Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Anistia para a imprensa
Domingos Bezerra Lima Filho

O presidente do Senado, Renan Calheiros, lembra, em artigo publicado no jornal Meio Norte (Teresina, 4/9/2006), os 27 anos de promulgação da Lei da Anistia, que trouxe de volta à cena brasileira os exilados pelo terror implantado no regime militar a partir da década de 60 do século passado. O 27 de agosto de 1979 foi, diz o senador, “o primeiro passo da caminhada à redemocratização”, que ainda não se efetivou em sua totalidade porque os instrumentos institucionais brasileiros precisam evoluir.

De lá até esta parte, é claro que a situação do país, no quesito liberdade, melhorou sensivelmente. Entretanto, para uma nação conquistar plenamente a democracia é necessário que, dentre outros pilares sociais, as forças econômicas – responsáveis pela organização econômica da sociedade – encontrem um contraponto na liberdade de imprensa, respeitadas as liberdades de informação e de expressão.

Fundamental para o desenvolvimento e estabilidade de qualquer povo – porque fator de conhecimento e de construção da realidade –, a imprensa deve exercer o seu papel social, ou seja, contribuir para o esclarecimento das comunidades onde os meios estão inseridos e de onde tiram o sustento.

Vemos, de Norte a Sul do Brasil, o poder econômico dos grandes empresários e o poder político das lideranças sobressair-se em detrimento das verdades que devem ser veiculadas pela mídia. Presenciamos a bota desses poderes sobre o interesse público, principalmente nas regiões mais carentes, onde determinam os conteúdos enunciados pela mídia.

A realidade contemporânea nos apresenta o poder político e o poder econômico aliados contra o interesse público e o direito “sagrado” e constitucional de o cidadão se informar. Em que pese a penetração da internet nas residências, empresas privadas e públicas, a força da grande imprensa – a imprensa tradicional que domina o sistema de comunicação social no país – é extremamente superior às possibilidades de acesso dos menos dotados de fortuna às novas tecnologias. O jogo de interesses é travado nesses dois grandes campos ocupados por minorias postas no topo da estrutura social.

O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, em vigor desde 1987, normatiza, em seus primeiros artigos, que:

Art. 1º – O acesso à informação pública é um direito inerente à condição de vida em sociedade, que não pode ser impedido por nenhum tipo de interesse.

Art. 2º – A divulgação de informação, precisa e correta, é dever dos meios de comunicação pública, independente da natureza de sua propriedade.

Art. 3º – A informação divulgada pelos meios de comunicação pública se pautará pela real ocorrência dos fatos e terá por finalidade o interesse social e coletivo.

Art. 4º – A prestação de informações pelas instituições públicas, privadas e particulares, cujas atividades produzam efeito na vida em sociedade, é uma obrigação social.

Art. 5º – A obstrução direta ou indireta à livre divulgação da informação e a aplicação de censura ou autocensura são um delito contra a sociedade.

Conflitos e acordos

Questiona-se, agora, com o professor João Carlos Correia, da Universidade da Beira Interior, de Portugal, em transcrição indireta: como conciliar a vocação da mídia para estabilizar os valores e a energia dos poderes superiores da sociedade com a tradição cultural de libertação experimentada historicamente por essa mesma mídia? A indagação deve alimentar a consciência midiática nacional. Pensar não chega a doer, mas atrapalha. E incomoda a alguns; não à grande maioria dos infelizes e injustiçados cidadãos brasileiros, “controlados” pela espetacularização das informações em detrimento das mensagens revestidas de verdadeiro interesse público.

Palavreado? Não; exigência do direito à informação, à liberdade de opinião, de expressão e de expressividade inerente à pessoa humana para viver em sociedade, em comunhão com os seus semelhantes em um país inscrito no ideal democrático.

Há espaço, sim, para os conflitos ou acordos tácitos de grupos e indivíduos livres, formadores de uma sociedade igualmente livre e agentes de um Estado soberano, autônomo, moderno, justo. Nessa relação dialógica de cidadãos, a imprensa brasileira carece firmar-se com mais dignidade e responsabilidade social.

Da imprensa ao povo

Não se desesperem, no entanto, os críticos, com as palavras acima. A nossa imprensa tem história digna de registro e orgulho. É uma instituição marcada pela coragem em muitos momentos, mesmo com percalços, com avanços e recuos. Todavia, como é nossa, é nosso dever questioná-la e dela exigir posturas mais aceites para as exigências da realidade falsamente globalizada dos dias atuais.

A categoria jornalística, integrada por pessoas que, na sua maioria, sobrevivem da profissão, em muitos casos se vê acuada. Jornalistas há que vez ou outra perdem seus empregos por desobedecerem a determinadas “ordens superiores”. Outra pergunta: quem são os superiores dos jornalistas? A resposta fica para os críticos deste artigo.

Quantos jornalistas foram presos e torturados durante o regime de exceção? Hoje, quantos jornalistas são ameaçados, assassinados, seqüestrados, demitidos por cumprirem sua tarefa de informar? A anistia a que se refere o presidente do Senado não se completou. A anistia que relembramos e comemoramos deve chegar à imprensa. E, chegando à imprensa, alcançará o povo.


Transcrito do Observatório da Imprensa
endereço eletrônico: http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br





Biografia:
Jornalista e professor universitário (Faculdade Santo Agostinho - Teresina - PI), nascido em Campo Maior/PI, em 1956. Ex-professor substituto (jornalismo) da Universidade Federal do Piauí; ex-secretário de redação dos jornais O Estado (Extinto) e Diário do Povo do Piauí; ex-editor de cultura do Jornal Diário do Povo do Piauí; ex-repórter,locutor, apresentador e diretor de jornalismo da Rádio Difusora de Teresina; ex-chefe da Divisão de Redação da Secretaria de Comunicação do Governo do Estado do Piauí; ex-repórter da Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Teresina; ex-editor literário do Jornal do Piauí (extinto). Integrou o movimento de renovação literária, no Piauí, na década de 70, quando participou de dois livros reunindo poetas piauienses. Ainda inédito, é contista, cronista, poeta e romancista. É professor, na Faculdade Santo Agostinho, das disciplinas Sistemas Nacionais e Internacionais de Comunicação; Crítica da Mídia; Comunicação Organizacional; Técnica de Reportagem, Entrevista e Pesquisa. É editor-executivo do jornal-revista PRESS, de Teresina. e-mail: climacomunicacao@hotmail.com
Número de vezes que este texto foi lido: 28999


Outros títulos do mesmo autor

Artigos O resgate de Coelho Rodrigues Domingos Bezerra Lima Filho
Poesias O dia seguinte Domingos Bezerra Lima Filho
Artigos Anistia para a imprensa Domingos Bezerra Lima Filho


Publicações de número 1 até 3 de um total de 3.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
A PASTORA DE OVELHAS E OS TRÊS REIS MAGOS - Saulo Piva Romero 0 Visitas
Selar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Durar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Semear - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Dourar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Amarrar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Serenar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Condicionar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Mar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Amar - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior