Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ME CHAME TERROR 8
DE PAULO FOG E IONE AZ
ricardo fogzy

Resumo:
LIVRE IND 11 ANOS

Vanda ajuda Jocyane no preparo do almoço, Antônio fora com a equipe para a cena de uma tentativa de homicidio.
     - Ele virá mais tarde.
     - Nossa dona Jocyane, deve ser dificil ser mulher de um delegado.
     - Até que não, sabe, eu achava que seria um caos, mais o Antônio é muito capaz.
     - Graças a Deus, senhora.
     - Sim Vanda, sabe, ele nunca fez algo ruim dentro de suas atribuições, ele é muito justo e digno.
     Vanda esta a cortar cenouras, ao ouvir aquilo a faca resbala e faz um leve corte ao dedo.
     - Ai.
     - O que foi, meu Deus se machucou.
     Jocyane corre até o banheiro e logo retorna com o kit de primeiros socorros.
     - Vamos lavar o dedo, vou fazer um curativo.
     - Não precisa dona Jocyane, esta melhor, logo para.
     - Oras Vanda, me deixe cuidar disso.
     A mulher reluta mais acaba por deixar aos cuidados da patroa que faz a limpeza e curativo.
    - A senhora é muito boa patroa.
    - Obrigado, mais sabe, já fui muito pobre vim de uma família bem simples.
    - Sério?
    - Sim, mais hoje, graças a Deus, estou no céu.
    - Verdade, olha, ter que contar as moedas no meio do mês para ver se vai dar para o pão até o fim deste, olha é dureza.
    - Eu sei, mais sabe, é só lutar e seguir, a gente consegue.
    - A senhora diz isso por que não perdeu alguém importante no meio do caminho.
    - Por que diz isso Vanda, você perdeu alguém?
    - Eu, bem..........   Toca o celular de Jocyane, ela atende e logo pede licença saindo dali.
    - Até parece que a dona disso aqui, a rainha da vez iria se importar com alguém ou com uma história igual a minha.
    Vanda diz isso terminando de cortar os legumes, no fogão a panela com água quente, ela coloca estes legumes nesta que logo inicia a fervura.
    Jocyane retorna e segue com o preparo sem perceber que Vanda limpa os olhos lacrimejados.
    Antônio termina a coxinha de frango com bastante jarros de pimenta, vira o ultimo gole de refri em lata, ali junto dele dois policiais e um investigador, eles conversam quando Antônio observa ao longe uma garotinha sozinha entrar em um matagal.
    - Com licença, acho que vou fazer a digestão andando um pouco.
    - Tudo bem doutor.
    Ele sai e segue pelo trilho até parar frente a um abacateiro.
    - Por que não vai embora?
    - Então é isso, é isso que a pessoa por trás de ti quer, fale?
    - Vão embora. Vocífera a menina, seguindo em gritos que causam frios na espinha dele e o ensurdece.
    - Por quê ser tão má?
    A menina entra na matinha em velocidade e logo retorna com uma lebre na mão.
    - Vão.   Em um movimento ela desmenbra o animal arrancando a cabeça, o sangue jorra lhe borrando enquanto a criança grita e sorri com certo ar demoníaco, Antônio olha aquilo e quando saca a pistola, mais nada ali, nem garota e nem animal, tudo limpo ali.
    - Estou ficando louco, só pode ser isso. O delegado sai retornando para a estrada, ali a sua espera os policiais.
    - Aconteceu algo doutor?
    - Não, por quê?
    - Ouvimos um grito, achamos que tivesse ocorrido algo doutor.
    - Não, tudo bem, podem ficar tranquilos.
    Logo um cheiro fétido invade o lugar, eles saem a procura e numa posição á esquerda de onde o delegado estivera com a menina, encontram um buraco com mais de 15 lebres mortas em decomposição.
    - Meu Deus quem fora capaz de tal atrocidade.


                                                13012020.............



