguns achem muito mais difícil restringir e administrar suas disposições do que outros; e que alguns que tomam muito mais dores para governar sua disposição, do que aqueles que possuem uma amabilidade natural, ganhem muito menos crédito do que os segundos.
O mal e a culpa estão em supor que como as disposições ruins são inerentes a nós, sua indulgência é inevitável e, portanto, desculpável. Se isto estiver correto, todo pecado é inevitável e desculpável, pois tudo é inerente. Se, então, você devesse provar sua regeneração; continuar a obra de santificação; promover a mortificação do pecado; se não devesse ter a escuridão da mente e a angústia da consciência; e se você não devesse entristecer seus companheiros cristãos, e perturbar o conforto daqueles ao seu redor - subjugue e regule então sua disposição!    
Um cristão professo, ruborizado e tempestuoso de paixão, pálido e furioso de raiva, é um espetáculo inapropriado. Como pode o amor de Deus ou do homem estar em tal coração? Mas, não é apenas esse excesso de paixão que é desacreditado; senão a impureza, a indelicadeza, o mau humor, que muitos exibem; a sensibilidade e a suscetibilidade à ofensa; em suma, o ser facilmente ofendido, que tantos exibem sem um esforço para resistir. Sua profissão exige, meus queridos amigos, uma resistência constante a tais disposições; e é uma grande parte da religião manter essa resistência.
Sua piedade e princípio devem estar sempre à mão para este propósito; sempre próximos e prontos a serem aplicados, com todas as suas poderosas energias e motivos, para suprimir toda e qualquer emoção não renovada pelo Espírito. "Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de coração compassivo, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade, suportando-vos e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como o Senhor vos perdoou, assim fazei vós também. E, sobre tudo isto, revesti-vos do amor, que é o vínculo da perfeição. E a paz de Cristo, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos.” (Col 3: 12-15). Esta é a lei de Cristo, a regra de sua conduta, o padrão de suas ações, o molde de seu caráter. Quão terna a linguagem, como para tocar os motivos e forçar as obrigações! Renuncie, então, à ideia de que a religião nada tem a ver com disposição; adote o sentimento de que sua disposição deve ser governada por sua religião; e pela oração importuna, vigilância constante e esforço laborioso; busque ter a mansidão de Cristo.
Outra cena de que muitos são muito propensos a excluir sua religião é a sua preocupação SECULAR. A religião não só conduz no dia de domingo à casa de Deus, e nos diz: "Entre pelas suas portas com ações de graças e com altos louvores". Mas a religião segue também conosco na segunda-feira de manhã para o mercado de negócios, e diz-nos: "Tudo o que é verdadeiro, honesto, justo, puro, amável e de boa fama, pense nestas coisas e as pratique". Os viajantes dizem-nos que os chineses montaram os objetos de sua adoração, não só em seus templos, mas em suas lojas. Se, então, pagãos idólatras colocam o comércio sob o patrocínio e a direção da religião; se reconheceram que suas divindades tomam conhecimento de preocupações seculares; e que uma parte do serviço divino é a justiça para o homem, quanto mais deveria ser este o caso com os cristãos!
Sim, meus amigos, sua religião deve ser vista por aqueles que os conhecem apenas como comerciantes, e não têm oportunidade de vê-lo, senão na loja. Deve estar à mão, pronta para aplicação a todas as circunstâncias da vida, e todas as transações de negócios. Ela deve estar de pé em todas as vendas, pechinchas e contratos; ele deve impedir toda a falsa depreciação do artigo que você deseja comprar, e a supervalorização do que você deseja vender; deve proibir toda falsidade, fraude e artifício; todo egoísmo e extorsão; em suma, todo esse tipo de conduta que faria com que os outros tivessem medo de lidar com você e que daria o carimbo e o estigma ao seu caráter de "astuto", "duro" ou "escorregadio". É uma vergonha para os cristãos professos terem um desses epítetos aplicados a eles. Devem ser distinguidos por tudo o que é justo, verdadeiro, generoso e nobre. Eles são ordenados a deixarem sua luz brilhar diante dos homens. Agora, isso só pode ser feito por ser exemplar no cumprimento dos deveres que estão sob observação pública. Embora aqueles que estão familiarizados com você, podem fazer suposições sagazes pelo que veem em seu comportamento exterior, se você é um homem de sentimento devocional, mas eles não podem rastrear você para o altar da família, ou para o quarto de oração privada; mas eles podem e irão rapidamente e certamente saber se você é verdadeiro e justo, honesto e reto, generoso e confiável; ou ao contrário, falso e injusto, fraudulento e enganador, egoísta e exorbitante. E se virem uma falta de princípio em suas transações, naturalmente suspeitarão de uma destituição da religião em seu coração, e considerarão toda a sua profissão como hipocrisia repugnante e odiosa. Permita que a religião seja vista em seus negócios.
