Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Fogão de Ouro
Bruna Longobucco

Eu não sei bem o que nos leva a escrever... se é a inspiração ou a vontade de dizer o que quase sempre a gente não pode, não deve. A gente faz o que não quer, sente o que não gosta, finge o que não é, segura o que não tem de verdade - Eta vida louca! Mas não fui eu quem disse. Vieram antes de mim e deixaram registrada essa impressão.
E é assim que a gente existe. Alternando entre um sorriso e uma lágrima, um suspiro e uma reflexão. Terra de altos e baixos, manhã de sol, dias de limites. Nem sempre a gente volta pra casa feliz; nem sempre a gente quer sair de casa; nem sempre a gente quer voltar pra casa.

Com Marculino deu-se o mesmo deslize de escolhas. Pobre desde menino, não viu outra razão de ser que não fosse a solidão – Casar pra quê?! Já era difícil se manter sozinho, quanto mais se fosse arranjar outras bocas para comer!
Começou como bóia-fria, via o raiar do sol em meio à folhagem da cana e, quando o céu conhecia os primeiros traços da noite, ele se despedia dos companheiros pulando a carroceria do velho caminhão, sussurrando um adeus reservado. Um inté que ele quase segurava entre os dentes com medo de demonstrar qualquer emoção.   

Os anos seguiam, a labuta aumentava, na mudança das estações, Marculino encontrava outras lidas e as moedas ganhavam peso no interior de um velho fogão. Se pensava em uma roupa melhor, achava bobagem. Seguia em frente, emendando buracos, costurando trapos.
Sapato, ora, deixava acabar até encostar a sola do pé na terra vermelha, aí, emendava com borracha que achava na estrada, tava mais que calejado... não era problema, gostava de pisar no mato.
Sabonete era luxo. Fazia sabão com os coquinhos que colhia pelo terreiro.
Da criação não dava prova, não experimentava para não desperdiçar. Vendia galinha, leitão, ovo, depois, guardava a renda satisfeito. Comia farinha, raiz e verdura. Vez em quando, fazia um fubá com a banha que ganhava de um vizinho. Afinal, se o outro era bobo de dá, ele não era de recusá.

É... desse jeito vivia Marculino. E permaneceu na mesmice durante anos. Porém, ao completar certa idade, deu-se que não encontrou força de ir cortar a cana, de fazer catira, renovar a produção. Não havia nos pés maltratados, condição de ir.

Cuidar da pequena horta parecia acolhedor, mas semente era cara... então, de repente, se gastava o que tinha, ficava sem nada. Recusou a solução, permaneceu sem ação.
Longe da lida, viu-se parte do que não sabia ser. Sem ter com quem falar, sem ter o que comer, sem ninguém que lhe desse ajuda. Porque enquanto era forte, Marculino não ajudou ninguém. Não fez graça, também não deu nada de graça. Teve moeda no fogão, ah, isso teve! Mas embora o dinheiro ganhasse tamanho e reluzisse sob seus olhos avaros, Marculino diminuiu. Escondeu-se da vida. Teve tanto medo de gastar a economia, que foi ele quem se gastou. Encolheu a tal ponto, que já não podia se mover.

E como nada que é triste vem sozinho, um dia, o mundo pede a conta pra gente. A doença chegou, o velho já não deixava o colchão que era ainda mais velho. Aí, entendeu... descobriu que o dinheiro ficaria no fogão. E ele, ih... Marculino seria raiz. Mas não daquelas que dão flores e enfeitam o horizonte. Na soma dos anos que percorreu, seria apenas um galho seco no chão. Tão sem cor quanto os trapos que juntou. Tão silencioso quanto os momentos que não viveu. Tão sem gosto, quanto as miudezas preciosas que não provou.

Sem filho, sem esposa, certa tarde, Marculino não resistiu devido à fraqueza e morreu. Foi um vizinho compadecido que viu seu destino e, um lugar, na terra lhe deu.
Algum tempo depois, o casebre ruiu. E foi o mesmo vizinho que, em meio ao pó e as cinzas, o dinheiro encontrou. Procurava a lata da banha, mas que artimanha! Graças ao interior do fogão, mudou de vida e, de pobre peão, era agora fazendeiro rico, temido na região.
A história de Marculino ganhou contorno no sertão. Toda noite, o povo de lá dizia, ao deixar a lida e saltar do caminhão:
- Você esconde o ouro no fogão, mas não segura o tempo nas mãos... cuidado! Que a vida passa, a solidão devassa. E o que você junta e guarda, vem outro e traça.


Biografia:
Filha de imigrantes italianos, Bruna longobucco nasceu em 10 de abril de 1978, em Belo Horizonte. Desde a infância, interessou-se por Literatura e escrever veio como um dom natural. Graduada em Comunicação Social e Direito, é autora de contos, romances, poesias, crônicas e músicas. Em 2004, começou a divulgar seus trabalhos com participação em várias antologias e outras publicações como as obras: O Menino que Tecia Sonhos (2004); Além das Nuvens (2005); Luz do Sol (2006); O vale da liberdade (2007); Um outro olhar (2008) e Sem destino (2009). Seu objetivo maior é criar e recriar mundos, lugares e momentos, sensibilizando os leitores a quem suas obras se destinam. Outras informações: www.brunalongobucco.com
Número de vezes que este texto foi lido: 28577


Outros títulos do mesmo autor

Poesias AMOR Bruna Longobucco
Poesias Fogão de Ouro Bruna Longobucco
Poesias O caminho Bruna Longobucco
Poesias A Lembrança Bruna Longobucco
Contos O DIA EM QUE A COBRA FOI A JULGAMENTO Bruna Longobucco
Poesias A PRAIA Bruna Longobucco
Poesias O OUTRO OLHAR Bruna Longobucco
Poesias Louco sentido de gente Bruna Longobucco
Poesias Muros de pedra Bruna Longobucco
Poesias Os outros mesmos rostos Bruna Longobucco


Publicações de número 1 até 10 de um total de 10.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 57793 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53079 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39348 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 34931 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34179 Visitas
Amores! - 33407 Visitas
Desabafo - 33032 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31810 Visitas
Faça alguém feliz - 31750 Visitas
Vivo com.. - 31454 Visitas

Páginas: Próxima Última