Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
LÁGRIMA DE UM PROFESSOR
Derlânio Alves de Sousa

LÁGRIMA DE UM PROFESSOR

Numa desfeita de um plano
Pronto para ser aplicado,
Num desejo ardente de um sonho
Em cinquenta minutos de aula.
O professor vê todo destruído
Tudo que foi planejado.

Diante de dezenas de mentes
Louco para ser ouvido,
Consciente de sua missão docente
Reforça sempre seu pedido:

- Silêncio, turma, silêncio!!!
O conteúdo é extremamente importante,
Preciso repassá-lo para vocês,
Sejam por favor! Conscientes,
Do seu papel como estudante!

No fundo da sala, o grito.
Conversas, palavrões, zumbidos...
Pelas extremidades da sala, a desatenção.
Na frente, alguns querendo de fato,
Aprender para a vida, a mais rica lição.

Já com a voz rouca,
Continua fazendo o pedido,
Expelindo todo ar pela boca:
- Por favor, façam silêncio!!!
Se não seu aprendizado, será comprometido.

Sem respeito e sem pudor
Sai da sala, o professor,
Sem voz e muita dor:
Dor de cabeça, “dor no peito”
Sem saber direito, onde está seu valor!

No fim do expediente, faz uma reflexão:
- Onde está o erro, meu Deus?!
- Na minha didática?! – Na sua criação?!
E para não se levar ao engano,
Refaz suas estratégias,
Flexibiliza seu plano.

Hora dá certo, hora dá errado.
O problema é que no final do ano
Não pode nenhum aluno ser reprovado
Caso venha existir algum,
O professor é quem está errado.

O Estado por sua vez, cobra resultado.
O professor requer respeito e valorização,
Enquanto o sistema é burocratizado
Por um viés mal idealizado,
Que acaba sepultando a educação.

Com o livro didático debaixo do braço,
Com o pincel rolando entre os dedos da mão.
O professor assiste todo o fracasso,
De um país de uma grande nação.
Que jamais pelos seus governantes,
Priorizaram a nossa educação.

Sem direito a resposta
Sem ouvido dentro da sala de aula,
E tão pouco fora dela.
O professor se sente um “gigante” sem poder.
Numa sociedade de grandes mazelas.

Mas apesar de tanta desfeita
Ele mantém sua rotina.
Ao lavar e enxugar seu rosto
Com uma toalha fina,
Faz-se cair a lágrima do desgosto.
Por amor a sua profissão,
Sendo esta, uma das mais linda.

                             Derlânio Alves
Arneiroz, 15 de outubro de 2018.


Biografia:
Derlânio Alves de Sousa, nascido em 04/01/1976 no município de Aiuaba CE, filho de agricultores, Eneas Alves e D. Santa, é professor de Língua Portuguesa, tem pós-graduação em Língua Portuguesa e Literatura brasileira.
Número de vezes que este texto foi lido: 35030


Outros títulos do mesmo autor

Corporativo DIÁLOGO COM DEUS Derlânio Alves de Sousa
Poesias COMO VIVER Derlânio Alves de Sousa
Poesias Permita-se! Derlânio Alves de Sousa
Poesias Carta Aberta Derlânio Alves de Sousa
Cartas Lições Derlânio Alves de Sousa
Poesias Tem gente pra tudo Derlânio Alves de Sousa
Poesias NA HORA DA DESPEDIDA Derlânio Alves de Sousa
Poesias NOS ESCOMBROS DO AMOR Derlânio Alves de Sousa
Poesias LÁGRIMA DE UM PROFESSOR Derlânio Alves de Sousa
Poesias CONTRAPROPOSTA Derlânio Alves de Sousa

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 56.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
Os Festejos do Dia do Indio no Mês de Abril - FRANCISCO CARLOS DE AGUIAR NETO 35081 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 35076 Visitas
Faça alguém feliz - 35061 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35058 Visitas
Amores! - 35057 Visitas
O Movimento - Marco Mendes 35055 Visitas
Desabafo - 35055 Visitas
Me apaixonar foi - llorenamt 35054 Visitas
Céu Azul - Diego de Oliveira 35053 Visitas
sei quem sou? - 35052 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última