Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Selo do Crente
Silvio Dutra

Resumo:
Deus, além do selo interior no crente pelo Espírito Santo, também o sela por meio dos sacramentos, para significar a união deles com Cristo.


Por Wilhelmus à Brakel (1635-1711)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra






O selo do crente pelo Espírito Santo e por meio dos sacramentos
Todos os caminhos do Senhor com seus eleitos são misericordiosos. Isso não só é verdade, trazendo os mais miseráveis entre eles para a maior felicidade depois desta vida, mas também porque Ele concede muitos benefícios a eles enquanto viajam neste mundo. Ele os conduz de uma maneira maravilhosa; todo passo é uma manifestação de sabedoria e bondade insondáveis. Isto é Seu desejo que eles vejam e saibam disso, e que eles vivam na certeza de Sua bondade para com eles.
Para facilitar isso, numerosas marcas e qualificações de almas graciosas são apresentadas na Palavra de Deus, e desta forma muitas promessas são feitas e repetidas. Sim, acima e além disso, o Senhor lhes dá um selo, e transcendendo toda adoração, o próprio Espírito Santo é aquele selo que sela a herança eterna para eles. Ele faz Ele mesmo internamente, bem como da maneira mais proporcional à natureza humana: por meio de sinais externos e selos, geralmente chamados de sacramentos.
Uma descrição do ato de selar
Selar é a impressão do brasão de alguém - gravado em um sinete - sobre algo, fazendo-o,
1) para distinguir uma propriedade particular da de outros;
2) ocultar algo dos outros;
3) preservar algo em sua pureza; e
4) garantir a participação de alguma coisa.
O Espírito Santo realiza este trabalho pela instrumentalidade da Palavra, a fim de gravar Suas operações no coração dos crentes.
O selamento pelo Espírito Santo e o que ele realiza por meio dele
O apóstolo testifica que o Espírito Santo sela os crentes: “E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção.” (Ef 4:30).
As atividades e os propósitos do processo de selagem também são aplicados aos filhos de Deus.
(1) O próprio Espírito Santo é o selo e penhor da herança prometida. “Em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória.” (Ef 1: 13,14).
(2) O Espírito Santo imprime a imagem de Deus nos filhos de Deus. Eles são a imagem expressa de Cristo.
“Também teremos a imagem do celestial” (1 Cor 15, 49); "Eu trabalho ... até que Cristo seja formado em vós" (Gl 4:19).
O Espírito Santo realiza isso regenerando e santificando-os. "E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.” (2 Cor 3:18).
(3) Outros reconhecem os crentes por meio desse selo, e Deus sabe que eles são propriedade dEle. "Entretanto, o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os que lhe pertencem. E mais: Aparte-se da injustiça todo aquele que professa o nome do Senhor.” (2 Tim 2:19). Por este meio, os não convertidos reconhecem o regenerado, percebendo que existe um espírito diferente e uma vida diferente neles. “Ao verem a intrepidez de Pedro e João, sabendo que eram homens iletrados e incultos, admiraram-se; e reconheceram que haviam eles estado com Jesus.” (Atos 4:13); “A sua posteridade será conhecida entre as nações, os seus descendentes, no meio dos povos; todos quantos os virem os reconhecerão como família bendita do SENHOR.” (Is 61: 9).
Os crentes sabem por este selo que são filhos e herdeiros de Deus. “Nisto conhecemos que permanecemos nele, e ele, em nós: em que nos deu do seu Espírito.” (1 João 4:13).
(4) Os crentes, por meio desse selo, estão ocultos dos olhos do mundo. O mundo de fato percebe que há um espírito e uma vida diferentes nos crentes, mas não está familiarizado com a glória e a felicidade de seu estado. "Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a ele mesmo.” (1 João 3: 1); “porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória.” (Cl 3: 3,4).
(5) Por meio desse selo, os crentes são preservados livres de manchas. Em referência a isso, eles são chamados de “uma fonte selada” (Cânticos 4:12). Apo 7: 3 também se refere a isso: “Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos na fronte os servos do nosso Deus.”
(6) Pelo selo do Espírito Santo, os filhos de Deus têm a garantia de serem participantes da aliança da graça e de todas as suas promessas. “Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente.” (1 Cor 2:12). O Espírito Santo revela as graças que foram colocadas dentro deles. Ele os dirige a textos que prometem salvação àqueles que estão em tal condição. Ele lhes permite entender completamente esses textos e, por eles, tirar uma conclusão sobre seu estado de graça. Seu julgamento santificado os convence disso, e o Espírito Santo se une a isso por Sua operação imediata em seu coração. Assim, ele testemunha em harmonia com o que o espírito deles julga e testemunha de si mesmo, confirmando que seu julgamento sobre si é correto. Portanto, por meio de testemunho do próprio julgamento, Ele deixa claro para eles e imediatamente deixa viva a garantia de que eles são participantes das promessas. "O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus" (Rm 8:16).
O selamento também ocorre por meio dos sacramentos
Deus, além deste selo interior, também sela por meio dos sacramentos. Deus lida com o homem de uma maneira que é mais consistente com sua natureza. O homem consiste em alma e corpo. Visto que é desejo de Deus garantir abundantemente ao homem a graça que ele possui, Ele usa meios que se relacionam com a alma e o corpo. A Palavra de Deus afeta a alma; e isso gera iluminação, fé, regeneração e fortalecimento; os sacramentos afetam os sentidos externos e, assim, a alma.
A palavra sacramento não é encontrada nas Escrituras e sua origem é incerta. Provavelmente é um derivado do sacrare, isto é, santificar e separar e/ou dedicar a um propósito sagrado. Devido ao seu uso comum, podemos preservar a palavra como tal. Os escritores gregos também chamam um sacramento de mistério, no entanto, essa palavra também é extrabíblica. Um sacramento é realmente um mistério; no entanto, nem todos os mistérios são sacramentos. A Escritura refere-se a um sacramento como um sinal e um selo. "... e será um sinal da aliança entre eu e você" (Gen 17:11); “E recebeu o sinal da circuncisão como selo da justiça da fé que teve quando ainda incircunciso; para vir a ser o pai de todos os que creem, embora não circuncidados, a fim de que lhes fosse imputada a justiça.” (Rm 4:11).
Um sacramento é um sinal visível e selo da aliança da graça, instituída por Deus para mostrar Cristo em Seu sofrimento e morte aos crentes, e selar aqueles que são participantes de Cristo e de todos os Seus méritos.
Para entender corretamente a natureza dos sacramentos, devemos observar neles cinco questões que devem estar presentes em todo sacramento. Portanto, algo não é um sacramento quando as cinco questões seguintes estão ausentes:
1) o Autor ou a Pessoa que o instituiu,
2) um sinal externo,
3) a matéria significada,
4) a relação entre o sinal e a matéria significada, e
5) a finalidade.
Deus, o autor dos sacramentos
O autor ou a pessoa que os instituiu não pode ser outro senão Deus. Não basta que algo tenha sido instituído por Deus, mas deve ter sido instituído por Deus como sacramento e, portanto, como selo da aliança de graça, porque:
(1) Deus - e mais ninguém - estabelece a aliança. “No mesmo dia, o Senhor fez uma aliança com Abrão” (Gn 15:18); "E estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência após ti" (Gn 17: 7).
