Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Trinta e três outonos
Marcos Antônio Filho

- Eu ainda te devo um grande amor...
- Você não me deve nada, deixa de besteira...Você fez sua escolha na época, mas nosso tempo já passou...Ele conspirou contra nós...
- Não existe isso quando se trata de um grande amor! Você acha que eu esqueci tudo o que gente passou?As cartas, o namoro proibido, tudo foi mágico pra mim, assim como foi pra você...Eu não escolhi isso que aconteceu pra gente.Eu lutei enquanto eu pude por esse amor...
- Claro que foi mágico, até hoje não esqueço, meu amor por você ainda se mantém muito forte...Começou naquela festa do nosso amigo, aqueles encontros às escondidas, nossas famílias não podiam saber...E nós iríamos fugir, estávamos apaixonados de verdade, íamos ser felizes e você hesitou...
- Tentei lutar por nosso amor, mas admito que fui derrotado, mas foi por motivo de doença,uma tuberculose me atingiu e quase morri e fiquei mais doente ainda quando recebi o convite de seu casamento...Preferia ter morrido
- Pare com isso! Você não apareceu mais e me deixou sem escolhas... Eu não agüentei de tanta tristeza...Me entreguei ao primeiro homem que me cortejou...Mas logo em seguida você casou também...
- Achei que seu amor por mim tinha se acabado, seu casamento foi um duro revés para mim, tanto que casei com quem meus pais tanto queriam...Era uma boa mulher, meu deu dois bons filhos, mas Deus a tem em bom lugar...
- Meu marido também foi bom, me deu uma filha linda e também se foi... E agora falta apenas nós dois...
- Ainda não meu bem, temos o resto de nossas vidas para vivermos juntos...
- Você não acha que nosso tempo de adolescente já passou? Isso é para os nossos netos, estou velha demais pra me aventurar em um romance de novo...
- Eu não te acho velha. Acho que a serenidade que estampa seu rosto lhe trouxe uma beleza única!
- Ah pare com isso, você e seus galanteios...
- Mas é sério, você está linda, se antes nosso romance era vigoroso e intenso, agora temos a serenidade, a calma, seremos companheiros, amantes, amigos, podemos ser tudo que nós quisermos, ainda podemos meu amor...
- Eu não sei, eu não sei, o que os outros irão pensar, dois velhos ficando de assanhamento...Temos que aceitar a nossa viuvez...
- Não quero aceitar essa morbidez! Não quero esperar minha morte chegar sozinho, se eu ainda amo você! Nada pode nos impedir de viver o que nos resta juntos e você tem medo de quê?
- Eu não sei mais, nosso amor sempre teve tantos entraves, tanta coisa negativa conosco... Primeiro seu pai se opôs a você porque você era pobre...
- Sou comerciante agora, tenho três lanchonetes.
- Depois de vários encontros às escondidas você deixou de me procurar...
- Tive doente demais naquela época, cheguei a ir para o hospital.
- Acabei me casando achando que você tinha me abandonado. E você se casou logo em seguida, e nos afastamos.
- Nossos companheiros morreram, nossos pais morreram, não há nada e nem ninguém que possa impor sobre essa decisão. Você me ama, diga olhando em meus olhos, se me ama!
- E de repente um de nós morre de repente?
- Sem rodeios, diz se me ama...
- Bem...Eu... Eu... Eu te amo com a mesma força de quando eu era uma menina, e te amo mais ainda com seus cabelos brancos e sua barriguinha saliente, não consegui pensar em outro homem que não você nesse tempo todo...Eu te amo pra sempre.
- Eu te amo também minha velha, posso te chamar assim?
- Claro meu velho...Agora vou ter alguém para dividir meus remédios de hipertensão...
- Nunca é tarde pra se recomeçar, nuca é tarde pra dizer sim a um grande amor...
- Então já que você me deve um grande amor, é bom começar a me dar esse amor agora, não sei até quando estaremos vivos.
- É pra já minha velha, farei tudo pra você que continua a mesma sarcástica de sempre.
- E você o mesmo piegas de sempre...
- E é por isso que eu amo você...
O casal de velhinhos disse isso em um tom uníssono, entrelaçaram as mãos e foram a passos lentos, com a expressão serena, em direção a plenitude do amor.

Número de vezes que este texto foi lido: 28619


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Jovens Marcos Antônio Filho
Poesias O poeta triste Marcos Antônio Filho
Contos O Rapto da Loba Marcos Antônio Filho
Contos A Diferença Marcos Antônio Filho
Contos Trinta e três outonos Marcos Antônio Filho
Poesias Carta à solidão Marcos Antônio Filho
Contos Cotidiano Marcos Antônio Filho
Poesias Último soneto de amor (Last sonnet of love) Marcos Antônio Filho
Poesias Dançando entre Lírios mortos Marcos Antônio Filho


Publicações de número 1 até 9 de um total de 9.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Corrupçâo politica na Espanha do regime "juancarlista" - udonge 28831 Visitas
UMA CANÇÃO... - MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS 28831 Visitas
PARA GLÓRIA DO SENHOR... - ANTONIO FERREIRA BISPO 28831 Visitas
mente secreta - jbcampos 28830 Visitas
Coisas de mãe - Ivone Boechat 28830 Visitas
Ânus - Gabriel de Oliveira Amaral 28830 Visitas
A Conversão é Instantânea - Silvio Dutra 28830 Visitas
Mulato Obama: The poor white Addie Bundren is death - udonge 28830 Visitas
Homenagem a kfk - Nicola Aliberti 28830 Visitas
A Caminhada - Vinícius Luiz 28830 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última