Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Uma voz interior
Ana Mello

Loucura ou não, não sei dizer, mas tudo começou com minha avó. Quando eu tinha uns seis anos, ouvi-a aconselhando uma amiga. Dizia que era preciso meditar, ficar em silêncio, para ouvir certa voz interior, que vinha do coração.

Muitas outras vezes eu vi, ela falava sozinha em voz baixa, sorria até. Balançava a cabeça afirmativamente, concordava. Adorava vê-la assim. Tanto, que descobri ou criei, um amigo imaginário que também falava comigo. Íamos juntos para o colégio, brincávamos, e ele até fazia os temas comigo. Ele ou ela, podia ser o que eu quisesse. Era menino quando nós subíamos na goiabeira e meninaquando vestíamos as bonecas.

Não sei bem quando meu amigo foi morar em outro lugar, ficou distante. Também não sei precisar o exato momento em que ele voltou a falar comigo. Hoje sei que ele amadureceu muito, me dá conselhos precisos e na hora certa. Nem sempre são palavras, mas são respostas que surgem na forma de um livro, de uma pessoa, um acontecimento cotidiano.

Alter ego ou consciência, espiritualidade, anjo da guarda? Piração?
Sei lá. Estando sob controle é a conta. E tenho confiança que isso não é privilégio meu. Sei que para outros, isso foge completamente ao controle. O limite entre a sanidade e a loucura pode tornar-se sutil.

Estou participando de uma oficina de crítica do conto, na CCMQ, com Flávio Ilha. O primeiro conto analisado foi William Wilson do Edgar Allan Poe. O conto é a história de um homem que se sente perseguido por um sujeito de mesmo nome que tenta roubar-lhe a identidade e a vida. O fim é trágico.

O autor denuncia-se, dá pistas de que o conflito é o dele mesmo. Uma luta interna da perversidade com a vontade agir corretamente que segundo ele, estaria em todo ser humano. Os deslizes do narrador são os do escritor, alcoolismo, vício pelo jogo. No conto, a obsessão em derrotar o duplo chega ao extremo e na ânsia de acabar com o tormento o suicido é a única alternativa. Porém, matando o homônimo, William Wilson acaba com a própria vida.

Mas estou tranqüila, minha voz interior não esconde nenhuma perversidade, nem compete comigo em nada. É mais aquela voz que tantas pessoas confessam abertamente. Uma voz sábia, visceral.
Uma intuição.

Se você também ouve essa voz, não tenha medo, analise, escute, quem sabe não vem daí uma boa dica.

...O som de alguém que batia levemente a meus umbrais.
"Uma visita", eu me disse, “está batendo a meus umbrais”.
É só isto, e nada mais. ...
(Versos do poema O Corvo de Edgar Allan Poe, tradução de Fernando Pessoa)


Biografia:
Para saber mais sobre a autora acesse http://anamello.multiply.com
Número de vezes que este texto foi lido: 20598


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Desinfetante Ana Mello
Poesias Desinfetante Ana Mello
Crônicas Fogo que arde Ana Mello
Crônicas Manias Ana Mello
Crônicas Assuntos complicados Ana Mello
Contos Compunção Ana Mello
Contos No elevador - faltou luz Ana Mello
Crônicas Uma voz interior Ana Mello
Crônicas Oficinas e pessoas Ana Mello
Crônicas A verdade está nas unhas Ana Mello

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 27.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183199 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 152327 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 151608 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128642 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67654 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 66390 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 59820 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 59718 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57849 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53807 Visitas

Páginas: Próxima Última