(2) Somente Deus faz as promessas e dá os assuntos prometidos. “Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e não me lembro dos teus pecados” (Is 43:25).
(3) Os sacramentos pertencem àquela religião que Deus apenas ordenou e instituiu. "Mas em vão eles me adoram, ensinando doutrinas que são mandamentos de homens” (Mt 15: 9).
(4) As Escrituras declaram claramente que Deus instituiu os sacramentos. Isso é verdade para a circuncisão (Gn 17:10), a Páscoa (Êx 12: 3,27; 2 Crôn 35: 6), o batismo santo (João 1:33; Mateus 28:19) e a Ceia do Senhor (Mateus 26: 26-28; 1 Coríntios 11:25).
Além do Autor dos sacramentos, consideramos os homens que os administram - homens enviados por Deus, proclamam a Palavra de Deus e administram os sacramentos.
(1) Isso também é evidente na prática comum no Antigo e no Novo Testamento.
(2) Além disso, Cristo uniu o ministério da Palavra a isto: “Ensine todas as nações, batizando-as” (Mt 28:19). João batizou e pregou no deserto (Marcos 1: 4); “... Aquele que me enviou para batizar com água ...” (João 1:33).
(3) Visto que o sacramento é administrado a alguém em nome de Cristo, ninguém pode administrá-lo a menos que ele tenha sido enviado e autorizado para esse fim por Cristo. Além disso, para o indivíduo, não é um sacramento, exceto que ele receba da mão de um servo comissionado - um servo que é ministro de Cristo e mordomo dos mistérios de Deus (1 Cor 4: 1). Portanto, rejeitamos qualquer batismo administrado por indivíduos, seja homem ou mulher. Se as pessoas que foram batizadas são convertidas posteriormente à fé, elas são batizadas em vez de rebatizados, pois o primeiro não era batismo. Trataremos disso de maneira mais abrangente no próximo capítulo (Santo Batismo).
Pergunta: A intenção daquele que administra pertence à essência do sacramento?
Resposta: Os papistas afirmam que a intenção do ministro é absolutamente essencial aqui. Assim, é verdade que, se o ministro não tem a intenção que ele deveria ter - administrar o sacramento ao comunicante para tal propósito que foi instituído por Cristo - não é então (assim eles afirmam) um sacramento, e tal criança não é batizada, nem esse participante participou da Ceia do Senhor. Sim, eles vão além disso e mantêm - o que deve seguir necessariamente que, se alguém, tendo sido batizado sem que o ministro tenha a intenção apropriada de fazê-lo, sendo um sacerdote, toda a sua administração dos sacramentos é, portanto, tornada nula e sem efeito, pois o próprio sacerdote não foi batizado e, portanto, não é sacerdote. Nós sustentamos que um ministro deve se comportar de maneira santa na administração dos sacramentos, e que ele comete um grande pecado, se esse não for o caso. O bem dele ou má intenção, no entanto, (ou a ausência de qualquer intenção) não tem nenhuma referência à verdadeira essência dos sacramentos.
Primeiro de tudo, não há uma letra na Palavra de Deus referente a isso. Em segundo lugar, a eficácia dos sacramentos então, não fica dependente das promessas, objetivos e selamento de Deus, mas do servo. Então o selo do sacerdote teria mais valor e seria mais eficaz do que o de Deus, e sua intenção poderia anular o objetivo de Deus, sua promessa e selo. Em terceiro lugar, ninguém poderia ter certeza se ele foi batizado, pois ele não poderia ter garantia de que a pessoa que o batizou havia sido batizada e era sacerdote legítimo (falo como os papistas) - e mesmo que fosse esse o caso, se ele tinha a intenção adequada de batizá-lo. Daí resulta que essa proposição destrói toda a sua religião.
Os sinais externos dos sacramentos
O segundo aspecto que deve ser encontrado em um sacramento é o sinal externo. Um sinal é aquilo que se manifesta para os sentidos externos, significando assim algo mais para o coração . Alguns sinais são de natureza natural, como fumaça é um sinal da proximidade do fogo; se o céu estiver vermelho melancólico pela manhã, a chuva é iminente. Alguns sinais são para título de designação. As grinaldas encontradas nas pousadas e os sinais encontrados ao longo dos canais e estradas provam que isso é verdade da perspectiva humana. Isso também pode ser verdade da perspectiva de Deus, que instituiu sinais religiosos; é o caso dos sacramentos, também chamados de sinais.
Existe uma substância externa, visível e tangível presente em todo sacramento - uma substância distinta da Palavra de Deus. Onde quer que essa substância esteja faltando, não há sacramento. A igreja sempre manteve isso e, portanto, também é a base para o seguinte sentimento: Quando a Palavra se une ao elemento, existe é um sacramento . A Palavra que é conjunta ao elemento é dupla: existe a fórmula institucional pela qual esse elemento é estabelecido como sinal e selo, e a Palavra da promessa, assegurando que os benefícios prometidos do pacto de graça serão dados aos participantes crentes dos sacramentos. Que existe a presença de uma visível substância tangível em cada sacramento é evidente em todos os sacramentos.
(1) Na circuncisão houve a remoção do prepúcio; na páscoa havia o cordeiro; no batismo existe a água; e na ceia do Senhor há pão e vinho.
(2) A própria natureza de um sacramento exige isso. Algo não pode ser um sinal de selagem, a menos que seja visível e tangível. Isso deve ser observado em referência aos papistas que, para justificar seus sete sacramentos, sustentam que a audição da Palavra pode designar algo para ser um sacramento. No entanto, 1) não haveria diferença entre a Palavra e um sacramento, e 2) ou o som das palavras constituiria o sacramento - no entanto, não haveria acordo entre um sinal e o assunto significado - ou então o que se deseja transmitir pelo som da voz que constituiria o sacramento; mas não haveria sinal externo. Assim permanece certo que uma substância tangível e visível deve estar presente em cada sacramento. Há também a interação com os elementos do ministro que asperge a água, parte o pão, derrama o vinho e distribui o vinho derramado e o pão partido; e da mesma forma pelo comunicante , que os recebe, pega, come e bebe.
Essas ações também têm seu significado e aplicação.
A questão significada nos sacramentos
O terceiro aspecto a ser observado em cada sacramento é o assunto que é significado . Este é Cristo e todos os seus méritos. Isto é evidente nas seguintes passagens que os sinais externos apontam para Cristo. “Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte?” (Rom 6: 3); “Porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes.” (Gl 3:27); “e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.” (1 Cor 11: 24,25). Isso é também evidente que os sacramentos apontam para os méritos de Cristo. “... seja batizado e lave os teus pecados” (Atos 22:16); "... que é dado por vós” (1 Cor 11:24); “Porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados.” (Mt 26:28).
Esses dois - o sinal externo e o assunto significado - não são um e o mesmo, mas são distintos um do de outro. Eles são distintos na natureza:
1) sendo um terrestre e outro celestial;
2) aquele que desfruta com o corpo e o outro com a alma, e
3) um pertencente ao corpo e o outro à alma.
A relação entre o sinal e a matéria no sacramento
Em quarto lugar, há uma relação entre o sinal e o assunto significado. Esses elementos não devem ser considerados como meramente água, pão e vinho, mas como se referindo a outra coisa: corpo e sangue de Cristo, quebrado e derramado para fazer satisfação. Os elementos são de natureza total e puramente representativa, de modo que, por meio de representação, o sinal está unido ao assunto. Esta não é uma união física, como existe entre substância e forma, e alma e corpo. Não é uma união local , como quando dois corpos são unidos, para que o corpo e o sangue de Cristo sejam unidos fisicamente à água, pão e vinho. Também não é uma união espiritual, como se a eficácia do assunto significasse ser infundida e, na realidade, trouxesse o perdão dos pecados e a regeneração no comunicante. Isto é antes, uma relação representativa, consistindo apenas na aplicação do sinal ao assunto significado e deste à mente e à fé - e então como determinado por Deus em Sua Palavra, e não por mera contemplação ou imaginação.
Essa relação representativa não existe na natureza do elemento nem no exercício da fé e do ato de crer no uso do elemento. Também não está estabelecido como resultado do pronunciamento do ministro da fórmula e promessa. Em vez disso, esse relacionamento existe em razão da instituição divina, e o comunicante portanto, usa os sinais (dados pelo ministro) pela fé. Pela fé na instituição e promessa de Cristo, o comunicante, portanto, de maneira seladora, aplica o sofrimento de Cristo e sua eficácia ao perdão dos pecados, Cristo estando verdadeiramente presente, embora não corporalmente. Quando uma noiva recebe o anel de casamento e, posteriormente, o vê ela considera que é uma representação do amor e da fidelidade do noivo ausente, e seu amor por ele é assim fortalecido e estimulado. Da mesma maneira, o comunicante participa tanto do sinal quanto do assunto significado simultaneamente. Isso é verdade para a circuncisão (Gn 17: 7,11), a Páscoa (Êx 12:14), o batismo santo (Rm 6: 4; Gl 3:27) e a Ceia do Senhor. “Porventura, o cálice da bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo?” (1 Cor 10:16). Mas papistas e luteranos não estão satisfeitos com um relacionamento tão representativo. Eles sustentam isso na Ceia, afirmando que há uma representação local e física de Cristo, embora não no batismo. No entanto, cada um vê isso diferentemente - uma diferença que discutiremos mais adiante. Quando insistimos que o relacionamento é representativo, é sua opinião de que não unimos verdadeiramente o sinal com o assunto significado, mas que apenas imaginamos algo que não existe. Eles devem e realmente sabem, no entanto, que - além desta instância - existem outras relações além daquelas de natureza puramente física. Um relacionamento espiritual é tão genuíno quanto um físico. Cristo não habita nos crentes (Gl 2:20)? Cristo não habita em seus corações pela fé (Ef 3:17)?
Os crentes não têm comunhão uns com os outros, com o Pai e com Seu Filho Jesus Cristo (1 João 1: 3), ou é tudo isso também apenas imaginação deles?
Mantemos, no entanto, que esse relacionamento é real, como as Escrituras afirmam ser. Além disso, este relacionamento espiritual tem como base a fórmula institucional e a promessa; portanto, essa relação não é imaginária, mas verdadeira e certa.
A relação entre a água no santo batismo e o sangue de Cristo - significada pela água - é que eles se limpam e purificam. Como a água remove a poluição do corpo, o sangue de Cristo também lava e purifica das poluições espirituais do pecado. "E de Jesus Cristo, que ... nos lavou de nossos pecados em Seu próprio sangue" (Apo 1: 5).
A relação entre pão e vinho na Ceia do Senhor, e o corpo e o sangue significados por este pão e vinho, consiste em nutrir, fortalecer e produzir refrigério. Como o pão nutre e fortalece o corpo, o corpo crucificado de Cristo - isto é, Seu sofrimento e morte meritórios - também nutrem a alma. O vinho alegra o coração do homem; isso também é verdade para o sangue de Cristo quando compartilhado pela fé. “Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim nunca terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede. Quem come a minha carne e bebe meu sangue tem a vida eterna; ... Porque a minha carne é verdadeira comida, e meu sangue é verdadeira bebida. Quem come a minha carne, e bebe o meu sangue, habita em mim e eu nele” (João 6: 35,54-56).
Essa relação representativa e a semelhança entre o sinal e a matéria significada geraram uma variedade de expressões em relação aos sacramentos. Primeiro, ocorre que o sinal leva o nome do assunto significado. A circuncisão é chamada de o pacto: “Este é o meu pacto ... todos os homens, dentre vós, serão circuncidados” (Gn 17:10); o cordeiro é a Páscoa: "... (o cordeiro) é a páscoa do Senhor" (Êx 12:11); o pão é o corpo de Cristo: "Este é o meu corpo" (Mat 26:26); o vinho é o Novo Testamento: “Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue” (1 Cor 11:25); e a água é "A lavagem da regeneração" (Tito 3: 5).
Em segundo lugar, o assunto significado leva o nome do sinal. Cristo é chamado de Páscoa: “Lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa, como sois, de fato, sem fermento. Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado.” (1 Cor 5: 7). Ele também é chamado de Cordeiro: “Eis o Cordeiro de Deus!” (João 1:36); o maná (João 6:51); também a rocha (1 Cor 10: 4).
Terceiro, a eficácia da questão significada é atribuída ao sinal, a remoção do pecado: “... além do carneiro expiatório com que se fizer expiação pelo culpado.” (Nm 5: 8); “E agora, por que te demoras? Levanta-te, recebe o batismo e lava os teus pecados, invocando o nome dele.” (Atos 22:16).
Quarto, o assunto significado é atribuído à cerimônia associada ao sinal. Dizem que o sangue de Cristo é aspergido, o que de fato era verdadeiro para o sinal: “... o sangue da aspersão, que fala coisas melhores que o de Abel” (Hb 12:24); “... à obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo” (1 Pedro 1: 2).
O Propósito dos Sacramentos
O quinto aspecto a ser observado em cada sacramento é seu propósito. O propósito mais elevado de todas as coisas é a glória de Deus.
Portanto, isso também é verdade para os sacramentos. “O cálice de bênção que abençoamos ...” (1 Cor 10:16). A alma dos crentes se alegra, pois todos os benefícios da aliança da graça lhe foram selados e ele reconhece e louva a Deus por Sua bondade e misericórdia. Ele lhe dá a honra e a glória, pois tudo é para ele e através dele. Nada tendo com o qual ele possa retribuir ao Senhor por todos os seus benefícios, ele agradece a Ele com seu coração, boca e ações.
O outro propósito dos sacramentos em relação aos verdadeiros participantes é representar Cristo e todos os Seus benefícios espiritualmente, para significar tudo isso e trazer à mente tudo o que se refere ao sofrimento e morte de Cristo como Mediador.
