Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
JEZEL LIVRO 2 CAP 3
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
EXCELENTE

Perceu ali tão perto de Jezel tenta mais uma vez feri-la com a flecha porém Yoko abre sua bolsa e desta retira uma pena cinza, com um breve rito ele sopra esta, um vento forte forma-se ali.
    Perceu tenta fugir porém se vê diante a 2 arcanjos que o prendem, Jocasta dá ordens para seus subordinados que levantam a sua liteira, ela grita com um copo de barro na mão, joga o liquido no chão, neste solo brotam alguns arbustos de folhas negras, quando vão movimentar a liteira esta cai e a rainha das trevas vê seus escravos correrem, debandar-se.
    Ali na sua frente Jezel, seus olhos em um vermelho vivo, abre sua boca, uma nuvem de gafanhotos atinge a rainha que revida com magia, Perceu vem até elas e tenta com feitiços parar Jezel que solta um grito tão forte que arremessa o líder dos Kolunus para muito longe.
    Jocasta tenta fugir porém Jeriah a detêm com uma espécie de bússola que a faz ficar imóvel e suas magias assim ficam por milésimos do tempo bloqueadas, o suficiente para Jezel lhe acertar com as 3 adagas que ganhara de Esmery.
    Jocasta solta fortes gritos de estremecer toda a região, no céu se rompe uma espécie de fissão, desta saem alguns demônios alados que recolhem o corpo de sua rainha ali lavada em sangue que se torna gosmento e preto.
    Ao longe vê-se dentro da fissura a figura de uma criatura aterrorizante de chifres imensos.
    - O que foi aquilo?
    - Não sei.
    Jeriah sente calafrios por ter visto aquele ser, Yoko olha ao redor diversos Kolunus mortos, o céu vai retornando a um azul celeste, o sol já demonstra sua tranquilidade.
    As bruxas surgem ali e logo todo todo o lugar é tomado por diversos anões da ordem que recolhe os cadáveres.
    Yoko procura por Jezel e a encontra caída, ferida, á beira do lago, ele procura em sua bolsa por alguma medicina, encontra um vidro de cor opaca, despeja o liquido na boca da guerreira que já saíra do transe retornando a um aspecto mais simples e conhecido.

    - O que houve com ela?
    - Esta muito ferida.
    - O que faremos?
    - Temos de tira-la daqui.
    - Para onde?
    - Calma, estou pensando. Yoko diz para Jeriah, sem perceberem uma bruxa se aproxima deles.
    - Levem-na para a cabana da floresta.
    - Por que ouviriamos você?
    - Por que eu sei o que ela tem, e sei a cura disto.
    - Como vamos leva-la, o lugar que diz é muito longe e ainda para ajudar só temos um cavalo?
    A bruxa vai até Yoko e toca em sua testa ele cai e logo flutua.
    - O que foi isso, que tipo de bruxaria fez em meu amigo?
    - Só retirei o seu selo mágico de bloqueio.
    Yoko retorna os sentidos e percebesse que esta voando.
    - Eu posso voar?
    - Agora levem-na logo, o veneno esta ficando mais potente.
    