O cumprimento dos deveres de nossas relações sociais é outra oportunidade para exibir a influência da religião. Sua excelência deve ser vista e seu poder sentir-se, fazendo um LAR feliz, e compelindo um peregrino na família, ou um espectador dela, a exclamar, "Quão formosas são as tuas tendas, ó Jacó! as tuas moradas, ó Israel! Como vales, elas se estendem; são como jardins à beira dos rios, como árvores de aloés que o Senhor plantou, como cedros junto às águas." (Números 24: 5-6). A religião deve dar força, ternura e santidade a todas as relações da vida. Deve tornar os maridos e as esposas mais carinhosos e devotados; pais mais bondosos, judiciosos e vigilantes; e filhos mais obedientes, respeitadores e atenciosos; senhores mais bondosos e justos; servos mais submissos e fiéis. A religião pretende ser o magistrado do corpo social, e o chefe do círculo doméstico. Devemos todos cumprir com piedade os nossos deveres, fazendo coisas comuns, como ao Senhor, e pelo Senhor. Como as estrelas do céu, não devemos apenas brilhar, mas cada um deve estar em sua própria órbita. Se somos não amáveis em casa, deve haver algo essencialmente defeituoso em nossa profissão cristã.
Nem é de pequena importância que nossa profissão deva ser mantida de forma consistente no exterior, assim como em casa. Deve, como parte integrante de nós mesmos, ir conosco em todos os lugares, e morar conosco onde quer que permaneçamos. Devemos tomá-la como nosso companheiro em viagens, como nosso associado em público, como nosso peito e amigo inseparável. Aqueles que constantemente nos veem em casa, e ocasionalmente nos encontram no exterior, devem reconhecer o mesmo caráter inalterável; o mesmo na metrópole lotada, como na aldeia afastada, e o mesmo no elegante local de encontro, como no retiro rural.
A religião deve aparecer em nossas RECREAÇÕES e ENTRETENIMENTOS, separando-nos das loucuras e divertimentos do mundo; não permitindo nem o que é impuro, nem o que é frívolo; nem apenas nos mantendo longe do teatro, da sala de baile e do concerto público, mas impedindo-nos de transformar nossas próprias habitações em estâncias de moda e cenários de luz e de entretenimentos dissipadores. Se, nas estações dedicadas ao relaxamento dos negócios mundanos, nada mais for necessário do que a alegre e santa comunhão e conversação do piedoso - então o belo cenário da natureza, as obras de caridade, as atividades da ciência ou os exercícios de devoção, devem ser suficientes. Um cristão deve parecer ser um cristão, em suas férias, bem como em suas ocupações mais graves. Nem mesmo a nossa POLÍTICA deve ser colocada fora do controle de nossa piedade. Um professante de religião tem deveres a desempenhar como cidadão, bem como cristão, uma vez que ele é um membro da sociedade em geral, bem como da igreja; e é uma santidade equivocada, um espírito de fanatismo sozinho, que tenta dissuadi-lo de cumprir a obrigação que ele deve à comunidade. Mas, então, ele deve agir como um cristão, no momento em que ele está agindo como um cidadão.
Em vez de tornar sua religião política, ele deve tornar sua política na religião. Ele se torna um seguidor daquele cujo reino não é deste mundo, para ser um partidário político furioso cheio de ódio, malícia e sem caridade para com aqueles que diferem dele; e que sem escrúpulos usaria qualquer meio, para garantir o sucesso de seu próprio partido. Também não é menos contrário à profissão cristã ser seduzido pelo caminho que sua consciência condena, pelas artes da corrupção, ou ser intimidado pelas ameaças de poder. A religião deve induzir um homem a levar sua consciência com ele, como seu guia e protetor, em todas as circunstâncias em que ele é obrigado a agir em favor de seu país, e em que deve sempre dar a sua voz ou o seu voto, como se ele soubesse que deveria ser chamado a prestar contas desses atos no momento seguinte, no julgamento de Deus.
Mas por que eu devo particularizar? "Portanto, quer comais, quer bebais ou façais, fazei tudo para a glória de Deus". (1 Cor 10:31). Volto a lembrá-lo, sua religião deve ser vista em TUDO, em assuntos tão grandes como para chamar o martírio, e tão minuciosos, como a menor bagatela de transações de um único dia.
A verdadeira religião não consiste, repito, em meras orações, sermões e sacramentos; mas de supremo amor a Deus e de amor igual ao homem, correndo para todas as infinitas variedades de aplicação e operação, das quais estas afeições sagradas são suscetíveis. Como o sangue do nosso sistema corporal, que não se confina a dois ou três grandes canais arteriais, mas aquece, vitaliza e move o homem, e derrama a maré da vida e o impulso de atividade através de mil vasos, alguns deles, quase diminutos demais para serem vistos; assim, a religião é o princípio que sustenta e movimenta todo o novo homem, que se renova no conhecimento e na verdadeira santidade, segundo a imagem daquele que o criou. A verdadeira piedade não deve ser confinada a quaisquer lugares especiais, modos ou épocas de operação, mas difundir-se através de todos os mil pequenos atos que são todos os dias realizados, e no desempenho de que temos uma oportunidade e estão sob obrigação de glorificar a Deus.
Mas, não é assim que a questão é considerada pela generalidade dos cristãos professos, se, de fato, podemos julgar por sua conduta. Pois, quando se menciona a religião, a única ideia que muitos podem associar a esse termo é a realização de exercícios devocionais ou a indulgência de sentimentos devocionais; esquecendo-se de que a boa disposição, o pagamento das dívidas, o cumprimento dos contratos, o perdão das ofensas e os deveres do lar são verdadeiramente parte da religião como a observância do domingo ou a celebração da Ceia do Senhor.
E esta é, de fato, a religião que o mundo espera de nós. Eles exigem de nós, que carreguemos nossa religião em tudo, se atendemos à sua demanda ou não. Será que eles nos acusam de inconsistência apenas quando negligenciamos a oração privada ou pública? Ah não! O que eles sabem ou se preocupam com essas questões? Mas quando professantes são apaixonados, vingativos e maliciosos; quando eles são astutos e fraudulentos; quando são escorregadios, traiçoeiros e evasivos; quando são indelicados, não amáveis e opressivos; então eles estão sempre prontos com a provocação, "Esta é a sua religião, é?" Por que eles pretendem insinuar, que aqueles que professam crer em Cristo para a salvação, não devem assim ter desmentido uma profissão que os vincula a serem santos em toda a maneira de viver.
Considere quanta lesão foi feita ao caráter da religião, ao não tomar esta visão de seu domínio universal. Um único defeito foi suficiente, em alguns casos, para depreciar todo um caráter; e um ato de inconsistência, e que não muito considerável também, lançou a sua sombra sobre muitas excelências. Pode ser que houvesse aqueles que conheciam o indivíduo por apenas aquela única transação; eles não sabiam nada de seu caráter geral, ou suas muitas qualidades valiosas, mas eles o viram naquele ato inconsistente, e julgando pela única evidência que veio diante deles, eles estão prontos para condená-lo como alguém hipócrita.
Que beleza iria investir o caráter que deriva sua simetria da influência penetrante da verdadeira piedade; o caráter em que a religião é vista dando devoção e zelo ao cristão; justiça e verdade ao comerciante; patriotismo e lealdade ao cidadão; afeição ao marido; carinho pelo pai; gentileza ao próximo; bondade para com o mestre; e a caridade para com todos; no qual a religião regula toda a série de palavras e ações, percorrendo todo o teor da conduta e ditando o que é certo a ser feito nas dez mil pequenas ocorrências que estão sempre acontecendo nos negócios da vida. Que caráter, digo eu, é este, no qual todas as virtudes maiores se unem com todas as graças menores, e a religião é o vínculo que as mantém unidas. Tal caráter deve todo cristão professante apresentar ao mundo, e ele não é mais consistente com sua profissão, do que enquanto ele está mantendo um tal padrão de excelência para a humanidade.
Permitam-me então, meus queridos amigos, em conclusão, admoestá-lo com grande seriedade e solicitude, para entrar no assunto que estamos apresentando. Enquanto você está empenhado na aquisição de mais e mais daquela Espiritualidade e Celestialidade de mente, e da Garantia de Esperança; você pode ser igualmente solícito para "deixar a sua luz brilhar diante dos homens, para que vejam as suas boas obras, e glorifiquem a Deus vosso Pai celestial ". Lembre-se que não é a religião, como aparece em algumas poucas coisas, nem em muitas; mas em todas; que fará isso. Não pode haver aqui nenhum processo de compensação; não se destacam as excelências contra defeitos; nenhuma diligência de equilíbrio em algumas questões contra a negligência em outras. Depende disso como um fato; que uma religião parcial, e um pouco de religião, desonra a Deus mais do que nenhuma.
"Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.” Eis que o teu pai é glorificado, em que deis muito fruto. Não se envergonhe quando tiver respeito a todos os seus mandamentos. Em tudo o que fizer, fique longe de reclamar e discutir, para que ninguém possa falar uma palavra de culpa contra você. Você deve viver uma vida pura e inocente como filhos de Deus, em um mundo escuro cheio de pessoas corruptas e perversas.


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 125


Outros títulos do mesmo autor

Artigos O Decoro do Amor John Angell James
Artigos Misericórdia Cristã Explicada e Aplicada John Angell James
Artigos A Religião Prática Deve Ser Vista em Tudo John Angell James
Artigos A Preeminência do Amor John Angell James
Artigos A Fé em Relação à Santificação John Angell James
Artigos A Crise John Angell James
Artigos Felicidade John Angell James
Artigos A Necessidade da Influência do Espírito Santo John Angell James
Artigos Encorajamentos para o Progresso Cristão John Angell James
Artigos A Alegria do Amor John Angell James

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 37.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182392 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 144779 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 144280 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128013 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67110 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 63433 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 57784 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57148 Visitas
Entenda de uma vez por todas o Hino Nacional - Fabbio Cortez 57000 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53273 Visitas

Páginas: Próxima Última