Davi fez isso no ministério das sombras: “Uma coisa peço ao SENHOR, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do SENHOR e meditar no seu templo.” (Sl 27: 4). Portanto, os sacramentos são chamados de sinais, pois representam visivelmente o que é invisível.
Os sacramentos também são selos
Os sacramentos não significam apenas sinais, mas sobretudo selam os verdadeiros comunicantes de que são participantes das promessas do evangelho, todos os benefícios da aliança da graça e de Cristo e de toda a sua plenitude. Isso se aplica apenas aos verdadeiros crentes; para eles o sacramento é um selo. O não convertido, no entanto, não tendo verdadeira fé, não se beneficia dos sacramentos devido ao seu pecado e descrença; e, portanto, em vez disso de ter uma função de selamento, os sacramentos fazem seu julgamento ainda mais pesado. “Porque quem come e bebe indignamente, come e bebe condenação para si mesmo, não discernindo o corpo do Senhor ... (e) será culpado do corpo e sangue do Senhor” (1 Cor 11: 29,27).
Socinianos, Anabatistas e Papistas estão errados aqui. Eles concordam em negar que os sacramentos são selos; no entanto, eles diferem no que diz respeito ao propósito dos sacramentos. Os socinianos e anabatistas sustentam que sacramentos:
(1) são meros sinais externos pelos quais a fé (relativa à natureza da qual eles também estão errados) é apenas estimulada, sustentando que os sacramentos exibem o sofrimento e a morte de Cristo nos sinais e são apenas um símbolo e ilustração da graça; e
(2) servem como um símbolo de união mútua, distinguindo assim os crentes dos judeus e gentios.
Os papistas negam a função seladora dos sacramentos. Na sua opinião, os próprios sacramentos têm a eficácia para gerar graça. A igreja, pelo contrário, mantém a Palavra de Deus, sustentando que os sacramentos são selos pelos quais a aliança da graça é selada aos verdadeiros crentes.
Isto é antes de tudo evidente em Romanos 4:11: “E ele recebeu o sinal da circuncisão, um selo da justiça da fé”. É afirmado expressamente que o sacramento da circuncisão era um selo e que isso foi recebido pela fé e imputado a Abraão por Deus, selando nele a justiça de Cristo.
Argumento Evasivo : Isso é afirmado apenas em referência à circuncisão.
Resposta: As circunstâncias dos sacramentos são realmente diferentes, mas em essência elas são todas iguais no que se refere à finalidade e eficácia. Aquilo que é essencialmente verdadeiro para um indivíduo é essencialmente verdadeiro para outros indivíduos. Se a racionalidade é uma característica essencial de João, Pedro e Paulo, é assim para todos os homens. Se um sacramento é um sinal, é verdade para todos; e se um sacramento é um selo, todos são selos.
Em segundo lugar, a Páscoa também teve a eficácia de um selo. “Desta maneira o comereis: lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão; comê-lo-eis à pressa; é a Páscoa do SENHOR. Porque, naquela noite, passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até aos animais; executarei juízo sobre todos os deuses do Egito. Eu sou o SENHOR. O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; quando eu vir o sangue, passarei por vós, e não haverá entre vós praga destruidora, quando eu ferir a terra do Egito.” (Êx 12: 11-13).
Além disso, considere 1 Cor 10: 3,4: “Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo.” A eficácia do selamento também é atribuída ao batismo: “Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida.”(Romanos 6: 3,4). Isso denota que o batismo não apenas sela que alguém é participante de Cristo, mas também que ele será um participante da santificação. A eficácia do selamento também é atribuída à Ceia do Senhor: “O cálice de bênção que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos, não é a comunhão do corpo de Cristo?” (1 Cor 10:16). De que outra forma o cálice e o pão podem constituir comunhão com Cristo, exceto que alguém é selado como participante de Seu sofrimento e morte? O flagrante argumento evasivo adiantado pelos papistas será respondidos no momento apropriado.
Terceiro, outros símbolos das promessas de Deus, que não são sacramentos da aliança da graça, têm um selo de eficácia; portanto, isso é muito mais verdadeiro para os sacramentos. Considere o arco-íris, por exemplo: “Eis que estabeleço a minha aliança convosco, e com a vossa descendência, e com todos os seres viventes que estão convosco: tanto as aves, os animais domésticos e os animais selváticos que saíram da arca como todos os animais da terra. Estabeleço a minha aliança convosco: não será mais destruída toda carne por águas de dilúvio, nem mais haverá dilúvio para destruir a terra. Disse Deus: Este é o sinal da minha aliança que faço entre mim e vós e entre todos os seres viventes que estão convosco, para perpétuas gerações: porei nas nuvens o meu arco; será por sinal da aliança entre mim e a terra.”(Gênesis 9: 9-13). Observe isso da mesma forma com o velo de Gideão (Juízes 6:37, etc.). A secura e a umidade eram um sinal pelo qual a derrota dos midianitas foi selada. Da mesma forma, Cristo lavando os pés dos apóstolos simbolizava sua purificação espiritual (João 13: 6-10).
É evidente que os sacramentos selam muito mais do que isso, pois são sinais da aliança da graça. "Circuncidareis a carne do vosso prepúcio; será isso por sinal de aliança entre mim e vós.” (Gênesis 17:11).
Nada pode ser um sinal da aliança, no entanto, exceto que seja selado por essa aliança. Uma vez que todos os sacramentos têm um sinal externo (como demonstrado acima), todos os argumentos evasivos foram desvendados e permanece certo que os sacramentos são sinais que selam.
Objeção 1: Se os sacramentos selarem a graça e os méritos de Cristo, a graça será selada em muitos que não são participantes desta graça, como todos os hipócritas e pessoas não convertidas.
Resposta : Tal argumento seria válido se, como sustentam os papistas, os sacramentos tivessem um papel de eficácia inerente. No entanto, como ninguém é selado pelos sacramentos, exceto aqueles que participam deles pela fé, essa objeção é sem validade. O anel de noivado sela fidelidade; isso, no entanto, não é verdadeiro para todos, nem para quem rouba. Isso só é verdade para a noiva que está noiva e com quem foi dada como confirmação de fidelidade do noivo.
Objeção 2: Se os sacramentos tivessem uma função de selamento, os sacramentos seriam mais eficazes que a Palavra de Deus - aquela Palavra que irrefutavelmente substitui tudo em eficácia e infalibilidade e é totalmente suficiente para dar garantia a todos. Um contrato selado é mais eficaz que um contrato ruim.
Resposta: (1) Palavra e sacramentos são de igual certeza e infalibilidade, pois ambos se originam no Deus verdadeiro; acreditamos, portanto, em um e no outro.
(2) A maneira pela qual a garantia é feita difere. Mesmo que a Palavra da promessa seja suficiente, é preciso não obstante, julgar ser um ato de sabedoria e bondade insondáveis que Deus assista o homem em sua fraqueza com garantia de várias maneiras, fazendo-o da maneira mais apropriada para o homem que consiste no corpo e alma.
(3) Da mesma forma, alguém poderia objetar perante o Senhor que o juramento divino era desnecessário, sendo a Palavra suficiente.
