Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Brasil da Gripe espanhola
DIRCEU DETROZ

No momento em que o Coronavírus se alastra fazendo vítimas em todos os continentes. Em que se criam fake news sobre a doença para todos os gostos inclusive apontando os culpados, vamos voltar no tempo até 1918. Ao Brasil da Gripe espanhola que os números dizem, matou de 50 a 100 milhões de pessoas em todo o mundo.

Para escrever minha crônica semanal, vou me valer novamente de uma reportagem do “TAB” desta vez sobre sociedade do UOL. Seu título é: “São Paulo já parou antes: Gripe espanhola teve saques e cemitério 24 horas. Calcula-se que na capital paulista houve 350 mil casos, dois terços da população na época. Oficialmente foram 5.331 mortes causadas pela gripe.

Mas não foi apenas São Paulo. A historiadora Christiane Maria Cruz de Souza, doutora em História das Ciências da Saúde e autora do livro “A Gripe Espanhola na Bahia” da Editora Fiocruz, conta que muita gente adoeceu nas grandes e pequenas cidades. Em alguns lugares não havia quem cuidasse dos infectados.

Uma edição do jornal carioca da época Gazeta de Notícias estampava na primeira página manchetes como: “O Rio é um vasto Hospital”, “Socorro”, “A invasão da influenza espanhola”, “O povo sofre os horrores da exploração” e “A desídia (preguiça) do governo”.

A Gripe espanhola chegou ao Brasil trazida pelos passageiros a bordo do navio Demerara, que partiu de Liverpool na Inglaterra em 14 de setembro de 1918. Fez escalas em Lisboa e, já no Brasil, em Recife e Salvador, aportando depois na então capital do país.

De volta a historiadora Souza, ela conta tratava-se os sintomas: dor de cabeça, febre e coriza. Continua contando, na corrida pela descoberta de uma vacina, muitos médicos pegavam muco de pacientes infectados e inoculavam em si mesmos. Houve médicos que morreram realizando esse procedimento.

As orientações e conselhos eram simulares aos atuais. Lavar as mãos, evitar aglomerações, estar em locais arejados, evitar apertos de mãos e abraços. Também era preciso evitar o pânico. Os médicos diziam que o pânico baixava a imunidade e deixava a pessoa mais suscetível à gripe. Um jornal da época colocou em manchete: “A desordem dos espíritos causa a desordem das coisas”.

A caipirinha um remédio? Numa das versões sobre a invenção da caipirinha difundida pelo Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), a bebida foi criada no interior de São Paulo como remédio para os doentes da gripe. Uma adaptação do xarope feito com limão, alho e mel. Dizia-se que o acréscimo do álcool “acelerava o processo terapêutico”. Depois o alho e o mel foram substituídos pelo açúcar. Nascia a bebida mundialmente conhecida.


Biografia:
Sou catarinense, natural da cidade de Rio Negrinho. Minhas colunas são publicadas as sextas-feiras, no Jornal do Povo. Uma atividade sem remuneração.Meus poemas eu publico em alguns sites. Meu e-mail para contato é: dirzz@uol.com.br.
Número de vezes que este texto foi lido: 505


Outros títulos do mesmo autor

Poesias TEMPORAL DIRCEU DETROZ
Artigos JULGAMENTO, PIZZA OU CIRCO? DIRCEU DETROZ
Poesias HOUVE UMA VEZ... UM VERÃO DIRCEU DETROZ
Poesias LIZZANDRA DIRCEU DETROZ
Artigos UMA GUERRA SILENCIOSA DIRCEU DETROZ
Poesias CIO DIRCEU DETROZ
Poesias JARDIM SECRETO DIRCEU DETROZ

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 1001 até 1007 de um total de 1007.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
A VERDADE NOS SONHOS - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
SÓ EXISTE O CARINHO DA ENTREGA - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
DELÍCIA - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior