Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Companheiros? Não eu!
Condorcet Aranha

Resumo:
prosa poética-social

COMPANHEIRO? NÃO MEU!

CondorcetAranha

À todos solto meus versos:
(“Orgulho é ser brasileiro,
Vergonha é ter como “chefe”,
Esse tal de “companheiro”)

Quanta tristeza me invade
E me gasta a paciência,
Ter por líder um covarde,
Que se esconde na inocência.

Quem não pune o infrator,
Por ser dele um amigo,
É omisso e sem amor,
Põe o Brasil em perigo.

Da cultura é o avesso,
Diz que ler é muito chato,
Quando fala é só tropeço,
Prefiro escutar um pato.

Qué! Qué! Qué! Gostoso ouvir,
Lá no fundo do quintal,
É melhor que o repetir,
De um cara que fala mal.

Desde quando ele fundou
O PT, este balaio,
Fala até de improviso,
Mas, pior que um papagaio.

Portanto faz muitos anos
Que Marco Aurélio Garcia,
Esconde-se atrás dos panos,
Da falsa democracia.

Grande amigo de Fidel,
Hugo Chavez e Allende,
Vai cumprindo o seu papel,
E o “companheiro” defende.

Sendo ele o conselheiro,
De assuntos do exterior,
Vai levando o “companheiro”,
Ao futuro de terror.







Cidadão de consciência,
Não serei mais um omisso,
Esgotou-me a paciência,
E ao País? Meu compromisso.

Do Turismo, esta ministra,
Que goza bem relaxada,
Nem sequer administra,
Aliás, não sabe nada.

O senado que vergonha,
Tem ladrão lá no seu cume,
É mais sujo que a bironha,
Que vive em cima do estrume.

E o molusco cefalópode,
Tudo assiste complacente,
Diz que fazer nada pode,
E abandona sua gente.

Quem brasileiro é, de fato,
Lá do sul até o agreste,
Há de caçar qualquer rato,
Pra se livrar dessa peste.

E o caos da aviação,
Que tanto usou no passado,
Pra cuspir na oposição,
Hoje, está bem piorado.

Mas, ele jura inocência,
De que nada ele sabia,
Teremos nós paciência,
Pra agüentá-lo mais um dia?

Seus parceiros de partido,
Fazendo “rolo” ao seu lado,
Quase nos faz comovido,
Dizer que foi enganado.

Imaginem! Entre parentes
E os companheiros de “luta”,
Desvios ficam patentes,
Quer de verbas ou conduta.



Vocês lembram do Dirceu,
Do Palocci e Genoíno?
O primeiro escafedeu,
Com os demais virou grã-fino.

Presidente do povão,
Usa terno de Armaní?
Quer humilhar seu irmão,
Ou dizer: “Nem percebi!”

Tendo no DOPS dormido,
Apenas por uma noite,
É político perseguido?
Tá merecendo um açoite!

Tem aviões na Embraer,
Que servem à nossa gente,
Mas, pra voar com a mulher,
Comprou um da concorrente.

Tendo perdido um só dedo,
Aposentou...É inválido?
Ou do trabalho tem medo?
Parece negócio esquálido.

Se, o estudo, ele não “topa”,
Porque mandou os herdeiros,
Estudarem na Europa?
Não entendo! “Companheiros”!

Ele é um absurdo,
De vergonha nacional,
Presidente sem estudo,
Gari com fundamental.

Quando eleito Deputado,
Da nossa Federação,
Sequer foi parlamentar.
Por que tamanha omissão?

Como pode aposentar,
Se ainda tem pouca idade?
Cidadão pra não morrer,
Trabalha uma eternidade!

Por que é que seus amigos,
Corruptos comprovados,
Não foram deste partido,
Como outros, expurgados?


Com tanta coisa sombria,
Entre o PT e a FARC,
Será que teremos um dia,
A nossa Joana D’Arc?

Não quero sequer pensar,
Em tamanha humilhação,
Quero sim, me orgulhar,
De viver nesta Nação.

Como pode falar tanto,
Sobre governos passados,
E calar-se, por encanto,
Sobre os seus processados?

Perguntas o povo faz,
Mas nunca obtém resposta.
“Companheiro” és incapaz
Ou tem cabeça de bosta?

A verdade falta agora,
Jamais deixa de chegar,
Por vezes até demora,
Mas vem pra desmascarar.

Portanto, sendo escritor,
Escrevo essa prosa em versos,
Com tristeza e muita dor,
Pelos momentos perversos.

Pois, não serão “companheiros”,
Transitórios no poder,
Que trarão os brasileiros,
No cabresto pra sofrer.

Governantes incapazes,
Corruptos, prepotentes,
Sentirão do povo a mágoa,
E a ira dos descontentes.

A palavra é o alimento
Da cultura e do saber,
Capim sacia o jumento,
Que jura ser chato ler.

Defensor da liberdade,
Darei minha própria vida,
Em defesa da verdade,
Do Brasil, terra querida.


Biografia:
Nome: Condorcet Aranha RG. 313.281 Órgão expedidor: Ministério da Guerra. CPF : 365568748-68 Natural de: São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro. Data: 29/01/1940. Endereço: Rua Mathilde Drefahl n° 44, Joinville, Bairro Floresta, Santa Catarina, Brasil. CEP. 89213-050. Telefone: 0XX – 47 – 3463.9813 Celular: 9973.8695 E-mails: condorcetaranha@brturbo.com.br wa.public@ig.com.br Escritor e Poeta Pesquisador Científico - Nível VI, aposentado pelo Instituto Agronômico (Campinas/SP} Governo do Estado de São Paulo. Doutor em Ciências, pela Universidade Estadual de Campinas/SP – UNICAMP. Farmacêutico-Químico, pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / RJ. Publicações Científicas: 5 livros e 60 artigos nas mais conceituadas revistas, boletins e periódicos científicos. Artigos científicos no jornal “O Estado de São Paulo”. Colaborador dos jornais “Diário do Povo” e “Correio Popular”, Campinas, SP. (poemas, contos e artigos científicos); Colaborador do “Jornal de Serra Negra”, Serra Negra, SP. (poesias, artigos científicos, análise política e charges). Colaborador com crônicas para o jornal “A Notícia”, Joinville, Santa Catarina. Publicações literárias em dezenas de antologias. Premiações em concursos literários a nível nacional e internacional. Livros solo: “Versos Diversos” poesias 2001, “Histórias do famaliá” contos/crônicas 2003, “Sonhos ou Verdades”contos/crônicas 2006. No prelo para março de 2006: “Verdades em versos” (poesias e trovas) e “Sonhos ou verdades” (contos e crônicas). Membro Titular da Cadeira n° 25, Colegiado Acadêmico, nas Áreas de Letras e de Ciências do Clube dos Escritores de Piracicaba São Paulo, Brasil. Membro no Grau Superior da Ordem da Sereníssima Lyra de Bronze, Porto Alegre / Rio Grande do Sul. Brasil Academico da Accademia Internazionale Il Convívio, Castiglione di Sicília, Itália. Membro da Casa do Poeta Rio-Grandense, São Luiz Gonzaga/ Rio Grande do Sul. Brasil. Membro Correspondente da Academia Ponta-Grossense de Letras e Artes – APLA – Paraná. Brasil. Membro Correspondente da Casa do Poeta Rio Grandense, Porto Alegre/RS. Brasil. Sócio Honorário da Associazione Culturale ZACEM, Città di Savona, Itália. Sócio da ALPAS XXI – Associação Artística e Literária Palavras do Século XXI. Sócio da APPERJ – Associação dos Poetas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro. Nome: Condorcet Aranha RG. 313.281 Órgão expedidor: Ministério da Guerra. CPF : 365568748-68 Natural de: São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro. Data: 29/01/1940. Endereço: Rua Mathilde Drefahl n° 44, Joinville, Bairro Floresta, Santa Catarina, Brasil. CEP. 89213-050. Telefone: 0XX – 47 – 3463.9813 Celular: 9973.8695 E-mails: condorcetaranha@brturbo.com.br wa.public@ig.com.br Escritor e Poeta Pesquisador Científico - Nível VI, aposentado pelo Instituto Agronômico (Campinas/SP} Governo do Estado de São Paulo. Doutor em Ciências, pela Universidade Estadual de Campinas/SP – UNICAMP. Farmacêutico-Químico, pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / RJ. Publicações Científicas: 5 livros e 60 artigos nas mais conceituadas revistas, boletins e periódicos científicos. Artigos científicos no jornal “O Estado de São Paulo”. Colaborador dos jornais “Diário do Povo” e “Correio Popular”, Campinas, SP. (poemas, contos e artigos científicos); Colaborador do “Jornal de Serra Negra”, Serra Negra, SP. (poesias, artigos científicos, análise política e charges). Colaborador com crônicas para o jornal “A Notícia”, Joinville, Santa Catarina. Publicações literárias em dezenas de antologias. Premiações em concursos literários a nível nacional e internacional. Livros solo: “Versos Diversos” poesias 2001, “Histórias do famaliá” contos/crônicas 2003, “Sonhos ou Verdades”contos/crônicas 2006. No prelo para março de 2006: “Verdades em versos” (poesias e trovas) e “Sonhos ou verdades” (contos e crônicas). Membro Titular da Cadeira n° 25, Colegiado Acadêmico, nas Áreas de Letras e de Ciências do Clube dos Escritores de Piracicaba São Paulo, Brasil. Membro no Grau Superior da Ordem da Sereníssima Lyra de Bronze, Porto Alegre / Rio Grande do Sul. Brasil Academico da Accademia Internazionale Il Convívio, Castiglione di Sicília, Itália. Membro da Casa do Poeta Rio-Grandense, São Luiz Gonzaga/ Rio Grande do Sul. Brasil. Membro Correspondente da Academia Ponta-Grossense de Letras e Artes – APLA – Paraná. Brasil. Membro Correspondente da Casa do Poeta Rio Grandense, Porto Alegre/RS. Brasil. Sócio Honorário da Associazione Culturale ZACEM, Città di Savona, Itália. Sócio da ALPAS XXI – Associação Artística e Literária Palavras do Século XXI. Sócio da APPERJ – Associação dos Poetas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro. Condorcet Aranha, Escritor,Poeta,Doutor em Ciências,Pesquisador-Científico, Farmacêutico-Químico.
Número de vezes que este texto foi lido: 28613


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Falar do passado... Condorcet Aranha
Poesias Anatomia do coração Condorcet Aranha
Poesias Lascas de saudade perdidas no tempo Condorcet Aranha
Poesias Sonhos marmóreos e a verdade Condorcet Aranha
Poesias Companheiros? Não eu! Condorcet Aranha
Poesias Grande Sertão: Veredas 2007 Condorcet Aranha
Contos As moscas Condorcet Aranha
Poesias A Formiga e a Rosa Condorcet Aranha
Poesias Aquarela do amor Condorcet Aranha
Contos O filho do defunto Condorcet Aranha

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 22.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 62940 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53981 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42933 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 40127 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39997 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 38138 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 37078 Visitas
Amores! - 35112 Visitas
Desabafo - 34653 Visitas
Faça alguém feliz - 33053 Visitas

Páginas: Próxima Última