Tais pessoas, no entanto, são repreendidas e refutadas pelo apóstolo. “Por isso, Deus, quando quis mostrar mais firmemente aos herdeiros da promessa a imutabilidade do seu propósito, se interpôs com juramento, para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, forte alento tenhamos nós que já corremos para o refúgio, a fim de lançar mão da esperança proposta.” (Hb 6: 17,18).
Os sinais não comunicam graça
Visto que os papistas negam a função seladora dos sacramentos, vendo-os como operativos por meio de eficácia infusiva, é necessário considerar esse assunto um pouco mais de perto.
Pergunta: A graça é fisicamente inerente aos sinais dos sacramentos do Novo Testamento e eles funcionam ex opere operato; isto é, esses sinais conferem, trabalham e comunicam essa graça àqueles que os recebem?
Resposta: Os papistas estão muito divididos sobre a maneira pela qual a graça é inerente aos sacramentos e é comunicada aos comunicantes. No entanto, eles concordam em essência e respondem a essa pergunta de maneira absolutamente afirmativa.
Vários luteranos também se inclinam nessa direção quando se referem aos sacramentos como veículos, embarcações, canais, valas e como causas verdadeiras e essenciais pelas quais a graça, merecida pela morte de Cristo, é prestada e comunicada ao comunicante.
A igreja reformada responde negativamente à pergunta, mas sustenta que os sacramentos funcionam moralmente (em um sentido moral), isto é, unindo os comunicantes à questão representada pela fé com base nos princípios institucionais da fórmula e da promessa. Isso é aplicado à alma deles quando participam dos sacramentos e são selados como sendo participantes de Cristo e todos os Seus benefícios.
Visto que esta questão realmente pertence ao batismo, e como os papistas sustentam que Cristo está pessoalmente presente na Ceia do Senhor, tornando eficaz o sacramento, trataremos dessa questão no próximo capítulo.
Uma comparação dos sacramentos do Antigo e do Novo Testamento
Depois de discutir os cinco requisitos para cada sacramento, discutiremos também a semelhança e a diferença entre os sacramentos do Antigo e do Novo Testamentos, e entre a Palavra e os sacramentos, e consideraremos o número de sacramentos no Novo Testamento.
A aliança da graça, revelada pela primeira vez na primeira promessa feita a Adão, é e permanecerá imutável até o último dia; no entanto, a administração dessa aliança é diferente. Antes de Cristo, era administrada de maneira diferente da como é administrada após a Sua vinda. Nos dois casos, é confirmada por meio de sacramentos, que diferem na mesma maneira que os modos de administração diferem.
No Antigo Testamento, antes da vinda de Cristo, e durante o período de Adão a Abraão, a igreja foi reunida indiscriminadamente de uma variedade de nações. Pouco é registrado sobre esse período. Nós sabemos, no entanto, que o pacto da graça foi selado por meio de sacrifícios , selando os crentes com a expiação do Messias em razão de Seu sofrimento e morte.
Posteriormente, Deus chamou Abraão e incorporou a igreja em sua semente, dando a ela, além dos sacrifícios, o sinal distinto da circuncisão como selo da aliança. Quando isso nação com a qual Deus havia estabelecido a aliança da graça - que é, portanto, chamada aliança nacional - viajou do Egito para Canaã, Deus designou o sacramento da Páscoa para eles, enquanto os sacrifícios continuaram, os quais a igreja tinha desde o princípio.
Essa administração externa, que tipificou o futuro Messias, mudou após a vinda de Cristo. Isso também era verdade para os sacramentos, que agora são apenas os sacramentos do santo batismo e da Ceia do Senhor.
Esses sacramentos, os do Antigo e Novo Testamentos, concordam em alguns pontos e diferem em outros.
Eles concordam nos quatro assuntos a seguir:
(1) Ambos foram instituídos pelo mesmo autor: Deus.
(2) O assunto significado é o mesmo em ambos: Cristo.
(3) Os meios de aplicação são os mesmos em ambos: fé.
(4) Ambos têm o mesmo propósito: significar e selar.
As diferenças são as seguintes:
(1) O sinal externo é diferente. No Antigo Testamento, eles eram a circuncisão do prepúcio, sacrifícios e um cordeiro pascal; agora eles são água, pão e vinho.
(2) O ponto de referência é diferente. No Antigo Testamento, era Cristo quem viria, e agora é Cristo quem chegou.
(3) Eles diferem em clareza. No Antigo Testamento, eles eram mais obscuros, mas agora são mais claros. Isso não era devido a haver menor semelhança, mas devido a todos os assuntos futuros serem mais obscuros para nós do que o presente.
(4) Eles diferem na facilidade de uso. No Antigo Testamento, a circuncisão era dolorosa, os sacrifícios e o cordeiro da páscoa eram mais caros e tudo era mais complicado para o corpo; agora os sacramentos exigem menos esforço.
Os papistas, para exaltar os sacramentos do Novo Testamento, menosprezam os do Antigo Testamento e sustentamos que a diferença consiste nisso: Os sacramentos do Antigo Testamento não tinham graça inerente, mas apenas tipificavam isso; no entanto, nos sacramentos do Novo Testamento, a graça é inerente e, na realidade, funciona e concede graça. Isso nós negamos resolutamente. Seu erro é evidente pelos seguintes motivos:
Primeiro, os sacramentos do Novo Testamento não têm graça inerente e, na realidade, não aplicam essa graça; isto já foi comprovado e será novamente comprovado. Portanto, isso não pode constituir a diferença.
Em segundo lugar, os sacrifícios selaram o perdão dos pecados por Cristo, que pode ser visto na carta aos hebreus.
A circuncisão era um sinal e selo da aliança (Gn 17:10), e um sinal e selo da justiça da fé (Rom 4:11). O cordeiro pascal era um sinal e selo da libertação espiritual de Cristo, nossa Páscoa (1 Cor 5, 7; Êx 12:11). Portanto, eles não eram meramente sombras da graça, pois um selo concede direito ao assunto que sela, e garante ser participante da graça.
Terceiro: “Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo.” (1 Cor 10: 3,4). Que semelhança existe? Não há semelhança no que diz respeito ao sinal, mas no que diz respeito a Cristo - o que agora também é verdadeiro no batismo e na Ceia do Senhor.
Portanto, não existe essa diferença entre o Antigo e o Novo Testamento.
Objeção 1: Os sacramentos do Antigo Testamento são sombras e, portanto, não são o assunto em si.
Resposta: Não eram sombras dos sacramentos do Novo Testamento, nem da graça a ser dada no Novo Testamento; antes, eram sombras de Cristo e de todos os Seus benefícios. Não eram apenas sombras, mas também havia sinais e selos, como é o caso dos sacramentos do Novo Testamento.
Objeção 2: As seguintes passagens negam todo valor e eficácia dos sacramentos do Antigo Testamento:
"A circuncisão não é nada" (1 Cor 7:19); "Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão tem valor algum" (Gl 6:15).