    Yoko voa diminuindo a intensidade entrando em modo de plainar no ar, trazendo preso a si 3 cordas e 2 correntes que estão presas aos 2 amigos, Jezel tem sua febre aumentada, em uma espécie de jangada improvisada pelas bruxas, feita de caules de coqueiros, ali ela repousa tendo seu corpo aquecido pelo cavalo e Jeriah que tem encostado seu corpo no da guerreira.
    - Falta muito?
    - Já estou vendo o lugar.
    - Como vamos descer ao solo?
    - Isso sim será um grande problema, eu não faço idéia.
    Conforme se aproxima em altitude de córrego abaixo deles, Yoko sente que suas forças diminui estranhamente.
    - O que esta havendo Yoko?
    - Estou me sentindo fraco.
    - E agora?
    - Fique calmo, não deixe ela se assustar.
    - Tudo bem.
    Do nada, Yoko perde o restante da sua força e todos caem em queda livre, porém ele tem parte desta força restituída de forma misteriosa e eles plainam a pouquissimos centímetros do solo.
    Em terra firme, Jeriah dá água para o cavalo e busca algum capim, porém o animal já encontrara algum próximo a beira do córrego.
    - Onde estamos?
    - Não sei Jeriah, mais agora temos de ser rápidos. Jezel tem sua pele a se tornar em um tom esverdeado.
    - Será que...
    - Sim, o efeito do veneno aliado ao feitiço esta piorando a sua saúde.
    - E agora?
    - Vamos.
    Jeriah montado no cavalo e levando consigo Jezel que reduziu seu peso considerávelmente, enquanto Yoko sobrevoa indicando o local da cabana.
    Algum tempo passa e eles já estão há poucos metros do local, Jeriah bate a porta desta, ouve um entre em língua antiga.
    - Vou entrar. Com a guerreira nos braços, totalmente debilitada, Yoko entra depois e presta reverência e saudações mágicas aos 3 caciques que se encontram dentro da cabana que por sinal é imensamente maior do que por fora.
    - O que os trazem a este templo?
    - Templo?
    - Sim, este é o templo de Azurbe.
    - Azurbe. Diz Jeriah em tom surpreso, Yoko vem a ele.
    - Já ouvi falar, minha avó contava estórias sobre este lugar e de seu povo.
    - Mais. Um dos caciques faz sinal para que tragam a eles Jezel.
    - Poderá ter cura?
    - Isso só depende dela, ninguém mais pode ajuda-la.
    - Malditas bruxas, nos enganaram.
    - Para um servo de Esmery tem se tornado um tanto fraco.
    - Me perdoe.
    Jeriah se dobra ao chão diante aos caciques.
    - O que foi Jeriah?
    - Me lembrei, os velhos do palácio também contavam estórias, eles são os anciãos sagrados.
    Yoko se curva também, um deles ali na frente lhes diz que façam os pedidos frente a um pequeno totem a direita deles e coloque flores.
    - Flores?
    - Sim, para a Deusa Efênya.
    - Efênya?
    - Sim.
    Yoko sai da cabana e anda alguns passos e escolhe pequenos ramos de mosquitinhos do campo.
    - Acho que deve servir. Ao retornar não encontra mais a cabana.
    - Que inferno, onde foi parar?
    Jeriah estranha a demora de Yoko, Jezel ali deitada tem seu corpo irradiado por ritos e mantras xamãs, sente ali um calor e depois um ar gélido toma conta do ambiente.
    - Vou procurar Yoko.
    - Não deve sair daqui, ele esta sendo provado.
    - Que tipo de prova?
    - Ele tem de se interrogar e achar por si as suas respostas.
    - Isso esta ficando um tanto louco.
    - A loucura é a base de todo esclarecimento.
    - Como diz?
    - Olhe para si, realmente sente e vê tudo que esta ai em seu peito?
    - O que vocês fizeram com meu amigo?
    - Se ele for realmente amigo de vocês ele logo retornará.
    - Senão?
    - Ficará preso em jardim de incertezas.
    Yoko anda por todos lados, corre e não sai em meio as flores que ele começa a ter para si estão se multiplicando de forma rápida e uniforme, praticamente infestando qualquer trecho vazio daquele imenso campo, sepre que as toca com suas mãos tem lembranças de sua vida, boas e ruins.
    - Por que, por que isso?
    Logo se vê entre uma lembrança que o marcou muito, a morte de sua mãe em uma aldeia de prata, lugar miserável e triste.
    - Mamãe.
    - Filho.
    Ali na sua frente, sua mãe, de pele morena segura forte a mão daquele garoto, a respiração dela é cada vez mais fraca.
    - Mãe, você esta melhor?
    - Por favor Yoko me prometa.
    - O quê, mãe?
    - Vai ficar com Esmery, não saia de perto dela até atingir seu grau de magia.
    - Que magia mãe?
    - Me desculpe querido eu sinto muito, mas não poderei ficar do seu lado e nem te cuidar.
    - Por que mãe, por que, espere eu vou colher as frutinhas que te curam, agora, eu vou tá.
    - Não tem mais como, eu preciso...
    - Mãe, não. Ao fechar os olhos suas mãe não retorna a vida, ele ali debruçado, lágrimas empapam o lençol naquele trecho que ele repousa sua face.
    - Não, minha mãe, minha mãezinha.
    Yoko é retirado de sua dolorosa lembrança tendo a sua frente um penhasco.
    - Onde estou?
    - Olá forasteiro.
    Ele se vira, a sua frente uma jovem pele clara, cabelos longos, vestido branco rico em conchinhas aquáticas e traz de ornamento na cabeça plantas aquáticas.
    - Quem é você?
    - Sou Efênya, sua protetora, Yoko.
    - Como sabe meu nome?
    - Sei de tudo, principalmente o que quero saber.
    Ele se lembra dos ditos na cabana, cai de joelhos se curvando diante a moça.
