Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Almas gêmeas, existem ou não existem?
Almas gêmeas, existem ou não existem?
Henrique Pompilio de Araujo

Resumo:
Muito se debate sobre o tema : Almas gêmeas. Será que existem ou não existem mesmo? É o que tentamos provar.

ALMAS GÊMEAS, EXISTEM OU NÃO EXISTE?
     Ando bastante encabulado com os espíritas atualmente. Uns dizem que existem almas gêmeas, outros dizem que não. O próprio Emmanuel disse a Chico que Lívia era sua alma gêmea, depois, com a grande repercussão que teve, resolveu desmentir e dizer que não era no sentido que o povo pensava, mas no fundo ele continuou com o mesmo conceito. Para ele almas gêmeas existem.
     Pelas pesquisas que fiz, pelo que tenho buscado, posso dizer com certeza absoluta de que alma gêmea existe. É um amor irresistível entre estas duas pessoas a ponto de dizer que uma não vive sem a outra, mas há lapso de tempo que vivem completamente só, com outras pessoas sem a sua alma gêmea estar presente. Estas pessoas precisam buscar novos conhecimentos, novas experiências, mas um dia vão estar juntos para sempre.
     Mas de onde vem esta ideia de alma gêmea? De um tempo muito longo, há mais de 100 mil anos. Quando a terra começou a ser povoada, o ser humano não tinha esta forma que temos agora. Éramos uma espécie de lesma e movimentávamos muito devagar. Ali naquele corpo, ainda sem osso, estavam juntos dois espíritos. Um com o senso masculino e outro com o senso feminino. Não precisavam de ninguém para cuidar deles, pois eles nasceram num paraíso que era a Lemúria e ali existiam todas as frutas e folhas de que eles precisavam para se alimentar. Já existia o sexo neste tempo, não com os órgãos que conhecemos hoje. Eles copulavam e tinham os seus filhos que não precisavam dos cuidados que temos que ter com nossos bebês agora. Eles acompanhavam os pais e iam se alimentando aos poucos com pequenas frutas e folhas da região. Ali não lhes faltavam nada, tinham tudo o que precisavam para sobreviver.
     O mundo era muito pequeno ainda naquele tempo e grande parte do globo estava coberto de água.
     Hoje ainda temos muitos hermafroditas pelo mundo, mas é uma pessoa só que tem os dois sexos, temos também muitos xifópagos que podem ser duas e até três pessoas em um corpo só. Neste caso cada ser é individualizado.
     A terra ainda não era perfeita e o globo foi virando. Com isto muitas regiões começaram a ser alagadas e grande parte da terra começou a aparecer. A Lemúria, a Atlântida, eram continentes muito baixo e começou o afundamento de toda a região. Com isto grande parte daquelas pessoas começaram a morrer e alguns foram se separando, de modo que já vieram para os outros continentes completamente separados, mas o elo de ligação entre os dois continua e vai continuar sempre. A tendência é que vão permanecer para sempre juntos, mas separados e ambos trabalhando para o bem comum.
     Mas não é no conceito que se tem por aí, que a gente precisa viver sempre com a alma gêmea, do contrário será totalmente infeliz. Há lapso de tempo que alguns precisam viver só. Por outro lado algumas almas gêmeas podem se distanciar tanto que podem ficar séculos separados. Para isto basta que uma delas seja rebelde e não aceita seguir os caminhos do bem, quer fazer tudo da cabeça dela enquanto o outro cresce, trabalha para a sua evolução. Neste caso esta pessoa acaba se cansando de ajudar e resolve abandonar o seu parceiro. Por uns tempos o outro até vive feliz, mas logo logo começam os problemas e ele procura sua alma gêmea e demora a encontrar.
     Todos nós temos uma alma gêmea e até mais de uma e um dia terão que viver juntos para que ambos evoluem. Ninguém vive sozinho nesta terra.
     Algumas perguntas surgem: por que aquelas pessoas renasciam ligadas umas as outras? A esta pergunta só Deus pode responder, mas uma coisa é certa. No começo foi para que um protegesse o outro. Onde elas nasceram, na Lemúria, não existiam predadores e o tempo era mais ou menos igual, nem muito quente, nem muito frio. A Temperatura era agradável e estas lesmas gigantes viviam felizes e sem necessidade de cuidados alguns. Tinham seus filhos ali e não tinham necessidade de ninguém para cuidar deles. Agora pensa bem: que bebê sobrevive hoje sem o cuidado de uma outra pessoa? Nenhum. Seria a morte certa. Por que então os primeiros não morriam? Porque não necessitavam de ninguém para cuidar deles.
     Agora: por que se separaram e quando isto aconteceu? Pergunta que só Deus para responder. Mas uma coisa é certa, como a região começou a se inundar, eles precisavam de braços e pernas para se movimentar. Os dois seres começaram a desenvolver estes órgãos para sair da grande água que avançava. É claro que isto durou alguns séculos para concluir. Provavelmente eles já vieram com esta predisposição para se separar, mas ficaram unidos em espíritos. Com cada um com os pés e os braços, ficou mais fácil sair da água.
     Muita gente não aceita o conceito de alma gêmea, mas a popularidade continua em todas as camadas, sinal de que algo existe mesmo neste sentido. Precisamos ficar mais atento que um dia vamos descobrir a nossa também e aí vamos viver felizes para sempre ou ainda infelizes, pois estar junto da alma gêmea não significa ser totalmente feliz. Só no paraíso após o acerto de nossas contas, viveremos felizes.


Biografia:
Henrique Pompilio de Araújo, nascido em Campo Mourão PR e radicado em Cuiabá MT. Começou a escrever desde cedo. Professor aposentado, bacharel em Direito e Teologia. Trabalhou em diversas escolas em Cuiabá e alguns jornais do Estado. Publicou sua primeira obra em 1977: Secos & Molhados - Poemas. Ultimamente publicou outros livros: "Flores do Além" Poemas, "Contos da Espiritualidade" - Contos, "Nas curvas da vida" Memórias, "Cinquenta contos" Contos. Há muitas obras ainda esperando edição.
Número de vezes que este texto foi lido: 54727


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios COMO PROVAR A EXISTÊNCIA DE DEUS Henrique Pompilio de Araujo
Contos JOÃO TORTO Henrique Pompilio de Araujo

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 61 até 62 de um total de 62.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
O Desafio do Brincar na Atualidade - Daiane schmitt 17 Visitas

Páginas: Primeira Anterior