Resposta: (1) O apóstolo se refere ao tempo do Novo Testamento, no qual todas as cerimônias do Antigo Testamento – e assim também a circuncisão e a Páscoa - foram abolidas. Portanto, eles não são benéficos para nós; sim, eles são até prejudiciais, uma vez que implicam que Cristo ainda não veio.
(2) O apóstolo considera as questões externas como divorciadas da questão que é significada, isto é, da essência de todas as sombras e sacramentos no Antigo e no Novo Testamentos. Ele afirma que todos os assuntos externos e privilégios não têm valor, mas que toda a salvação está em Cristo e é recebida para justificação e santificação.
Objeção 3: No Novo Testamento, temos melhores promessas e uma aliança melhor. “Porque, se aquela primeira aliança tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para uma segunda.” (Hb 8: 7); “ por isso mesmo, Jesus se tem tornado fiador de melhor aliança.” (Hb 7:22).
Resposta: A palavra “melhor” não se refere aos benefícios prometidos; isso deve ser comprovado antes de usar esses textos como argumento. Esses benefícios são idênticos nos dois Testamentos, uma vez que existe apenas uma aliança entre Deus e o homem, e desde que Cristo é o mesmo ontem e hoje. Antes, a palavra “melhor” refere-se ao fato de que Cristo ainda não tinha chegado, e agora, ele realmente chegou. Agora tudo está mais claro, e o Espírito Santo é derramado sobre Seu povo de uma maneira mais abundante.
Uma Comparação da Palavra e dos Sacramentos
Existem também algumas semelhanças e diferenças entre a Palavra e os sacramentos.
A Palavra de Deus e os sacramentos se assemelham da seguinte maneira:
(1) Ambos têm Deus como seu autor.
(2) Ambos sustentam Cristo para justificação e santificação, e ambos levam a alma a Cristo.
(3) Ambos são para o conforto e segurança dos verdadeiros crentes.
Suas diferenças são múltiplas:
(1) A Palavra é o meio para a fé e o arrependimento; os sacramentos não são instrumentais na conversão, mas sim requerem arrependimento e fé antes de se usar.
(2) A Palavra é dirigida a todos, convertidos e não convertidos; os sacramentos são apenas para crentes convertidos.
(3) A Palavra opera sem os sacramentos; no entanto, os sacramentos não operam sem a Palavra.
(4) A Palavra é apenas para aqueles que têm a capacidade de entender; o sacramento do batismo também é para crianças.
(5) A Palavra promete e os sacramentos selam.
(6) Sem a Palavra não há salvação; no entanto, a salvação é possível à parte dos sacramentos.
(7) A Palavra funciona em referência à audição, e os sacramentos em relação à audição, visão, olfato, gosto e sentimento.
O Número de Sacramentos
Existem dois sacramentos no Novo Testamento: o santo batismo e a Ceia do Senhor. Que esses dois são sacramentos é evidente:
(1) das cinco questões que devem estar presentes em todos os sacramentos: sua instituição como sacramento por Deus; presença de um elemento visível e tangível, Cristo como o assunto significado, o acordo entre o sinal e a questão significada, e o fato de que eles significam e selam a aliança da graça para os crentes - todos os quais foram discutidos acima.
(2) As Escrituras unem esses dois: “E tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés. Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo.” (1 Cor 10: 2-4); “Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito.” (1 Cor 12:13). Não é necessário elaborar sobre isso porque esses dois sacramentos são reconhecidos por todos.
Os papistas, no entanto, não estão satisfeitos com esses dois, planejaram cinco outros assuntos que eles também têm designado como sacramentos. São eles: Confirmação, Confissão, Ordens Sagradas, Casamento e Unção Extrema. Isto é evidente que eles não são sacramentos desde que os cinco requisitos de um sacramento, discutidos acima, estão ausentes. No que esta marca está faltando, e no outro marcas diferentes estão ausentes. Mesmo que alguns sejam mencionados na Palavra de Deus, eles ainda não foram designados para serem sacramentos, e esse é o ponto essencial aqui. Nós, portanto, os rejeitamos como invenções dos homens e consideramos Mateus 15:9 aplicável aqui: “E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.”

Nota do Tradutor:
O EVANGELHO QUE NOS LEVA A OBTER A SALVAÇÃO
Há somente um evangelho pelo qual podemos ser verdadeiramente salvos. Ele se encontra revelado na Bíblia, e especialmente nas páginas do Novo Testamento. Mas, por interpretações incorretas é possível até mesmo transformá-lo em um meio de perdição e não de salvação, conforme tem ocorrido especialmente em nossos dias, em que as verdades fundamentais do evangelho de Jesus Cristo têm sido adulteradas ou omitidas.
Isto nos levou a tomar a iniciativa de apresentar a seguir, de forma resumida, em que consiste de fato o evangelho da nossa salvação.
Em primeiro lugar, antes de tudo, é preciso entender que somos salvos exclusivamente com base na aliança de graça que foi feita entre Deus Pai e Deus Filho, antes mesmo da criação do mundo, para que nas diversas gerações de pessoas que seriam trazidas por eles à existência sobre a Terra, houvesse um chamado invisível, sobrenatural, espiritual, para serem perdoadas de seus pecados, justificadas, regeneradas (novo nascimento espiritual), santificadas e glorificadas. E o autor destas operações transformadoras seria o Espírito Santo, a terceira pessoa da trindade divina.
Estes que seriam chamados à conversão, o seriam pelo meio de atração que seria feita por Deus Pai, trazendo-os a Deus Filho, de modo que pela simples fé em Jesus Cristo, pudessem receber a graça necessária que os redimiria e os transportaria das trevas para a luz, do poder de Satanás para o de Deus, e que lhes transformaria em filhos amados e aceitos por Deus.
Como estes que foram redimidos se encontravam debaixo de uma sentença de maldição e condenação eternas, em razão de terem transgredido a lei de Deus, com os seus pecados, para que fossem redimidos seria necessário que houvesse uma quitação da dívida deles para com a justiça divina, cuja sentença sobre eles era a de morte física e espiritual eternas.
Havia a necessidade de um sacrifício, de alguém idôneo que pudesse se colocar no lugar do homem, trazendo sobre si os seus pecados e culpa, e morrendo com o derramamento do seu sangue, porque a lei determina que não pode haver expiação sem que haja um sacrifício sangrento substitutivo.
Importava também que este Substituto de pecadores, assumisse a responsabilidade de cobrir tudo o que fosse necessário em relação à dívida de pecados deles, não apenas a anterior à sua conversão, como a que seria contraída também no presente e no futuro, durante a sua jornada terrena.
Este Substituto deveria ser perfeito, sem pecado, eterno, infinito, porque a ofensa do pecador é eterna e infinita. Então deveria ser alguém divino para realizar tal obra.
Jesus, sendo Deus, se apresentou na aliança da graça feita com o Pai, para ser este Salvador, Fiador, Garantia, Sacrifício, Sacerdote, para realizar a obra de redenção.
O homem é fraco, dado a se desviar, mas a sua chamada é para uma santificação e perfeição eternas. Como poderia responder por si mesmo para garantir a eternidade da segurança da salvação?
