Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Uma vida só
Gladyston costa



Uma vida só, em cada linha traçada no destino as esquinas são pontos de encontro da rotina. O dia acontece e pelo caminho as mesmas cenas, as mesmas pessoas. O dia como os de sempre, o da véspera e da antevéspera, a rotina é estática. Em cada esquina, em cada farol, nos pontos de ônibus e estações as pessoas se repetem... Os automóveis os mesmos. Segunda feira, terça feira todas as feiras, não importa, uma vida só em que os dias são os mesmos. Na cidade a rotina é uniforme, como o da faxineira, do médico ou do policial, a rotina não muda de roupa. O sujeito apressado de calça azul que atravessa a avenida, a mulher de meia idade que conduz a criança, o mendigo na esquina que conta moedas, todos sempre lá. O relógio na parede da estação, os ponteiros, as horas, os minutos, os segundos são sempre os mesmos. A hora passa sem passar, as tarefas, os afazeres, os olhares sem ver não expressam emoção. A cada dia pessoas sem rosto no mesmo espaço, na cidade o mesmo tempo no relógio, a cidade não passa. Um "bom dia" frio no portão, o barulho do motor, a fumaça tóxica que flutua lentamente, a xícara de café sobre a mesa. Um beijo aritmético e as esquinas pelo caminho marcadas pelo sempre, uma vida só de pessoas e coisas na mesma paisagem. As pessoas no caminho soldadinhos de chumbo, sonhos aprisionados em caixa de ferro. O som das buzinas e as palavras sem eco morrem sem sentido. O sol corre pelo caminho, mas não ilumina, apenas marca as horas. Ocultos, os sonhos na caixa são desejos à espera, dia que nunca chega. Sonhos que moram nas pessoas de sempre nas mesmas esquinas, nos mesmos pontos, nas mesmas mesas. A mesma xícara do café pela manhã, o prato de comida no almoço, o guarda sem rosto que lê o jornal, os dias nunca terminam. Uma vida só e os sonhos na caixa à espera. O combustível da vida, a esperança, que busca a centelha e então! Um beijo molhado, o café com o sol alto, as pessoas com rosto, nuvens de algodão e flores no canteiro, outro caminho. Uma vida só pra viver.

Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 28777


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Infarto Gladyston costa
Crônicas No trânsito, a cidade. Gladyston costa
Poesias Luz de vela Gladyston costa
Crônicas Segundos no farol e a vida Gladyston costa
Crônicas COVID 19, nem tão novo assim. Gladyston costa
Crônicas A morte da velha rica Gladyston costa
Crônicas Desembarque pelo lado esquerdo do trem Gladyston costa
Crônicas O verme da razão Gladyston costa
Crônicas Insônia Gladyston costa
Poesias Gula capital Gladyston costa

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Vivo com.. - 34304 Visitas
eu sei quem sou - 33193 Visitas
camaro amarelo - 33133 Visitas
CÉREBRO HUMANO - Tércio Sthal 33111 Visitas
sei quem sou? - 33003 Visitas
MENINA - 32957 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 32879 Visitas
A menina e o desenho - 32866 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 32854 Visitas
viramundo vai a frança - 32816 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última