                  Vanda termina o seu serviço, segue para o banheiro na área de serviço, logo retorna em outras vestes, cabelos arrumados com ajuda de água e de alguns grampos.
    - Bem, já vou indo dona Jocyane.
    - Tchau Vanda.
    - Até amanhã.
    A mulher sai da casa e segue para o ponto, pega o ônibus para o seu bairro, dentro do circular vasculha sua bolsa a procura de algo.
    - Mais que droga, será que eu deixei em casa, com certeza ficou lá?
    Jocyane termina de averiguar a comida que esta preparando, vai até o quintal, puxa o ar como que se um rito para sua saúde, não percebe ser observada pela menina que esta escondida em meio as folhagens.
    Ali, Jocyane realiza alguns ritos e rezas que estivera aprendendo ao ler o caderno que recebera em sua casa.
    A menina surge dentro de casa, anda pela cozinha e corredor, entra nos quartos e mexe em algumas coisas, fazendo algum barulho.
    - Oi, tem alguém ai?
    Jocyane pega uma faca na cozinha e segue pela casa, entra em seu quarto e quando abre a porta deste é fechada, ela vai até esta e a abre novamente, uma forte corrente de ar transita no corredor.
    - Será que vai chover, mais o tempo estava tão bom.
    Ela sai e ali no chão vê um papel branco caído e ela pega este.
    - Mais o que é isso, é uma foto.
    A corrente de ar para e ali a sua frente a menina, Jocyane a encara, porém sente um desejo de acaricia-la, a menina lhe aponta o papel na mão da mulher.
    - Você o quer ou quer que eu veja isso?
    - Veja e vá.
    A menina desaparece e Jocyane sente um forte arrepio, ela vai até a sala e sentada no sofá, vira o papel, uma foto de um garoto de seus 12 a 14 anos.
    - Meu Deus, um menino, deve ser filho ou neto da Vanda, é moreno.
    Jocyane vira novamente, as costas e nota.
    " Querido anjo, Deus me deu a filho, te amo, infelizmente você teve de ir embora, sofri muito, mais fique tranquilo, ele pagará, a sim pagará, meu anjinho, oxóssi esta contigo, os caboclos te cuidam e a mãe de todos nós não te desampara, jamais. Te amo querido, sempre te amarei e saiba, haverá justiça."
    Assinado Vanda.
    Jocyane lê mais uma vez e fica encabulada com aquilo, ela guarda a foto dentro da agenda e vai para a cozinha pois as panelas pelo cheiro anunciam que vai ter comida e da boa.
    Antônio termina de jantar, esfrega a barriga com as mãos.
    - Nossa amor, que peixada maravilhosa.
    - Pare Antônio, foi só um dourado no molho.
    - Perfeito.
    - Tá vendo você sempre me elogiando, assim eu fico até me sentindo, sabia?
    - Pois pode se sentir e muito por que você é demais em tudo que faz, delicia. O homem a traz para si, ali ela sentada no colo dele recebe caricias e beijos.
    - Vai, pare com isso ou vou querer preparar peixe agora toda noite. Risos do casal, ali com uma sessão de amassos e Jocyane se lembra da foto.
    - Pare amor.
    - O que foi, não esta gostando?
    - Não é isso, quero te mostrar algo.
    - O quê, lingerie nova, oba?
    - Seu tarado. Risos.
    Ela vai até o local que deixara a foto e a traz para o esposo.
    - O que é isso?
    - Amor, escute bem, eu achei caída no corredor, logo após a Vanda ter ido.
    - Não pode ser.
    - O quê amor, você conhece esse garoto?
    - Você não se lembra, é o menino daquele acidente.
    - Daquele acidente?
    - Sim, há 8 anos atrás, lembra-se quando você quis guiar o carro novo nosso.
    - Não pode ser, você esta de brincadeira, alguém esta brincando com a gente.
    - Não querida, foi ele mesmo, eu me lembro muito bem, nunca consegui esquecer.
    - Estou me lembrando, mais juro, eu não queria nunca mais me lembrar daquilo.
    - Você disse que encontrou logo após a saída de Vanda.
    - Sim.
    - Será?
    - O quê?
    - A mãe dele, eu a vi muito de relance, não.
    - Amor, e se a mãe dele ou avó for a Vanda?
    - Penso mais exato, é a Vanda a mãe dele.
    - O que faremos?
    - Temos de perguntar.
    - Para ela?
    - Sim, amanhã mesmo só vou para a delegacia depois de tirar isso a limpo.
    - Mais ainda tem uma coisa.
    - O quê?
    A menina, ela apareceu aqui e.............
    Jocyane conta tudo o que aconteceu ao marido, ele ouve tudo atentamente tendo em mãos a foto do garoto.
    Vanda revira toda sua casa a procura da foto, ja colocara todos para sair de sua casa, parentes e conhecidos foram convidados a se retirarem dali, ela queixando-se de forte dor de cabeça e febre.
    Devido a mais um período de ondas de calor, os mosquitos transmissor da dengue e outras mazelas estão a fazer vítimas pela cidade, só em seu bairro já são quase 30 pessoas suspeitas do vírus.
    Vanda aproveita-se disso para ter seu tempo e casa para si, assim podendo revirar tudo transformando o lugar em tremenda bagunça, tudo pela caça a foto de seu filho.
    - Não, não, não, a foto dele, dele, meu filho, meu querido filho, não.
    Ela vai até um armário trancado as portas a chave, ela abre este, retira alguns maços de velas e as acende diante as imagens.
    - Eu lhes peço e rogo, que mau nenhum chegue até mim e aos meus.
    Ela repete a frase por diversas vezes, como um mantra, abre algumas bebidas e joga nas imagens e em si própria, ali começa uma dança sem muito ritmo porém de fácil percepção, ela está em transe.

                                             16012020................


Biografia:
ler e escrever é minha vida assim
Número de vezes que este texto foi lido: 130


Outros títulos do mesmo autor

Contos RIO DAS ALMAS 6 IND 14 ANOS ricardo fogzy
Contos RIO DAS ALMAS 5 IND 14 ANOS ricardo fogzy
Contos FRUTO PRECIOSO 2 ricardo fogzy
Contos ALTA CONFIANÇA IND 15 ANOS ricardo fogzy
Crônicas O VALOR DE UM RISO ricardo fogzy
Contos FRUTO PRECIOSO IND 14 ANOS ricardo fogzy
Contos KLAUS IND 13 ANOS MODERADO ricardo fogzy
Crônicas A VIDA E OS SEUS ricardo fogzy
Poesias ÍNDIO ricardo fogzy
Poesias FOI UM LEVE VIVER ricardo fogzy

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 61.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 62858 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53970 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42923 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 40112 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39988 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 37868 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 37057 Visitas
Amores! - 35091 Visitas
Desabafo - 34630 Visitas
Faça alguém feliz - 33029 Visitas

Páginas: Próxima Última