Havia necessidade que Jesus assumisse ao lado da natureza divina que sempre possuiu, a natureza humana, e para tanto ele foi gerado pelo Espírito Santo no ventre de Maria.
Ele deveria ter um corpo para ser oferecido em sacrifício. O sangue da nossa redenção deveria ser a de alguém que fosse humano, mas também divino, de modo que se pode até mesmo dizer que fomos redimidos pelo sangue do próprio Deus.
Este é o fundamento da nossa salvação. A morte de Jesus em nosso lugar, de modo a nos abrir o caminho para a vida eterna e o céu.
Para que nunca nos esquecêssemos desta grande e importante verdade do evangelho de que Jesus se tornou da parte de Deus para nós, o nosso tudo, e que sem Ele nada somos ou podemos fazer para agradar a Deus, Jesus fixou a Ceia que deve ser regularmente observada pelos crentes, para que se lembrem de que o Seu corpo foi rasgado, assim como o pão que partimos na Ceia, e o Seu sangue foi derramado em profusão, conforme representado pelo vinho, para que tenhamos vida eterna por meio de nos alimentarmos dEle. Por isso somos ordenados a comer o pão, que representa o corpo de Jesus, que é verdadeiro alimento para o nosso espírito, e a beber o sangue de Jesus, que é verdadeira bebida para nos refrigerar e manter a Sua vida em nós.
Quando Ele disse que é o caminho e a verdade e a vida. Que a porta que conduz à vida eterna é estreita, e que o caminho é apertado. Tudo isto se aplica ao fato de que não há outra verdade, outro caminho, outra vida, senão a que existe somente por meio da fé nEle. A porta é estreita porque não admite uma entrada para vários caminhos e atalhos, que sendo diferentes dEle, conduzem à perdição. É estreito e apertado para que nunca nos desviemos dEle, o autor e consumador da nossa salvação.
Então o plano de salvação, na aliança de graça que foi feita, nada exige do homem, além da fé, pois tudo o que tiver que ser feito nele para ser transformado e firmado na graça, será realizado pelo autor da sua salvação, a saber, Jesus Cristo.
Tanto é assim, que para que tenhamos a plena convicção desta verdade, mesmo depois de sermos justificados, regenerados e santificados, percebemos, enquanto neste mundo, que há em nós resquícios do pecado, que são o resultado do que se chama de pecado residente, que ainda subsiste no velho homem, que apesar de ter sido crucificado juntamente com Cristo, ainda permanece em condições de operar em nós, ao lado da nova natureza espiritual e santa que recebemos na conversão.
Qual é a razão disso, senão a de que o Senhor pretende nos ensinar a enxergar que a nossa salvação é inteiramente por graça e mediante a fé? Que é Ele somente que nos garante a vida eterna e o céu. Se não fosse assim, não poderíamos ser salvos e recebidos por Deus porque sabemos que ainda que salvos, o pecado ainda opera em nossas vidas de diversas formas.
Isto pode ser visto claramente em várias passagens bíblicas e especialmente no texto de Romanos 7.
À luz desta verdade, percebemos que mesmo as enfermidades que atuam em nossos corpos físicos, e outras em nossa alma, são o resultado da imperfeição em que ainda nos encontramos aqui embaixo, pois Deus poderia dar saúde perfeita a todos os crentes, sem qualquer doença, até o dia da morte deles, mas Ele não o faz para que aprendamos que a nossa salvação está inteiramente colocada sobre a responsabilidade de Jesus, que é aquele que responde por nós perante Ele, para nos manter seguros na plena garantia da salvação que obtivemos mediante a fé, conforme o próprio Deus havia determinado justificar-nos somente por fé, do mesmo modo como fizera com Abraão e com muitos outros mesmo nos dias do Velho Testamento.
Nenhum crente deve portanto julgar-se sem fé porque não consegue vencer determinadas fraquezas ou pecados, porque enquanto se esforça para ser curado deles, e ainda que não o consiga neste mundo, não perderá a sua condição de filho amado de Deus, que pode usar tudo isto em forma de repreensão e disciplina, mas que jamais deixará ou abandonará a qualquer que tenha recebido por filho, por causa da aliança que fez com Jesus e na qual se interpôs com um juramento que jamais a anularia por causa de nossas imperfeições e transgressões.
Um crente verdadeiro odeia o pecado e ama a Jesus, mas sempre lamentará que não o ame tanto quanto deveria, e por não ter o mesmo caráter e virtudes que há em Cristo. Mas de uma coisa ele pode ter certeza: não foi por mérito, virtude ou boas obras que lhes foram exigidos a apresentar a Deus que ele foi salvo, mas simplesmente por meio do arrependimento e da fé nAquele que tudo fez e tem feito que é necessário para a segurança eterna da sua salvação.
É por graça porque alguém pagou inteiramente o preço devido para que fôssemos salvos – nosso Senhor Jesus Cristo.
E para que soubéssemos disso, Jesus não nos foi dado somente como Sacrifício e Sacerdote, mas também como Profeta e Rei.
Ele não somente é quem nos anuncia o evangelho pelo poder do Espírito Santo, e quem tudo revelou acerca dele nas páginas da Bíblia, para que não errássemos o alvo por causa da incredulidade, que sendo o oposto da fé, é a única coisa que pode nos afastar da possibilidade da salvação.
Em sua obra com Rei, Jesus governa os nossos corações, e nos submete à Sua vontade de forma voluntária e amorosa, capacitando-nos, pelo Seu próprio poder, a viver de modo agradável a Deus.
Agora, nada disso é possível sem que haja arrependimento. Ainda que não seja ele a causa da nossa salvação, pois, como temos visto esta causa é o amor, a misericórdia e a graça de Deus, manifestados em Jesus em nosso favor, todavia, o arrependimento é necessário, porque toda esta salvação é para uma vida santa, uma vida que lute contra o pecado, e que busque se revestir do caráter e virtudes de Jesus.
Então, não há salvação pela fé onde o coração permanece apegado ao pecado, e sem manifestar qualquer desejo de viver de modo santo para a glória de Deus.
Desde que haja arrependimento não há qualquer impossibilidade para que Deus nos salve, nem mesmo os grosseiros pecados da geração atual, que corre desenfreadamente à busca de prazeres terrenos, e completamente avessa aos valores eternos e celestiais.
Ainda que possa parecer um paradoxo, haveria até mais facilidade para Deus salvar a estes que vivem na iniquidade porque a vida deles no pecado é flagrante, e pouco se importam em demonstrar por um viver hipócrita, que são pessoas justas e puras, pois não estão interessadas em demonstrar a justiça própria do fariseu da parábola de Jesus, para que através de sua falsa religiosidade, e autoengano, pudesse alcançar algum favor da parte de Deus.
Assim, quando algum deles recebe a revelação da luz que há em Jesus, e das grandes trevas que dominam seu coração, o trabalho de convencimento do Espírito Santo é facilitado, e eles lamentam por seus pecados e fogem para Jesus para obterem a luz da salvação. E ele os receberá, e a nenhum deles lançará fora, conforme a Sua promessa, porque o ajuste feito para a sua salvação exige somente o arrependimento e a fé, para a recepção da graça que os salvará.