    - Me perdoe Deusa, senhora de toda a vida.
    - Fique de pé, já havia visto seu coração.
    - Como?
    - Trazes graves feridas.
    - O quê?
    - Não adianta tentar colocar uma pedra de jorra tanta angústia e perdas.
    - Por que ela se foi?
    - Isso só cabe ao grande Mestre, o Criador.
    - Eu preciso tanto dela.
    - Vocês sempre irão precisar de outros.
    - Vou ve-la algum dia?
    - Se conforme, ela te cuida com um breve sorriso toda manhã.
    - Como?
    - Você não a vê, mais ela sempre esteve e estará a te zelar e cuidar de ti.
    - Sinto muito a falta dela.
    - Mais havia um outro que também a sentia.
    - Quem?
    - Seu pai.
    - Desculpe Yoko tocar em ti com isso, mais a verdade é que ele sempre te quis.
    - Um dia minha mãe me disse...
    - Que ele a abandou e a ti também?
    - Sim.
    - Ela só quis lhe protejer de algumas injustiças.
    - Injustiças?
    - Nem sempre poderão ter tudo a que lhes pertence.
    - Meu desejo.
    - Sua amiga guerreira?
    - Vai cura-la?
    - Ela ja esta se curando, o que me faz estar aqui são as tuas feridas.
    - Eu estou bem.
    - Será, acho que diz para os outros ppor que não quer a piedade deles.
    - Não sou um fracasso, sou um aprendiz de...
    - Você já tem consigo as fórmulas e convicções, ja esta preparado há tempos.
    - O que diz?
    - A sua barreira mágica já fora quebrada, porém a tua fortaleza que você criou para se distanciar ainda esta ai.
    - Eu quero voltar.
    - Isso depende de ti.
    A Deusa desaparece de frente enquanto alisa os cabelos dele.
    - Eu quero, eu a quero de volta. Yoko grita com extrema força interior que todo local se enche com sua sonoridade.
    Lágrimas descem de seus olhos e ali diante dele a mãe, sua mãe se materializa.
    - Mamãe você me ouviu, finalmente me ouviu e veio para me ver, me buscar? Ele tenta abraça-la mais ela desaparece e ele diz em tom natural.
    - Eu já te perdoei por tudo, só preciso que me perdoe querida mãezinha.
    Uma forte luz invade ali e seus olhos sentem um ardor, ele os fecha e logo isso passa, quando abre os olhos ali em sua frente esta a porta da cabana.
    Ele entra e ai se dá conta, esqueceu ou deixara cair o ramo de flores para o totem.
    - Yoko. Jeriah corre até o amigo em felicidade o abraça procurando por algum ferimento ou fratura.
    - O que é isso?
    - Você esta bem?
    - Claro que estou.
    O aprendiz vai até os 3 caciques e ali se curva.
    - Me desculpem, não trouxe as flores.
    - E estas que estão presas a sua bolsa.
    Yoko olha para a bolsa e nesta 3 galhinhos de rosas quase secas ele as deixa no totem e ela florescem ali enchendo o lugar de colorido e exalando um doce perfume.
    - Ela o quer em boa posição. Diz um dos caciques.
    - Quem?
    - A Deusa.
    - Efênya?
    - Sim, a sua madrinha de magia.
    - Mais eu ainda não terminei...
    - Você já esta mais que pronto, mago Yoko.
    - Mago?
    - Sim. Jeriah corre novamente e lhe parabeniza e os 2 festejam e enem se dão conta que todo lugar se desfaz e que a guerreira os olha com fagulha nos olhos.
    - Jezel, você esta melhor, está curada.
    - Vamos logo embora deste lugar.
    - Mais e os anciãos?
    - Que velhos?
    - Meu Deus, onde foram?
    Ao redor deles agora só há ruinas de um templo que fora destruido há muitos séculos.
    - Ai me deu uma fome.
    - Novidade hein. A guerreira diz para Yoko, Jeriah avista ao longe um cervo pastando, Jezel pede silêncio e dali ela lança uma adága que perfura o pescoço do animal.
    - Minha nossa.
    - Agora preparem nossa refeição.
    - Para agora mesmo.
    






       " NÃO SE FAZ DA CARNE TUDO QUE SE TEM VONTADE, O ORGULHO, AVAREZA E SUJEIRA TRAZ ALGUNS EMPECILHOS PARA AQUELE QUE PRETENDE SER SEU PRÓPRIO JUIZ, ATÉ QUE FIQUE BOM, NÃO QUEIRA JAMAIS SOPRAR SUAS FERIDAS, PODEM APODRECE-LAS E O ODOR FÉTIDO ATRAIR MAUS ABUTRES ".


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 375


Outros títulos do mesmo autor

Contos SÓ VIVER 7 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 6 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 14 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 13 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 12 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 5 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 4 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 3 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS CAP 11 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 10 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 108.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185985 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 166086 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 165458 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 131115 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 118178 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81469 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 70204 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 65837 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 60917 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 56192 Visitas

Páginas: Próxima Última