Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Carta Do Planeta Terra
A CARTA
Jacques Calabia Lisbôa

Resumo:
Hoje venho aqui por meio desta carta escrita falar ao homem branco que sobre meu solo anda. As matas, as florestas, os rios que eram caudalosos e todas as maravilhas que eu produzi ao longo dos séculos, tem sidos exauridos pelo poder inconsequente do homem que destrói tudo que sua mão é capaz de tocar. Isso porque ele julga-se o legitimo dono do céu, da terra, do mar, do próprio ar que agora mesmo respira. _____________________________________________________________

Hoje venho aqui por meio desta carta escrita
falar ao homem branco que sobre meu solo anda.
As matas, as florestas, os rios que eram caudalosos
e todas as maravilhas que eu produzi ao longo dos séculos,
tem sidos exauridos pelo poder inconsequente do homem que
destrói tudo que sua mão é capaz de tocar. Isso porque ele
julga-se o legitimo dono do céu, da terra, do mar, do próprio
ar que agora mesmo respira. No entanto, cada homem que
pisa meu solo, matas e florestas, jamais percebe que eu sou a
mãe natureza e estou de fato chorando e sangrando por dentro
e por fora porque minhas forças são exauridas cada dia e noite.
Mês a mês, ano após anos, séculos após séculos e até por
milhares de anos todas as raças existentes não reconhecem e
não percebem chegar o fim de todos os recursos naturais de
sobrevivência de todas as criaturas que vivem em meu solo.
Os rios os vejo agora completamente poluídos, as matas destruí-
das e queimadas, as lagoas diminuem e secam repentinamente,
os animais, aves e insetos ficam extintos e o homem finge que
não tem nada haver com tanta destruição ao seu redor.
O ar que em mim se respira está agora poluído.
Na selva de pedra que vocês construíram dominam as máquinas.
Não se pode por a culpa só nos seus políticos corruptos e nos seus
governos de todas as outras nações ao meu redor.
Onde vocês todos podem encontrar um lar melhor que o meu?
No espaço sideral?
Lá é preciso mais que oxigênio.
As plantas que muito bem fabricam o precioso ar que vocês respiram
não são mais suficientes para salvar tanta gente no espaço sideral
e também aqui onde tomo conta do que vocês todos destroem.
Cada um de todos vocês não é diferentes dos criminosos que em
suas ruas matam, roubam. Na verdade, eles matam seus entes
queridos e cada homem, mulher faz o quê? Todos vocês juntos na
verdade matam aos poucos os meios que conservo para todos vi-
verem adequadamente com felicidade por milhares de anos.
Não vejo mais o bisontes das montanhas.
Os insetos nas florestas nativas já não existem mais.
Onde está o pardal? A rola e a andorinha?
Não vejo mais a abelha produzindo seu mel.
O urso polar também desapareceu.
Em nome de quem vocês constroem suas cidades?
Para que governo vai ficar todo deserto e tudo que está morto?
Não vejo mais muitas florestas, lagoas, rios ou qualquer outra
das belas plantas nativas que muito bem eu conservei para o
uso de todas as criaturas no meu solo que era fértil.
No meu céu sobe apenas a fumaça da destruição e poluição.
Os governos humanos correm para a morte certa.
Para quem ficará tudo o que restar em meu solo?
Para o homem de todas as raças?
No espaço não há mais espaço para fugir do seu belo planeta
que na verdade sou eu a "Terra".
"Eu a "Terra" e seu "Planeta" inteiro fico a chorar.
Enquanto isso o fim de vocês está em extinção mais breve
do que podem pensar...

                      ( JACQUES CALABIA LISBÔA )


OBSERVAÇÃO:
                  "VAMOS CUIDAR BEM DO NOSSO PLANETA TERRA".

Prezados amigos,
Deixem abaixo suas manifestações...
Vamos sensibilizar todo mundo e governos para cuidarem bem
dos escassos recursos do nosso planeta.
Jacques Calabia Lisbôa
Enviado por Jacques Calabia Lisbôa em 17/03/2016
Reeditado em 17/03/2016
Código do texto: T5576250
Classificação de conteúdo: seguro

     Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Biografia:
Adoro escrever Sou poeta desde menino. Já li paraíso perdido de Milton, Os lusíadas de Camões,Poesia e prosa de Edgar Allan Poe. Minha auto biografia estará disponivel em breve.
Número de vezes que este texto foi lido: 54841


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Gosto de Gótico. Jacques Calabia Lisbôa
Biografias DEUS ME DEU O DOM Jacques Calabia Lisbôa
Poesias Amei Sua Poesia (Poetrês) Jacques Calabia Lisbôa
Poesias A Sombra do Amanhã Jacques Calabia Lisbôa
Crônicas A Loucura do homem Jacques Calabia Lisbôa
Poesias A Sombra do Amanhã Jacques Calabia Lisbôa
Crônicas O Crime Escancarado Jacques Calabia Lisbôa
Poesias Filhos do Zica Jacques Calabia Lisbôa
Contos A MORTE E O TEMPO JACQUES CALABIA LISBÔA
Poesias Poeira ao Vento JACQUES CALABIA LISBÔA

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 42.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
A FARSA DA USURA - fabio espirito santo 55169 Visitas
O estranho morador da casa 7 - Condorcet Aranha 55168 Visitas
Decadência - Marcos Loures 55151 Visitas
A margarida que falou por 30 dias - Condorcet Aranha 55149 Visitas
Jazz (ou Música e Tomates) - Sérgio Vale 55144 Visitas
A calça preta - Condorcet Aranha 55144 Visitas
O Senhor dos Sonhos - Sérgio Vale 55134 Visitas
Amores! - 55131 Visitas
Menino de rua - Condorcet Aranha 55131 Visitas
Definida a final do Paulistão 2023 - Vander Roberto 55129 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última