Deus mesmo é quem provê todos os meios necessários para que permaneçamos firmes na graça que nos salvou, de maneira que jamais venhamos a nos separar dele definitivamente.
Ele nos fez coparticipantes da Sua natureza divina, no novo nascimento operado pelo Espírito Santo, de modo que uma vez que uma natureza é atingida, ela jamais pode ser desfeita. Nós viveremos pela nova criatura, ainda que a velha venha a se dissolver totalmente, assim como está ordenado que tudo o que herdamos de Adão e com o pecado deverá passar, pois tudo é feito novo em Jesus, em quem temos recebido este nosso novo ser que se inclina em amor para Deus e para todas as coisas de Deus.
Ainda que haja o pecado residente no crente, ele se encontra destronado, pois quem reina agora é a graça de Jesus em seu coração, e não mais o pecado. Ainda que algum pecado o vença isto será temporariamente, do mesmo modo que uma doença que se instala no corpo é expulsa dele pelas defesas naturais ou por algum medicamento potente. O sangue de Jesus é o remédio pelo qual somos sarados de todas as nossas enfermidades. E ainda que alguma delas prevaleça neste mundo ela será totalmente extinta quanto partirmos para a glória, onde tudo será perfeito.
Temos este penhor da perfeição futura da salvação dado a nós pela habitação do Espírito Santo, que testifica juntamente com o nosso espírito que somos agora filhos de Deus, não apenas por ato declarativo desta condição, mas de fato e de verdade pelo novo nascimento espiritual que nos foi dado por meio da nossa fé em Jesus.
Toda esta vida que temos agora é obtida por meio da fé no Filho de Deus que nos amou e se entregou por nós, para que vivamos por meio da Sua própria vida. Ele é o criador e o sustentador de toda a criação, inclusive desta nova criação que está realizando desde o princípio, por meio da geração de novas criaturas espirituais para Deus por meio da fé nEle.
Ele pode fazê-lo porque é espírito vivificante, ou seja, pode fazer com que nova vida espiritual seja gerada em quem Ele assim o quiser. Ele sabe perfeitamente quais são aqueles que atenderão ao chamado da salvação, e é a estes que Ele se revela em espírito para que creiam nEle, e assim sejam salvos.
Bem-aventurados portanto são:
Os humildes de espírito que reconhecem que nada possuem em si mesmos para agradarem a Deus.
Os mansos que se submetem à vontade de Deus e que se dispõem a cumprir os Seus mandamentos.
Os que choram por causa de seus pecados e todo o pecado que há no mundo, que é uma rebelião contra o Criador.
Os misericordiosos, porque dão por si mesmos o testemunho de que todos necessitam da misericórdia de Deus para serem perdoados.
Os pacificadores, e não propriamente pacifistas que costumam anular a verdade em prol da paz mundial, mas os que anunciam pela palavra e suas próprias vidas que há paz de reconciliação com Deus somente por meio da fé em Jesus.
Os que têm fome e sede de justiça, da justiça do reino de Deus que não é comida, nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo.
Os que são perseguidos por causa do evangelho, porque sendo odiados sem causa, perseveram em dar testemunho do Nome e da Palavra de Jesus Cristo.








Biografia:
Servo de Deus, que tendo sido curado, pela graça de Jesus, de um infarto do miocárdio e de um câncer intestinal, tem se dedicado também a divulgar todo o material que produziu ao longo dos 35 anos do seu ministério, que sempre realizou para a exclusiva glória de Deus, sem qualquer interesse comercial ou financeiro. Aprisionado a Uma Visão Há alguns anos atrás, falou-me o Senhor numa visão que eu fosse ter com os puritanos e com Martyn LLoyd Jones. Exatamente com estas palavras. Por incrível que possa parecer, até então, nunca havia ouvido falar sobre os puritanos e LLoyd Jones. Todavia, de lá para cá, há mais de uma década, não fiz outra coisa tão dedicadamente em toda a minha vida, do que estudar as suas obras, e foi nelas que muito aprendi a ter a consistência bíblica doutrinária que adquiri, e que exponho em meus textos. Mais tarde, fui impelido pelo Senhor a divulgar todo o material que havia produzido como fruto do referido estudo. As obras dos puritanos são muito densas e extensas, e tive que condensá-las e adaptar parte do seu conteúdo para uma forma de linguagem mais atual, tendo no entanto o cuidado, de não prejudicar o teor da mensagem. Você pode ler e ouvir estas mensagens nos meus seguintes blogs e site: http://aguardandovj.blogspot.com.br/ Mensagens Sobre o Tempo do Fim e a Volta de Jesus http://www.verdadeevida.org/ Site com centenas de textos, áudios e vídeos sobre o evangelho verdadeiro (com material dos pastores Charles Haddon Spurgeon, John Woen, John Wesley, John Macarthur, John Piper, Paul Washer, Lloyd Jones, John Wesley, Silvio Dutra, entre outros) http://livrosbiblia.blogspot.com.br/ Comentário dos livros do Velho Testamento http://livrono.blogspot.com.br/ Comentário dos livros do Novo Testamento http://retornoevangelho.blogspot.com.br/ Mensagens em textos e vídeos relativos ao Evangelho Verdadeiro. http://poesiasdoevangelho.blogspot.com.br/ Poesias sobre o Evangelho Verdadeiro Com Quem Estou Compromissado Quanto aos textos que tenho postado, que são em grande parte relativos a temas religiosos, estou compromissado: - Primeiro, com Deus Pai, com Jesus Cristo e com o Espírito Santo. - Depois com a exposição e interpretação exatas da Palavra de Deus, conforme se encontra na Bíblia. - Com meus amados leitores que têm sido tão gentis e pacientes comigo. - Finalmente, com minha própria consciência, quanto ao dever de ser honesto e verdadeiro em tudo que tenho escrito. Não estou compromissado e nem vinculado a qualquer instituição ou denominação religiosa, de modo que tudo quanto escrevo nunca tem o propósito de defender ou atacar qualquer pessoa ou instituição, mormente quanto às convicções e crenças que elas postulam, senão somente de expor o conteúdo bíblico em toda a sua extensão e profundidade.
Número de vezes que este texto foi lido: 103


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Porque a Vida Eterna é Dependente da Fé Silvio Dutra
Poesias O Selo do Crente Silvio Dutra
Artigos O EVANGELHO QUE NOS LEVA A OBTER A SALVAÇÃO Silvio Dutra
Artigos O Real Sentido da Vida Silvio Dutra
Artigos Satisfação Silvio Dutra
Poesias Salvação sem Jesus? Silvio Dutra
Artigos Quem São os Puritanos? Silvio Dutra
Artigos Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 1 Silvio Dutra
Artigos Voltando às Origens – Parte 2 Silvio Dutra
Artigos Voltando às Origens – Parte 1 Silvio Dutra

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 2085.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58741 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53280 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42431 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39469 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 36098 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35549 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34324 Visitas
Amores! - 33805 Visitas
Desabafo - 33423 Visitas
Faça alguém feliz - 32026 Visitas

Páginas: Próxima Última